A selvageria das multidões: gênero, psicologia e teoria pós-colonial latino-americana

  • Fernando Botton

Resumo

Resumo: São as massas femininas? Por meio de uma articulação teórica de confrontação política, colocaremos pontos de interconexão entre a teoria da psicologia das massas, criticando sua transversalidade com elementos de misoginia e de eurocentrismo. Num segundo momento, trabalharemos com as formas pelas quais o feminismo latino-americanista pós/de colonial de fins do século XX reverteu a polaridade de gênero leboniana bem como suas hierarquias políticas. Palavras-chave: Massas. Feminismo. Gênero. Pós-colonialismo.  

Biografia do Autor

Fernando Botton
Graduado e Mestre em História pela UFPR (Bolsista CNPq). Atualmente realiza seus estudos doutorais pelo Programa de Pós Graduação da Universidade Federal do Paraná (UFPR) - "Linha Intersubjetividade e Pluralidade: Reflexão e Sentimento na História" (Bolsista CAPES), tendo realizado recentemente Estágio de Doutorado Sanduíche na Universidad de Buenos Aires (UBA) (PDSE/CAPES). Coordena o curso de Pós Graduação Lato Sensu em História da Arte e atua como professor de graduação em História na Faculdade Integrada Espírita. Também é tutor no curso de graduação em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa em parceria com CAPES/UAB, nessa mesma instituição também orienta monografias na Pós Graduação em História, Arte e Cultura. Possui interesse em temas como Gênero, Sexualidade e Masculinidade; Política e Autoritarismo; Filosofia Contemporânea, Pós-colonial e Pós-estruturalista; Psicologia das Massas e da Personalidade. Sua atual pesquisa busca analisar a sustentação de um ideário de autoridade nos regimes varguistas e peronistas sob o ponto de vista da psicologia da liderança e suas metáforas de gênero.

Referências

BAHRI, Deepika. “Feminismo e/no pós-colonialismo”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, 2013, p. 659-688

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. Feminismos Subalternos. Estudos Feministas, Florianópolis, V. 25, 2017, p. 1035-1054.

BROWN, Wendy. Manhood and Politics: A Feminist Reading in Political Theory. London: Rowman & Littlefield Publishers, 2002

COHEN, Yves. Le siècle des chefs. Une histoire transnationale du commandement et de l'autorité (1890-1940), Paris, Éditions Amsterdam, 2013

CONNELL, Raewyn. “Social Science on a world scale: connecting the pages”. Sociologies in dialogue, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 1-16, jul.-dez. 2015.

FANON, Frantz. Peles negras, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008

GROSFOGUEL, Ramón. “Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global”. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, mar. 2008

GUTIER, Arlette. Mulheres e Colonialismo - Em nome de Cristo e do rei. In. FERRO, Marc. O Livro negro do colonialismo. p. 661-671.

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009

LE BON, Gustave. Psicología de las Masas. Madrid: Morata, 2005.

LIMA COSTA, Claudia de; ALVAREZ, Sonia. “A circulação das teorias feministas e os desafios da tradução”. Revista Estudos Feministas, v. 21, n. 2, 2013, p. 579-586.

LUGONES, María. “Rumo a um feminismo descolonial”. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, 2014, p. 935- 952.

MATOS, Marlise. “Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do sul global?”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 18, n. 36, 2010, p. 67-92.

MOSCOVICI, Serge. La era de las Multitudes: Um Tratado Histórico de las Masas. Méxcio: FCE, 2013.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005a, p. 117-142.

_________. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. In: Estudos Avançados. São Paulo , v. 19, n. 55, p. 9-31, Dec. 2005b . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142005000300002&lng=en&nrm=iso>. Acesso 15/07/2018

SAID, Edward. Orientalismo. São Paulo: Cia das Letras, 2007 [1978].

SEGATO, Rita Laura. “Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial”. E-cadernos CES, 2012. Disponível em: http:/ /eces.revues.org/1533. Acesso em: 15/04/2019.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: EDUFMG, 2010.

VALDIVIESO, Magdalena [et al.]. Movimientos de mujeres y lucha feminista en América Latina y el Caribe. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2016.

Publicado
2019-09-27
Seção
Dossiê | Special Issue | Dossier