O patrimônio paleontológico do norte do estado do Tocantins e sudoeste do Maranhão, Brasil: uma síntese preliminar

UMA SÍNTESE

Palavras-chave: Patrimônio Paleontológico, Bacia do Parnaíba, levantamento fossílífero

Resumo

Este artigo visa apresentar uma síntese preliminar do patrimônio paleontológico da região norte do estado do Tocantins e sudoeste do Maranhão, proveniente, em sua maioria de rochas com gênese no Paleozoico e Mesozoico da Bacia Intracratônica do Parnaíba. Os fósseis consistem em somatofósseis de tubarões, troncos de gimnospermas, e samambaias mineralizados, icnofósseis de saurópodes e terópodes, e moldes de folhas indeterminados.

Referências

Aguiar, G. A. Revisão Geológica da bacia Paleozóica do Maranhão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 25, 1970, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 1970. v. 3, p.113-122.
Alves, Y.M. Report on the Upper Permian and Lower Cretaceous fossiliferous localities vertebrates-bearing in the centralnorth of Tocantins State, Brazil. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium, Uberlândia, v. 1, n. 2, p. 372-386. 2010.
Assis. F.P.; Macambira. J.B; Leonardi. G. Dinossauros terópodes do Ribeirão das Lajes, primeiro Registro fóssil da Formação Sambaíba (Neotriássico-Eojurássico), Bacia do Parnaíba: Fortaleza dos Nogueiras, Maranhão-Brasil. 2010. In: 45° Congresso Brasileiro de Geologia. Boletim de resumos. Belém – PA. Sociedade Brasileira de Geologia. p.1720. 2010.
Caputo, M.V.; Iannuzzi, R.; Fonseca, V. M. M. Bacias sedimentares Brasileiras: Bacia do Parnaíba. Aracajú- SE. Informativo da Fundação Paleontológica Phoenix, 81:1-6. 2005.
Cunha, F. M. B. Evolução paleozóica da Bacia do Parnaíba e seu arcabouço tectônico. 1986, p. 107. Dissertação de Mestrado, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1986.
De Valais, S., Candeiro, C. R., Tavares, L. F., Alves, Y. M, Cruvinel. C. Current situation of the ichnological locality of São Domingos from the Corda Formation (Lower Cretaceous), northern Tocantins State, Brazil. Journal of South American Earth Sciences, 61:142-146. 2015.
Faria Jr., L. E. C. Estudo sedimentológico da Formação Pedra de Fogo – Permiano – Bacia do Maranhão. Dissertação (Mestrado). Belém: Núcleo de Ciências Geofísicas e Geológica – UFPA. 1979.
Faria Jr, L.E.; Truckenbrodt, W. Estratigrafia e petrografia da Formação Pedra de Fogo, Permiano da Bacia do Maranhão. In Congresso Brasileiro de Geologia, 31, 1980. Anais, Sociedade Brasileira de Geologia, Belém 2: 740-754, 1980.
Fernandes, G.; Della Piazza, H. O potencial oleogenético da Formaçaõ Codó. BoI. Tecn. Petrobrás 21 (1): 3-16. 1978.
Góes, A.M.O; Feijó, F.J. Bacia do Parnaíba. Boletim de Geociências da Petrobrás, Rio de Janeiro, 8: 57-67. 1994.
Kauffmann, M.; Ricardi-Branco, F.; Fabbrin, E. P.O.; Benício, W. J.; Jasper, A. Resultados preliminares do resgate de fitofósseis no Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Tocantins, Bacia do Parnaíba, Tocantins, Brasil. Revista Geonomos - Vol. 21, n.2. 10.18285/geonomos.v21i2.271. p. 46–52. 2013.
Lima, E.A. M.; Leite, J. F. Projeto Estudo Global dos Recursos Minerais da Bacia Sedimentar do Parnaíba – Integração Geológica-Metalogenética. Recife, Convênio DNPM - CPRM. Relatório Técnico. v. I, p. 124-132. 1978.
Lindoso, R.M.; Carvalho, I.S. Paleoambientes e paleoclima durante o Aptiano na Bacia do Parnaíba (Formação Codó), Nordeste do Brasil. In: CARVALHO, I.S. (Org.). Paleontologia: cenários da vida. Rio de Janeiro: Interciência. v. 4. p. 165-173. 2014.
Plummer, F.B.; Price, L.I.; Gomes, F.A. Estados do Marahão e Piauí. In: Brasil, Conselho Nacional de Petróleo, relatório de 1946. Rio de Janeiro, p. 87-134. 1948.
Melo, M. T., Prade, G. O. Geologia da região Sudeste de São Raimundo das Mangabeiras – Maranhão. Belém: PETROBRÁS, DIREX/RENOR. Relatório 297. 1968.
Santos, M. E. C. M.; Carvalho, M. S. S. Paleontologia das bacias do Parnaíba, São Luís e Grajaú. Reconstituições paleobiológicas. Rio de Janeiro: v. 1. 212 p. 2009.
Vaz, P. T.; Rezende, N. G. A.; Wanderley Filho, J. R.; Travassos, W. A. S. Bacia do Parnaíba. Boletim de Geociências da Petrobrás,15: 253-263. 2007.
Publicado
2021-07-23
Seção
Artigos/ Articles