Da mineração à hidrelétrica: a face recente das dinâmicas territoriais na Amazônia oriental brasileira

Palavras-chave: Dinâmicas Territoriais, Desre-territorialização, Amazônia Oriental, Grandes projetos

Resumo

Desde o período da Ditadura Militar no Brasil, a Amazônia passou a ser o
cenário, via políticas públicas e creditícias, de privilégios dos interesses do capital frente
aos povos tradicionais (ribeirinhos, pescadores, quilombolas e indígenas), ocupantes
seculares, e aos demais sujeitos (sem-terra, assentados nos projetos de reforma agrária,).
Nesse espaço estes são desterritorializados forçadamente na lógica de integração do
capital nacional e internacional, na exploração e produção de commodities. Este artigo
retrata a face recente das últimas duas décadas do processo de territorialização de
atividades de interesse internacional, com o aporte de recursos volumosos de capitais,
no caso a mineração e a produção de energia hidrelétrica. O estudo de caso empregou
entrevistas, pesquisa documental e bibliográfica. Esses empreendimentos, de grande
magnitude e profundas transformações socioterritoriais, tendem a provocar um novo
processo de desterritorialização de centenas de famílias de trabalhadores rurais,
assentados nos projetos de reforma agrária, ribeirinhos, quilombolas e indígenas.

Biografia do Autor

Airton dos Reis Pereira, Universidade do Estado do Pará, UEPA, Marabá, PA

possui graduação em História (2000) e especialização em História da Amazônia (2008), pela Universidade Federal do Pará (UFPA); mestrado em Extensão Rural (2004), pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); e doutorado em História (2013), pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Trabalhou como agente de pastoral no Projeto de Desenvolvimento Humano (PDH), da Diocese de Conceição do Araguaia (1994-1998) e na Comissão Pastoral da Terra, do sul e do sudeste do Pará (1999-2001; 2004-2008). Atualmente é professor Adjunto I, do Departamento de Filosofia e Ciências Sociais, da Universidade do Estado do Pará (UEPA), atuando nas disciplinas Metodologia Científica; História da Amazônia; História do Brasil, Comunicação e Extensão Rural. É também professor permanente do Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação Escolar Indígena (UEPA, Unifesspa, UFPA, UFPA) e do Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia (PDTSA), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa). Foi Coordenador do Campus VIII/Marabá, da UEPA, no biênio 2014-2015; Membro do Conselho Universitário da UEPA (Representante Docente do CCSE), entre 2015 e 2019; e Coordenador do Laboratório de Engenharia de Produção, da UEPA Campus VIII/Marabá, no biênio jun. 2018- jan.2020. É membro do Núcleo de Acessibilidade, Educação e Saúde (NAES), da UEPA, Campus VIII/Marabá e do Colegiado do Campus VIII/Marabá da UEPA. É líder do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Sociedade, Saúde e Meio Ambiente na Amazônia (UEPA/CNPq) atuando na Linha de Pesquisa em Dinâmicas socioambientais e Educação na Amazônia. Em seus estudos e pesquisas elege especialmente os seguintes temas: Ditadura civil-militar no Brasil: Amazônia; Conflitos agrários: Violência no campo; Migração; Movimentos sociais, Trabalho Escravo Contemporâneo, Cultura e Educação Escolar Indígena.

