Experiências do colonialismo em Filhos da Pátria na perspectiva decolonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5935/2177-6644.20220007

Resumo

O artigo analisa efeitos do colonialismo em Angola através da obra Filhos da Pátria de João Melo. Selecionaram-se dois contos, que privilegiam a pluralidade de experiências e a violência no pós-independência. Na perspectiva decolonial, o diálogo entre a História e a Literatura possibilita compreender a obra como manifestação política em contraposição à subalternização e à colonialidade epistêmica.

Biografia do Autor

Cristina Ferreira de Assis (UNEB), Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutoranda em Educação  na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) na linha de estudos sobre Processos Civilizatórios: Educação, Memória e Pluralidade Cultural. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP (2014) e licenciada em História pela mesma universidade (2011).  Especialização stricto sensu em Educação e Inclusão (2017). Vinculada ao Núcleo de Estudos Sociedade, Família e Escola-NESFE no Departamento de Educação- DEEDU da UFOP e ao Grupo de Estudos Educação, História, Culturas e Linguagens -GEHCEL na UNEB. Possui experiência em pesquisas referentes a: juventude, relações intergeracionais, relação família e escola, territórios de alta vulnerabilidade social,escolarização em camadas populares, livros didáticos e ensino de história. Atualmente, tem desenvolvido estudos voltados para o ensino de história, história da educação e representações culturais.

Downloads

Publicado

2022-04-28