O "Brasil Trágico" de Sylvio Floreal: uma viagem pelo Mato Grosso

  • Marcelo Lapuente Mahl UFU

Resumo

Passados três anos da publicação de sua Ronda da meia noite – vícios, misérias e esplendores da cidade de São Paulo, obra pela qual o escritor Domingos Alexandre, conhecido pelo pseudônimo Sylvio Floreal, ganhou certa notoriedade nos círculos literários paulistanos, chegou ao público, mais precisamente no ano de 1928, o livro O Brasil Trágico – impressões, visões e mysterios de Matto Grosso. Nele, o autor reuniu uma série de textos produzidos entre os meses de julho de 1926 e julho de 1927, quando percorreu o então estado do Mato Grosso, realizando palestras, fazendo apontamentos, escrevendo e estabelecendo contatos profissionais com membros das elites intelectuais e políticas locais, principalmente na capital Cuiabá. Tais relatos, que serão analisados neste artigo, dialogam diretamente com visões e idealizações que circulavam nos meios impressos sobre os chamados sertões brasileiros, e revelam as tensões e as ambiguidades existentes entre os desejos de modernidade que emanavam dos maiores centros urbanos nacionais, especialmente São Paulo e Rio de Janeiro, e a dura realidade enfrentada pelas populações pioneiras que, impulsionadas pela força da expansão agrícola da década de 1920, adentravam as vastas áreas ainda inexploradas, e não raro desconhecidas, do interior do país. 
Publicado
2020-12-02
Seção
Dossiê O Brasil central: História, discursos e representações