Metodologia de análise e diagnóstico de McHarg aplicado ao planejamento rural da bacia hidrográfica do rio Teixeira Soares, RS, Brasil

Palavras-chave: Paisagem rural, SIG, Sustentabilidade ambiental

Resumo

Este artigo busca caracterizar, analisar e diagnosticar a bacia do Rio Teixeira Soares a partir da metodologia de análise e diagnóstico proposta por Ian McHarg (1992). Constata-se que a região apresenta um enfraquecimento das comunidades rurais, além de uma dificuldade e instabilidade nas questões relacionadas à produção de alimentos e à conservação ambiental. A forma de produção que se tentou inserir pode estar interferindo na paisagem local e acarretando escassez da fertilidade natural do solo e desequilíbrio da fauna, flora e da água da bacia hidrográfica. Ao final, compreende-se a necessidade de planejar as áreas rurais, como forma de relacionar todos os aspectos nela inseridos, desde os aspectos relacionados ao suporte geobiofísico até os antrópicos. Com a finalidade de potencializar a produção rural e aproximar a sociedade local do ambiente natural, propõe-se diretrizes de qualificação dos espaços que compreendem a sub-bacia.

Biografia do Autor

Renata Franceschet Goettems, Universidade Federal da Fronteira Sul, UFFS

Possui graduação em arquitetura e urbanismo pela Universidade Federal de Santa Maria (2009), mestrado e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (2012 e 2017). Atualmente é professora da Universidade Federal da Fronteira Sul - campus Erechim no curso de arquitetura e urbanismo. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Arquitetura e Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: arquitetura, criatividade, relação ambiente x pessoa, planejamento urbano e pedestres. É integrante do grupo de pesquisa Urbanidades: Forma Urbana e Processos Socioespaciais.

 

Referências

AB'SABER, A. Os domínios de natureza no Brasil: Potencialidades Paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
FRANCELINO, M. R.; SILVA, D. A. Impacto da Inclinação Média na Delimitação de Área de Preservação Permanente. Floresta e Ambiente (on-line), vol. 21, n.4, pp. 441-448. Outubro, 2014.
GIARETTA, J. G. S. O Grande e Velho Erechim: ocupação e colonização do povoado de Formigas. Passo Fundo: Dissertação submetida ao programa de Pós-Graduação em História do instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Passo Fundo, 2008.
HOLMGREN, D. Permacultura Princípios e caminhos além da sustentabilidade. Porto Alegre: Via Sapiens, 2013.
IBGE. Censo Demográfico – 2010: Características da população e dos domicílios. Resultados do universo. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/marcelino-ramos/panorama. Acesso, Maio de 2019.
___. Manual Técnico de Geomorfologia. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2009.
___. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE Brasil, 2012.
___. Manual Técnico de Uso da Terra. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2013.
___. Manual Técnico de Pedologia. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2015.
MACEDO, S. S. Quadro do Paisagismo no Brasil. São Paulo: Quapá, 1999.
MASCARÓ, J. L. Sustentabilidade em Urbanizações de Pequeno Porte. Porto Alegre: Masquatro, 2010.
MCHARG, I. L. Design With Nature. Nova York: Wiley, 1992.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Roteiro para a elaboração e implementação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica. Brasília: MMA - Brasil, 2017.
___. Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil: regiões hidrográficas brasileiras. Brasília. 2015.
___. Áreas de Preservação Permanente e Unidades de Conservação & Áreas de Risco. O que uma coisa tem a ver com a outra. Brasília: MMA, 2011.
MOLLISON, B.; HOLMGREN, D. Permacultura Um. São Paulo: Ground, 1983.
MOLLISON, B.; RENY, S. M. Introdução à Permacultura. Tyalgum: Tagari, 1991.
MORGAN, A. et al. Desenvolvimento territorial com base nas suas potencialidades: aplicação da matriz de condicionantes, potencialidades e deficiências - CPD. Econ. e Desenv. Vol. 27, n.1, pp. 143-163. Santa Maria, jan. – jul. 2015.
PERÍES, L. et al. Procedimientos para un Catálago del Paisaje Urbano. Córdoba: I+P Editorial, 2013.
PIRAN, N. Agricultura Familiar - Lutas e Perspectivas no Alto Uruguai. Erechim: Edifapes, 2001.
SANSEVERO, B. B. et al. Potencial de regeneração natural da vegetação na Mata Atlântica. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Brasil, 2017.
SCIFONI, Simone. Paisagem cultural. In: GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2016. (verbete). ISBN 978-85-7334-299-4.
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. MAGNA ENGENHARIA. Relatório Técnico 3: Diagnóstico da Bacia (RT3). Governo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2015.
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. MAGNA ENGENHARIA. Plano da bacia Hidrográfica dos Rios Apuaê-Inhandava fases A, B, e C. Governo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2016.
SILVA, E. D. S. BR 153 - Conciliando a estrada e a cidade. Erechim: Trabalho Final de Graduação submetido ao Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Fronteira Sul – campus Erechim, 2017.
SOCIOAMBIENTAL, C. A. Plano de Manejo do Parque Natural Municipal Mata do Rio Uruguai Teixeira Soares. Florianópolis. 2012.
Publicado
2021-07-23
Seção
Artigos/ Articles