Os sentidos da maternidade no discurso sobre o aborto

  • Izabel Cristina Soares Núcleo Maria da Penha - NUMAPE Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO http://orcid.org/0000-0002-8990-9186
  • Kátia Alexsandra dos Santos Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Resumo

Resumo: O artigo analisa discursos relacionados à maternidade a partir da temática do aborto. As análises baseiam-se na metodologia da Análise de discurso pêcheutiana, por meio da noção de formação discursiva. Concluiu-se que argumentos contrários ao aborto se compõem de diversas formações discursivas, além de um interdiscurso sobre maternidade como inerente ao feminino e lugar de amor incondicional.Palavras-chave: Maternidade. Análise do discurso. Aborto. Mídia.    

Biografia do Autor

Izabel Cristina Soares, Núcleo Maria da Penha - NUMAPE Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO
Psicóloga no Núcleo Maria da Penha - NUMAPE/Irati da Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO.
Kátia Alexsandra dos Santos, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO
Professora adjunta no Departamento de Psicologia da Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO, doutora em Psicologia (USP).

Referências

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BASSANEZI, M.S Mulheres que vêm, mulheres que vão. In: PRIORE, Mary del (org.). 10 ed. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 607-639.

BRASIL. Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de Dezembro de 1940. Código Penal. Disponível em: < <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848.htm>. Acesso em 25.jul.2016.

BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos: uma prioridade do governo. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. 2009. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL. Lei nº12.845, de 1 de agosto de 2013. Dispõe sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual. Brasília. Acesso em 25.jul.2016. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12845.htm>

BRASIL CÂMARA, Projeto de Lei 5069/15, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2016. Seção 1. p. 44-46. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/reso510.pdf>. Acesso em: 13 ago 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 153-6. Brasília, 29 de abril de 2010. Disponível em: <https://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5144865>. Acesso em: 23.jan.2019.

DEL PRIORE, M. Ao Sul do Corpo: condição feminina, maternidade e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

DINIZ, D. Três gerações de mulheres. In: PINSKY, C.B; PEDRO, J.M. (Org). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 313-332.

DONATH, O. Mães Arrependidas: uma outra visão da maternidade. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

FONSECA, C. Ser mulher, mãe e pobre. In: PRIORE, Mary del (org.). 10 ed. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 510-553.

INDURSKY, F. Lula lá: estrutura e acontecimento. Organon – Discurso, Língua, Memória. Porto Alegre, v. 17, n. 35, p. 101-121, 2003.

LE BRETON, D. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2003.

MILANEZ, N. et al. Gravidez Indesejada e Tentativa de Aborto: práticas e contextos. Sex., Salud Soc. (Rio J.) [online]. 2016, n. 22. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-64872016000100129&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 20.set. 2016.

ORLANDI, E.P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 7 ed. Campinas, SP: Pontes, 2007.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Orlandi. 5 ed. Campinas: Pontes, 2009.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

ROCHA,W. et al. Percepção de profissionais da saúde sobre abortamento legal. Revista Bioética, Brasília, v. 23, n. 2, jul. 2015. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/bioet/v23n2/1983-8034-bioet-23-2-0387.pdf>. Acesso em 05.07.2016.

SANTOS, K. A. “Mulher joga filho na lixeira”: a discursivização da mulher-mãe infanticida na mídia. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2015. 176 p.

SCAVONE, L. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Cad. Pagu [online]. 2001, n.16. pp. 137-150. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332001000100008&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 20.set. 2016

SCOTT, A. S. O caleidoscópio dos arranjos familiares. In: PINSKY, C. B; PEDRO, J. M. (org.). Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p- 15-42.

VENANCIO, R. P. Maternidade negada. In: PRIORE, Mary del (org.). 10 ed. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 189-222.

Publicado
2019-06-25
Seção
Dossiê | Special Issue | Dossier