“Mulheres e Suas Histórias”: o cinema como ferramenta de ensino para a igualdade gênero

Conteúdo do artigo principal

Caroline Pereira Leal
https://orcid.org/0000-0003-4633-8691

Resumo

Este artigo tem como objetivo relatar o trabalho desenvolvido nas aulas de História, em turmas do 8º ano, de uma escola de ensino fundamental do município de Porto Alegre, que consistiu na criação de um ciclo de cinema, como instrumento de ensino e inclusão da História das Mulheres no conteúdo programático do referido ano. A fim de dar visibilidade às mulheres e utilizando o conceito de representação social para a análise dos filmes, buscamos decompor e interpretar as obras cinematográficas para, então, verificar como as mulheres foram representadas através do cinema.  Através dessa prática pedagógica foi possível a criação de um espaço de diálogo e exercício da empatia para a resolução de conflitos, o entendimento de nossa realidade de desigualdade de gênero e o empoderamento das meninas, uma vez que deu visibilidade às mulheres enquanto sujeitos históricos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
LEAL, C. P. “Mulheres e Suas Histórias”: o cinema como ferramenta de ensino para a igualdade gênero. Olhar de Professor, [S. l.], v. 25, p. 1–17, 2022. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.25.16313.024. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16313. Acesso em: 26 maio. 2022.
Seção
Experiências Pedagógicas
Biografia do Autor

Caroline Pereira Leal, Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre - RME/POA

Possui graduação em História (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especialista em Gestão Pública pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Mestre e Doutora em História pelo Programa de Pós graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME/POA).

Referências

AGUIAR, F.R.; SANTOS, G.F. S. Reorientações gerencialistas das políticas educacionais: impactos na rede municipal de ensino de Porto Alegre. Políticas Educativas, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 73-92, 2018. Disponível em https://seer.ufrgs.br/Poled/article/view/87812. Acesso em 12 de abr. 2021.

AZEVEDO, J. C. Reconversão cultural da escola: mercoescola e escola cidadã. Porto Alegre: Sulina, Editora Universitária Metodista, 2007.

BITTENCOURT, C. F. Reflexões sobre o ensino de História. Estudos Avançados, v. 32, n. 93, p. 127-149, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5935/0103-4014.20180035. Acesso em 02 de jul. 2021.

BOTTON, A.; STREY, M. N. Educar para o empoderamento de meninas: apostas na infância para promover a igualdade de gênero. Inclusão Social, [S. l.], v. 11, n. 2, 2018. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/4109. Acesso em 5 de jul. 2021.

BRASIL, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Resultados e Metas, Brasília, 2018. Disponível em http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultado.seam?cid=906075. Acesso em 18 de maio de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018b.

BRASIL. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (n. 009394). Brasília, 1996. Disponível em: www.senado.gov.br/legbras. Acesso em 18 de maio de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 10 volumes, 1997.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (n.10.172). Brasília, 2001. Disponível em: www.senado.gov.br/legbras. Acesso em 18 de maio de 2019.

CAPARRÓS-LERA, J. M.; ROSA, C. S. O cinema na escola: Uma metodologia para o ensino de história. Educ. foco, Juiz de Fora, v. 18, n. 2, p. 189-210, jul. / out. 2013. Disponível em https://www.ufjf.br/revistaedufoco/files/2014/06/texto-71.pdf. Acesso 18 de maio de 2019.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados, [S. l.], v. 5, n. 11, p. 173-191, 1991. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/8601. Acesso em 2 de jul. 2021.

COLLING, A. M.; TEDESCHI, L. A. O ensino da história e os estudos de gênero na historiografia brasileira. Revista História & Perspectivas, v. 28, n. 53, 5 jan. 2016. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/view/32777. Acesso em 12 de abr. 2021.

CORAL, G. Crítica Maria Antonieta (2006). Plano Crítico, 2017, disponível em https://www.planocritico.com/critica-maria-antonieta-2006/. Acesso em 18 de maio de 2019.

FERRO, M. Filme: uma contra-ánálise da sociedade? In: LE GOFF, J. & NORA, Pierre (orgs). História: Novos Objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

GARCIA, S. et al. Relações de Gênero e Poder: por uma análise do machismo entre moradores do bairro Hípica, na cidade de Porto Alegre (2018). Salão UFRGS Jovem 2018, Porto Alegre, 2018.

LEAL, C. Roteiro CineDebates: Mulheres e Suas Histórias, 2018.

LEAL, C. Modelo da Ficha de Leitura do filme Elizabeth, 2018.

MICELI, P. Por outras histórias do Brasil. In PINSKY, Jaime (org.). O Ensino de História e a Criação do Fato. São Paulo, Contexto, 1988.

NAPOLITANO, M. Como usar o cinema em sala de aula. São Paulo: Contexto, 2006.

PINSKY, C. B. Novos temas nas aulas de História. São Paulo: Contexto, 2010.

PINSKY, C. B. Estudos de Gênero e História Social. Revista Estudos Feministas, v. 17, n. 1, p. 159-189, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2009000100009. Acesso em 12 de abr. 2021.

PIRES, T. Gênero, Cinema e História: as mulheres sob a ótica cinematográfica. Salão UFRGS Jovem 2018, Porto Alegre, 2018.

PENAFRIA, M. Análise de Filmes - conceitos e metodologia(s). In:VI Congresso Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, 2009, Lisboa. Anais do VI SOPCOM, Lisboa, 2009, p.1-10. Disponível em http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-penafria-analise.pdf. Acesso em 16 de abr. 2021.

PORTO ALEGRE (PMPA), Prefeitura de. Educação, Porto Alegre, 2021. Disponível em http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smed/default.php?p_secao=542. Acesso em 02 de jul. 2021.

SCOTT. Joan. Gênero: uma categoria de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.16, n.2, jul/dez 1990.

STEPHANOU, M. Instaurando maneiras de ser, conhecer e interpretar. Revista Brasileira de História, v. 18, n. 36, p. 15-38, 1998. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0102-01881998000200002. Acesso em 06 de jul. 2020.

TEDESCHI, L. A. As mulheres e a história: uma introdução teórico metodológica. Dourados: Ed. UFGD, 2012.

VIANNA, C. P.; UNBEHAUM, S. O gênero nas políticas públicas de educação no Brasil (1988-2002). Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 121, p. 77-104, jan./abr, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-15742004000100005. Acesso em 06 de jul. 2020.