JUSTIÇA RESTAURATIVA, CRIMINOLOGIA CRÍTICA E COOPTAÇÃO LIBERAL

POSSÍVEIS CONTRIBUTOS DA TEORIA MARXISTA A UMA JUSTIÇA RESTAURATIVA CRÍTICA

Autores

  • Paloma Machado Graf UEPG
  • Lucas Romero Leite Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

O movimento restaurativo ganhou destaque na contemporaneidade ao ampliar as áreas de aplicação, mas sem desenvolver uma perspectiva crítica contra o paradigma punitivista e o discurso jurídico liberal em geral. Desta forma, para além da ostensiva neoconservadora, o risco de cooptação liberal da justiça restaurativa é agravado pela fluidez teórica e pela falta de unicidade finalística entre as vertentes restaurativas existentes. Neste panorama, a teoria marxista oferece relevantes contribuições para a consolidação de uma justiça restaurativa crítica, contraposta ao punitivismo e ao discurso jurídico penal liberal, que enfrenta a hegemonia opressora das instituições ao se apresentar como instrumento de empoderamento e responsabilização. Assim, para dar conta desta construção crítica, o presente artigo, por meio de uma análise bibliográfica e abordagem dialética, tem como objetivo identificar os possíveis contributos da teoria marxista ao desenvolvimento de uma justiça restaurativa crítica

Biografia do Autor

Lucas Romero Leite, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Servidor do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR). Facilitador e instrutor de círculos de construção de paz (TJPR e AJURIS).E-mail: lromeroleite@yahoo.com.br.

Downloads

Publicado

2022-02-23

Como Citar

MACHADO GRAF, P.; ROMERO LEITE, L. . JUSTIÇA RESTAURATIVA, CRIMINOLOGIA CRÍTICA E COOPTAÇÃO LIBERAL: POSSÍVEIS CONTRIBUTOS DA TEORIA MARXISTA A UMA JUSTIÇA RESTAURATIVA CRÍTICA. Publicatio UEPG: Ciências Sociais Aplicadas, [S. l.], v. 29, n. dossiê JR, p. 1–14, 2022. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/sociais/article/view/18215. Acesso em: 29 maio. 2022.

Edição

Seção

Justiça Restaurativa - Chamada 2021-1