O governo das águas: o sistema de abastecimento hídrico na Cidade de Goiás na primeira metade do século XX

Resumo

O artigo propõe algumas descrições de práticas e reflexões importantes para o conhecimento do processo de modernização do sistema de distribuição de água na Cidade de Goiás, durante a primeira metade do século XX. A experiência dos protagonistas da cidade nos procedimentos de canalização da água indicava a necessidade de domesticá-la, transportá-la por novas vias, disciplinar os homens, redefinindo normas e obrigações. Neste contexto, foram problematizadas as estratégias adotadas pelo governo da cidade, para fazer frente ao processo de apropriação e controle da água, tendo em vista a construção de redes subterrâneas de abastecimento, ligando mananciais e reservatórios aos espaços privados de uso doméstico. A partir deste problema central, tratou-se de investigar o nascimento de uma nova forma de uso da água, associada a estratégias que envolvem procedimentos de gestão associados a programas capitaneados pelos poderes municipais. A leitura e interpretação de documentos inéditos disponíveis no Arquivo Histórico Frei Simão Dorvi, da Cidade de Goiás, norteou o desenvolvimento da pesquisa.

Biografia do Autor

Fernando Lemes, Universidade Estadual de Goiás (UEG)
Doutor em História pela Université de la Sorbonne Nouvelle – Paris 3, professor do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e coordenador do Núcleo de Pesquisa Científica (NPC) da Faculdade de Direito Raízes.
Pedro Pereira, Centro de Educação de Período Integral Padre Trindade
Mestre em Ciências Sociais e Humanidades pelo Programa de Pós-Graduação Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e professor no Centro de Educação de Período Integral Padre Trindade.
Publicado
2021-06-18