Valor de Conservação de indivíduos arbóreos e zonas de manejo em remanescente urbano de Floresta Ombrófila Mista: uma proposta metodológica

  • Carlos Hugo Rocha UEPG/ LAMA
  • Atila Cristian Santana EPG/ LAMA
  • Mariane Andressa Pinto Stelle Linhares UEPG
  • Vanessa Kamila de Mello Grizafis UEPG
  • Anderson Farias UEPG
  • Rodrigo Fernando Moro Consultor ambiental - HCVRN
Palavras-chave: área verde urbana, avaliação ambiental, SIG.

Resumo

O desmatamento de remanescentes florestais urbanos tem estimulado o debate entre perspectivas associadas ao valor do imóvel e direito de propriedade e o seu valor inerente para a conservação e função social. Para tornar objetiva a análise e valoração do componente ecológico propomos uma metodologia cientificamente embasada em ambiente SIG para auxiliar tomadores de decisão em diferentes momentos de um empreendimento imobiliário: a) no planejamento arquitetônico e de ocupação do espaço; b) no paisagismo como estratégia de conservação e compensação ambiental; c) no processo de licenciamento ambiental e definição de compensação ambiental; d) na construção e canteiro de obras; e, quando necessário, e) no processo de análise judicial. O modelo foi estruturado através de indicadores e índices de relevância ecológica (DAP e altura, frequência, status de ameaça regional à espécie, estágio sucessional preferencial, presença e abundância de epífitas, de frutificação e valor paisagístico) e análise da distribuição espacial destes atributos. Como referência de adequação do modelo, o resultado expresso em Zonas de Manejo após interpolação IDW foi compatível com a análise da distribuição e qualidade do remanescente florestal interpretado numa série temporal de cerca de 40 anos baseado na interpretação atual e de imagens de 1980 e 2004. Isto demonstra a viabilidade do modelo como referência objetiva da importância relativa de cada árvore, de espécies e da associação destas em zonas com relevância distinta.
Publicado
2019-09-21
Seção
Artigos/ Articles