NARRATIVAS AUTOBIOGRÁFICAS: O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DA REDE MUNICIPAL DE PONTA GROSSA SOBRE UM ENSINO QUE PROMOVA O LETRAMENTO RACIAL CRÍTICO

  • Keila de Oliveira Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Aparecida de Jesus Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa

Resumo

O presente artigo é um recorte da dissertação de mestrado e tem por objetivo discutir sobre a importância do trabalho docente na (re)construção da identidade racial da criança, a partir do uso de práticas pedagógicas em uma perspectiva de Letramento Racial Crítico. As perguntas de pesquisa que responderemos são: As professoras conseguem perceber, por meio da escrita de narrativas autobiográficas como que as crianças se identificam racialmente e reagem à identidade racial do outro no cotidiano escolar? Essas narrativas contribuem para que essas professoras compreendam a importância de discutir sobre raça em sala de aula, na perspectiva do Letramento Racial Crítico? Para responder essas duas perguntas, iniciamos a discussão com uma revisão teórica sobre o tema e em seguida, apresentamos algumas reflexões a partir da análise de narrativas autobiográficas de três professoras do Ensino Fundamental I, da rede municipal da cidade de Ponta Grossa. Para tanto, consideramos autores como: Ferreira (2014-2017), Silva e Dias (2016), Uwe (2009), Gomes (2005), entre outros. A partir dessa análise, os resultados obtidos nas narrativas autobiográficas das professoras apontam que é possível encontrar em sala de aula atitudes e discursos racistas, no entanto, nem sempre perceptíveis pelo/a professor/a. Nesse sentido, as narrativas autobiográficas contribuem para que o professor reflita sobre sua prática em sala de aula, a necessidade de discutir sobre raça e a importância da formação continuada a respeito das questões raciais, visto que a interação professor-aluno de forma reflexiva é uma das possibilidades de combate ao racismo.

Biografia do Autor

Keila de Oliveira, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Graduada em Pedagogia (UEPG) Mestre em Estudos da Linguagem- Área de concentração: Linguagem, Identidade e Subjetividade (UEPG)
Aparecida de Jesus Ferreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Possui Pós doutorado (2015), e doutorado em Educação de Professores e Linguística Aplicada - Universidade de Londres - Inglaterra (2005), mestrado em Linguística pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e graduação em Letras Português Inglês pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1990). Atualmente é professora associada da UEPG - Universidade Estadual de Ponta Grossa. 
Publicado
2020-04-16