Referências

Almeida, A. W. B. de. (2008). Antropologia dos Archivos da Amazônia. Rio de Janeiro: Casa 8, Fundação Universidade do Amazonas.
Araújo, A. S. (2017). Desterritorialização da comunidade Apinajés em São João do Araguaia-PA, na perspectiva da construção da usina hidrelétrica de Marabá. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, TO, Brasil.
Braga, P. R. (2002). Os interesses econômicos dos Estados Unidos e a segurança interna no Brasil entre 1946 e 1964: uma análise sobre os limites entre diplomacia coercitiva e operações encobertas. Revista Brasileira de Política Internacional, v.45, n. 2, pp.46-65, Brasília, July/Dec.
Brasil. Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A-Eletronorte. (2007a). Aproveitamento Hidrelétrico Marabá: Apresentação do EIA/RIMA: Brasília, Eletronorte.
Brasil. Presidência da República. (1980). Decreto-Lei nº 1.813, de 24 de novembro de 1980. Recuperado em 28 agosto, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/19651988/Del1813.htm#:~:text=Institui%20regime%20especial%20de%20incentivos,Caraj%C3%A1s%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias
Brasil. Ministério de Minas e Energia - MME/Empresa de Pesquisa Energética-EPE. (2007b). Plano Nacional de Energia 2030. Recuperado em 18 junho, 2020, de http://www.mme.gov.br/documents/36208/468569/Plano+Nacional+de+Energia+2030+%28PDF%29.pdf/b22cf6a2-8d5f-5c5b-dd3a-414381890002
Brasil. Departamento Nacional de Produção Mineral. (2017). Anuário mineral estadual – Pará. Recuperado em 18 junho, 2020, de http://antigo.anm.gov.br/portal/dnpm/publicacoes/serie-estatisticas-e-economia-mineral/anuario-mineral/anuario-mineral-estadual/para/amest-2017_pa_v1/view
Brasil. Empresa de Pesquisa Energética-EPE. (2007c). Avaliação Ambiental Integrada dos aproveitamentos hidrelétricos na Bacia do Rio Tocantins. Relatório Final. Sumário Executivo. EPE. Recuperado em 28 agosto, 2020, de https://www.epe.gov.br/pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/avaliacao-ambiental-integrada-aai
Canto, O. do. (2016). Mineração na Amazônia: assimetria, território e conflito socioambiental. Belém: Núcleo de Meio Ambiente/UFPA.
Codato, A. (2015). Estado Novo no Brasil: Um Estudo da Dinâmica das Elites Políticas Regionais em Contexto Autoritário. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, pp. 305-330.
Comissão Pastoral da Terra - CPT Pará. (2020). Assassinatos no campo, estado do Pará (1964-2019). CPT: Marabá.
Comissão Pastoral da Terra - CPT. (2019). Panorama estatístico do trabalho escravo no Brasil, 1995-2018. Disponível em: https://www.cptnacional.org.br/publicacoes/noticias/trabalho-escravo. Acesso em 01/12/2020.
Cruz, T. M. da. (2015). Mineração e campesinato em Canaã dos Carajás: o avanço cruel do capital no sudeste paraense. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Marabá, PA, Brasil.
Cruz, G. R. da. (2017). Impactos socioambientais e econômicos da usina hidrelétrica de Marabá (2014-2016) na comunidade da Ilha de São Vicente - TO. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, RR, Brasil.
Fischer, G. (2018). Acelerações em escala regional: a transformação do vale do Rio Doce, CA. 1880-1980. Varia História, Belo Horizonte, vol. 34, n. 65, p. 445-474, mai./ago.
Fearnside, P. M. (2015). Hidrelétricas na Amazônia: impactos ambientais e sociais na tomada de decisões sobre grandes obras. v.1. Manaus: Editora do INPA.
Guimarães Neto, R. B. (2006). Cidades da mineração: memória e práticas culturais: Mato Grosso na primeira metade do Século XX. Cuiabá-MT: Carlini & Caniato; EdUFMT.
Hall, A. L. (1991). Amazônia: desenvolvimento para quem? Desmatamento e conflito social no programa grande carajás. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Haesbaert, R. (2006). Concepções de território para entender a desterritorialização. In: Santos, M. et. al. Território, territórios: ensaios sobre ordenamento territorial. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (1990). Divisão do Brasil em Mesorregiões e Microrregiões Geográficas. Vol I. Rio de Janeiro: Fundação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (FIBGE). Diretoria de Geociências (DGC) e Departamento de Geografia (DEGEO), Rio de Janeiro.
Lôbo, M. A. A. (1996). Estado e capital transnacional na Amazônia: o caso da ALBRÁS-ALUNORTE. Belém: NAEA/UFPA.
Lüdke, M.; André, M.A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.
Martins, J.de S. (1991.). Expropriação e Violência: a questão política no campo. 3ª edição, São Paulo: Hucitec.
Martins, J. de S. (1998). A vida privada nas áreas de expansão da sociedade brasileira. In: Schwarcz, L. M. (Org.). História da vida privada no Brasil: contraste da intimidade contemporânea. Vol. IV, São Paulo: Cia. das Letras, pp.660-726.
Montenegro, A. T. (2011). Ação trabalhista, repressão policial e assassinato em tempos de regime militar. Topoi, v. 12, n. 22, jan./jun.
Mougeot, L. J.A. (1986). Aménagements hydro-électriques et réinstallation de populations en Amazonie: les premières leçons de Tucurui, Para. Cahiers des Sciences Humaines, v.22, n.3/4, p. 401-417.
Nicolás, D. H. (1996). Tempo, espaço e apropriação social do território: rumo à fragmentação na mundialização? In: Santos, M.; Silveira, M. L; Souza, M. A. A. de (Coord.). Território: globalização e fragmentação. 3. ed. São Paulo: Hucitec.
Oliveira, A. U. de. (1988). Integrar para não entregar: políticas públicas e Amazônia. Campinas: Papirus.
Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática.
Santos, L. L. dos. (2019). Territorialidades transfronteiriças de poder do Bico do Papagaio: Pará, Tocantins e Maranhão na temporalidade de 1970 a 2016. Tese de doutorado, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.
Santos, M. (1996). A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec.
Saquet, M. A. (2011). Por uma Geografia das territorialidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. São Paulo: Outras expressões.
Saquet, M. A. (2015). Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular.
Skidmore, T. E. (1992). Brasil: De Getúlio Vargas a Castelo Branco, 1930-1964. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Silva, C. B. da. (2014). A comunicação da Usina Hidrelétrica de Marabá traduzindo uma situação social de conflito: reflexões a partir da vila Espírito Santo (território ribeirinho do sudeste paraense). Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Sul e do Sudeste do Pará, Marabá, PA, Brasil.
Valverde, O. (1989). Grande Carajás: planejamento da destruição. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
Publicado
2021-03-30
Seção
Artigos/ Articles