Circuitos espaciais de produção da tilapicultura nos contextos regionais norte e oeste do Paraná

Autores

  • Maico Eduardo Dias Dias Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil
  • Edilson Luis de Oliveira Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7338-9916

Palavras-chave:

Piscicultura, Produção de tilápias, círculos de cooperação, densidade técnica

Resumo

A concentração espacial das atividades produtivas e a consequente formação de regiões caracterizadas por uma dada especialização produtiva são temas de permanente interesse para a geografia econômica. O atual período histórico, marcado pela globalização, os processos de concentração e especialização produtiva, é caracterizado por relações entre condições locais e regionais e a dinâmica global. Considerando a relevância da participação do Brasil na produção global de tilápias (Oreochromis niloticus) e, no contexto brasileiro, a importância dessa atividade no estado do Paraná, este artigo analisa as particularidades dos circuitos espaciais de produção e círculos de cooperação que definem dois contextos regionais no território paranaense, nos quais ocorre a concentração dessa atividade produtiva. Os resultados demonstram que as condicionantes espaciais possibilitam diferentes manifestações da tilapicultura nos contextos regionais analisados, resultando em distintas modalidades técnicas, e diferentes fluxos de ordem material e imaterial, mesmo que ambos produzam a mesma mercadoria, a tilápia.

Biografia do Autor

Edilson Luis de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil

Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Londrina(UEL), onde leciona nos cursos de graduação e pós-graduação. Atua no Laboratório de Geografia Urbana, Regional e da Saúde (Leurs). Orienta pesquisas na área de geografia econômica e geografia urbana, com enfase na temática da economia urbana. Tem como outras áreas de interesse e atuação a geografia regional e geopolítica.

Referências

Benko, G. (1998). Organização Econômica do Território: Algumas Reflexões Sobre a Evolução no Século XX. In. M. Santos, M. A. de Souza, & M. L. Silveira (Orgs). Território: Globalização e Fragmentação. Editora Hucitec. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. São Paulo.
Benko G. & Pecqueur B. (2001). Os Recursos de Territórios e os Territórios de Recursos. Revista Geosul, v.16, n.32, 31-50. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/14006/12841.
Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social. (2010). Panorama da Aquicultura no Brasil: Desafios e Oportunidades. Autor recuperado de https://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/bnset/set3512.pdf.
Castillo R. & Frederico S. (2017). Espaço geográfico, produção e movimento: Uma reflexão sobre o conceito de circuito espacial produtivo. In. A. Dantas, M. Arroyo & M. Cataia (Orgs). Dos Circuitos da Economia Urbana aos Circuitos Espaciais de Produção: Um Diálogo com a Teoria de Milton Santos. Editora Sebo Vermelho, Natal – RN, 83 -110.
Dias, M. E. D (2020). Circuitos espaciais de produção da tilapicultura paranaense: contextos regionais. 186 f. (Dissertação de Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual de Londrina - UEL, Londrina, Brasil. Recuperado em http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000231478.
Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (2015). Iniciando a Criação de Peixes na Prática. Distrito federal: Autor.
Organizações das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (2018). Pesca e Departamento da Aquacultura. O Papel da FAO na Aquicultura. Recuperado em http://www.fao.org/fishery/countrysector/naso_brazil/es.
Fajardo, S. (2007). Estratégias e territorialidades das cooperativas agropecuárias e das empresas globais do setor agroindustrial no Paraná. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Tecnologia – UNESP, Presidente Prudente, Brasil.
Gomes, P. C. C. (2005). Geografia e Modernidade. (5a ed). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Harvey, D. (2013). Os Limites do Capital. São Paulo: Boitempo.
Memórias Paranapanema (2018). Projeto Memórias do Rio Paranapanema. Gerência de Comunicação. Autor recuperado em http://www.memoriaparanapanema.com.br/Usinas.aspx?menu=9&usina=4.
Morais, D. L. A & Locatel, C. D. (2017). O Circuito Espacial Produtivo e Os Círculos de Cooperação da Carcinicultura do Rio Grande do Norte. In. A. Dantas, M. Arroyo & M. Cataia (Orgs). Dos Circuitos da Economia Urbana aos Circuitos Espaciais de Produção: Um Diálogo com a Teoria de Milton Santos. Editora Sebo Vermelho, Natal – RN, 235-266.
Associação brasileira de Piscicultura (2018). Anuário da Piscicultura Peixe BR. São Paulo. Recuperado em https://www.peixebr.com.br/anuario2018/.
Santos, M. & Silveira, M. L. (2006). O Brasil: Território e Sociedade no Início do Século XXI. (9a ed). Rio de Janeiro: Record.
Santos M. (2006). A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. Ed. (2a reimpr). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
Santos M. (1988). Metamorfose do Espaço Habitado: Fundamentos teóricos e Metodológicos da geografia. São Paulo: Hucitec.
Santos M. (1994). Técnica, Espaço e tempo: Globalização e Meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec.
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2008). Manual do Piscicultor: Produção de Tilápias em Tanques-redes. Recuperado em http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/8f207413cf7a8402b142400d385397ad/$File/5203.pdf.
Xavier, M. (2017). Regiões do Agronegócio e Urbanização: Implicações do Uso do Território pelas Cooperativas Agroindustriais no Oeste Paranaense. Revista Confins. Dossiê Paraná em suas diversas escalas, n.33. Recuperado em https://doi.org/10.4000/confins.12623.

Downloads

Publicado

2022-05-16

Como Citar

DIAS DIAS, M. E.; OLIVEIRA, E. L. de. Circuitos espaciais de produção da tilapicultura nos contextos regionais norte e oeste do Paraná. Terr@ Plural, [S. l.], v. 16, p. 1–19, 2022. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/tp/article/view/17547. Acesso em: 25 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos