Entre Parques e Reservas: o processo de criação e a participação na gestão em Unidades de Conservação estaduais do Amazonas

Autores

Palavras-chave:

participação, populações locais, Amazônia

Resumo

Este estudo analisa questões relacionadas à criação e ao processo de participação da população local na gestão de três Unidades de Conservação (UCs) estaduais do Amazonas. Os dados foram levantados em duas Unidades de Uso Sustentável, as Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã e Juma, e o Parque Estadual (PAREST) do Rio Negro Setor Norte, nos anos de 2011 e 2012. Foram realizados levantamentos de campo, apoiados em entrevistas abertas e semiestruturadas, observação direta e participante sobre o processo de criação das Unidades e a participação das populações locais na gestão das UCs. Nossos dados apontam que, em alguns casos, os sujeitos atuam na gestão por meio de uma “gestão participativa”, mas não participante, como por exemplo na construção dos planos de gestão, em que as populações locais são envolvidas, por meio de “participação passiva”, como fonte de informação ou mesmo para aprovação das propostas, porém sem a participação ativa no processo de criação e gestão da Unidade.

Biografia do Autor

Adnilson de Almeida Silva, Universidade Federal de Rondônia, UNIR, Porto Velho, RO, Brasil

Licenciado e Mestre em Geografia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR),  Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Pós-Doutor em Geografia na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Professor Associado do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Geografia (PPGG/UNIR).  Líder do do Grupo de Pesquisa Geografia, Natureza e Territorialidades Humanas (GENTEH/UNIR).

Alex Almeida Coelho, Universidade Federal de Rondônia, UNIR, Porto Velho, RO, Brasil

Graduado em Geografia pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Doutorando no Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Geografia da Universidade Federal de Rondônia (PPGG/UNIR). Membro dos grupos de pesquisa "Organização Social e Manejo Participativo na Amazônia" do Instituto Mamirauá e "Geografia, Natureza e Territorialidades Humanas (GENTEH/UNIR). Professor  do curso de Licenciatura em Geografia no Centro de Estudos Superiores de Tefé (CEST/UEA). 

Currículo Lates - http://lattes.cnpq.br/8968184978169981

Referências

AMAZONAS, Assembleia Legislativa do Estado do (2007). Lei Complementar nº 53, de 05 de junho de 2007. Regulamenta o inciso V do artigo 230 e o § 1º do artigo 231 da Constituição Estadual, institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação- Seuc, dispondo de infrações e penalidades e estabelecendo outras providências. Manaus: Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas.
AMAZONAS, Governo do Estado do (2006). Roteiro para a elaboração de planos de gestão para as Unidades de Conservação Estaduais do Amazonas. Manaus: Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - Sds.
BATISTA, A. (2012, março 20). Entrevista do presidente da Comunidade de São Pedro do Puduari ao autor. Parque Estadual do Rio Negro Setor Norte.
BATISTA, P.C. (2012, março 19). Entrevista de comunitário da Comunidade de São Pedro do Puduari ao autor. Parque Estadual do Rio Negro Setor Norte.
BEZERRA, N.P. (2012). “Toda Ação de Conservação Precisa ser Aceita pela Sociedade”: manejo participativo em reserva de desenvolvimento sustentável. Tese de Doutorado (Sociologia), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível: https://www.mamiraua.org/documentos/67b7632f5b79dd88b94a3fe19db80821.pdf
BEZERRA, N.P.; LIMA, D.M. (2015). “Guardar é para tirar depois”. Disputas territoriais e conceituais em uma unidade de conservação: o caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (Amazonas – Brasil). Revista De História da Ueg, 4(2), 114-138.
BRASIL. (2000). Lei Federal nº 9.985 de 18/07/2000. Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.
COELHO, A.A.(2015). A terceirização e gestão das Unidades de Conservação Estaduais do Amazonas. In: FARIA, I.F (Org.). Geopolítica ambiental: a produção do território no Estado do Amazonas. São Paulo: Annablume, 2015.
DIEGUES, A.C. (2008). A Ecologia política das grandes Ongs transnacionais Conservacionistas. São Paulo: Nupaub/Usp.
FARIA, H.H. (2004). Eficácia de gestão de unidades de conservação gerenciadas pelo Instituto Florestal de São Paulo, Brasil. Tese de Doutorado(Geografia), Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/101436.
FARIA, I.F. (2007). Ecoturismo Indígena Território, Sustentabilidade, Multiculturalismo: princípios para a autonomia. Tese de Doutorado (Geografia Física), Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponível: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-17022011-095412/publico/2007_IvaniFerreiradeFaria.pdf
FARIA, I.F. (2010, outubro). Geopolítica ambiental: reflexões sobre gestão do território e políticas ambientais do estado do Amazonas. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, Florianópolis - Santa Catarina, Brasil, V.
FARIA, I.F.; et al (2009). Diagnóstico Socioeconômico para criação da Unidade de Conservação em Silves. Manaus: Grupo de Pesquisa Planejamento e Gestão do Território na Amazônia/Ufam.
IRVING, M. (2006). Áreas Protegidas e Inclusão Social: Construindo Novos Significados. Rio de Janeiro: Aquários.
LEFF, E. (1998). Los nuevos actores del ambientalismo en el medio rural mexicano. Ambiente e Sociedade, 1(2), 61-76.
LEFF, E. (2001). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes.
MORAES, I.J. (2012, abril 17). Entrevista do presidente da Comunidade Maanaim e vice-presidente da Associação de Moradores (AACRDSC) ao autor. Rds Uatumã.
NOBRE, M. (2012, abril 16). Entrevista do membro do Conselho Deliberativo da comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro do Lago do Maracarana ao autor. Rds Uatumã.
OLIVEIRA, A. (2011, outubro 22). Entrevista de comunitário da Comunidade do Flexal. Rds do Juma.
OLIVEIRA, M.N. (2011, outubro 22). Entrevista de comunitária da comunidade do Flexal. Rds do Juma.
RODRIGUES, C.L. (2001). Limites do Consenso: Territórios Polissêmicos na Mata Atlântica e Gestão Ambiental Participativa. Tese de Doutorado (Geografia Humana), Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponível: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-12092003-092231/publico/TESE_CARMEM_LUCIA_RODRIGUES.pdf
SOARES, J.S. (2012, março 16). Entrevista de comunitário da Comunidade do Castanho ao autor. Parque Estadual do Rio Negro Setor Norte.
VIANA, J.M. (2011, novembro 02). Entrevista do vice-presidente da Amarjuma da Comunidade Repartimento ao autor. Rds do Juma.

Downloads

Publicado

2022-02-16

Como Citar

SILVA, A. de A.; COELHO, A. . A. Entre Parques e Reservas: o processo de criação e a participação na gestão em Unidades de Conservação estaduais do Amazonas . Terr@ Plural, [S. l.], v. 16, p. 1–20, 2022. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/tp/article/view/17608. Acesso em: 29 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos