A mãe cuidadosa também enterra os seus anjinhos: a mortalidade infantil no Piauí (1889-1945)

  • Joseanne Zingleara Soares Marinho UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ (UESPI)

Resumo

Resumo: O artigo tem a proposta de analisar como as mães passaram a ter papel central na observação das instruções médicas sobre a preservação da saúde e tratamento das doenças entre os seus filhos no Piauí entre 1889 e 1945. Com isso era visado o enfrentamento dos altos índices do obituário infantil, condizente com o processo de valorização da criança como riqueza do país. Para isso, foram utilizadas revistas de medicina, jornais, fontes médicas e do governo estadual.Palavras-chave: História. Estado. Médicos. Mães. Mortalidade infantil.    

Biografia do Autor

Joseanne Zingleara Soares Marinho, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ (UESPI)
Doutora em História (UFPR) e Professora Adjunta do Departamento de História, Centro de Ciências Humanas e Letras-CCHL, da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).

Referências

Livros, teses, artigos e capítulos de livros

BOCK, Gisela. Antinatalismo, maternidad y paternidad em el racismo nacionalsocialista. In: BOCK, Gisela; THANE, Pet. (Eds.). Maternidad y políticas de género: la mujer em los estados de bienestar europeos, 1880-1950. Madrid: Cátedra, 1996. p. 401-437.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Educação e Realidade, São Paulo, v. 20, p. 133-184, jul./dez. 1995.

CARDOSO, Adalberto. Uma utopia brasileira: Vargas e a construção do Estado de bem-estar numa sociedade estruturalmente desigual. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, n. 4, p. 775-819, 2010.

CASTRO SANTOS, Luiz A. O pensamento sanitarista na Primeira República: Uma ideologia de construção da nacionalidade. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 193-210, 1985.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes. 2005.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

DEL PRIORE, Mary. O cotidiano da criança livre no Brasil entre a Colônia e o Império. In: ________ . (Org.). História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2009. p. 84-106.

FREIRE, Maria Martha de Luna. Mulheres, mães e médicos: discurso maternalista no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

LARSEN, Eirinn. Gender and welfare state: Maternalism – a new historical concept? A thesis submitted for the degree of cand. Philol. Departtment of History, University of Bergen, Norway, 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2015.

MACIEL, Maria Eunice de S. A eugenia no Brasil. Anos 90, Porto Alegre, n. 11, p. 121-143, 1999.

MARINHO, Joseanne Zingleara Soares. Manter sadia a criança sã: as políticas públicas de saúde materno-infantil no Piauí de 1930 a 1945. São Paulo: PACO Editorial: 2018.

MARTINS, Ana Paula Vosne. Dos pais pobres ao pai dos pobres: cartas de pais e mães ao presidente Vargas e a política familiar do Estado Novo. Diálogos, DHI/PPH/UEM, v. 12, n. 2/ n. 3, p. 209-235, 2008.

______ . Gênero e assistência: considerações histórico-conceituais sobre práticas e políticas assistenciais. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, p. 15-34, dez. 2011.

______ . “Vamos criar seu filho”: os médicos puericultores e a pedagogia materna no século XX. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 135-154, jan./mar. 2008.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. A arte de curar nos tempos da Colônia: limites e espaços da cura. 2. ed. Recife: UFPE, 2011.

PEREIRA, Júnia Sales. História, ciência e infância: narrativas profissionais no processo de singularização da pediatria como especialidade. Brasília: CAPES; Belo Horizonte: Argumentum, 2008.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez.1995.

VAILATI, Luiz Lima. A mortalidade infantil e a institucionalização da medicina no Brasil. In: MOTA, André; SCHRAIBER, Lilia Blima (Orgs.). Infância & saúde: perspectivas históricas. São Paulo: HUCITEC/FAPESP, 2009. p. 171-193.

Fontes hemerográficas

ALMEIDA, Noronha. Proteção à infância. Revista da Associação Piauiense de Medicina, Teresina, v. 1, n. 6, p. 3-9, 1943.

APRENDA a defender seu filho. Diário Oficial, Teresina, ano VIII, n. 22, p. 9, 29 de jan. de 1938.

ASSUNÇÃO, Vitorino de. A mortalidade Infantil em Teresina: defesa sanitária da criança. Revista da Associação Piauiense de Medicina, Teresina, v. 1, n. 1, p. 10-21, 1939.

_______ . Habitação popular em Teresina. Revista da Associação Piauiense de Medicina, Teresina, v. 1, n. 6, p. 3-9, 1943.

SEMANA da Criança. Diário Oficial, Teresina, ano XIII, n. 127, p. 3, 12 de out. de 1943.

SILVA, Cândido. Centro de Saúde de Teresina. Revista da Associação Piauiense de Medicina, Teresina, v. 1, n. 1, p. 22-50, 1939.

Fontes do Governo do Piauí

PIAUHY. Governo 1896-1900. Mensagem Apresentada à Câmara Legislativa, a 1º de junho de 1897, pelo Dr. Raymundo Arthur de Vasconcellos, Governador do Estado. Therezina: Typ. do Piauhy. 1897.

PIAUHY. Governo 1910-1912. Mensagem Apresentada à Câmara Legislativa pelo Exm. Sr. Dr. Antonino Freire da Silva, Governador do Estado, no Dia 1º de julho de 1910. Therezina: Typ. do Piauhy, 1910.

PIAUHY. Governo 1920-1924. Mensagem Apresentada à Camara Legislativa no Dia 1º de junho de 1924, pelo Sr. Dr. João Luiz Ferreira, Governador do Estado. Therezina: Typ. do Piauhy, 1924.

PIAUÍ. Decreto-Lei nº 206, de 21 de setembro de 1939. Fornece nova denominação para o Departamento de Estatística do Estado. Decretos do Piauí de 1939, Teresina, Imprensa Oficial, 1939.

PIAUÍ. Departamento de Saúde. Relatório Médico Sobre os Serviços Realizados em 1943 no Município de Buriti dos Lopes, Apresentado pelo Dr. Miguel Jogaib. Códice de Saúde de 1943. Teresina: [s.n.], 1944.

PIAUÍ. Departamento de Saúde. Relatório Médico Apresentado pelo Diretor Miguel Jogaib Sobre os Serviços Realizados em 1943 no Centro de Saúde de Parnaíba. Códice de Saúde de 1943. Teresina: [s.n.], 1944.

Publicado
2019-05-07
Seção
Dossiê | Special Issue | Dossier