Base Nacional Comum Curricular e o canto da sereia da educação normalizante: a articulação neoliberal-neoconservadora e o dever ético-estético da resistência

Resumo

Este artigo procura compreender qual o significado educacional da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e reflete sobre qual pode ser o dever ético dos professores nesse cenário. O texto recorreu à pesquisa bibliográfica e documental e está organizado em seis partes. Na primeira, discute-se o processo de elaboração da BNCC. Na segunda, reflete-se sobre o conceito de Educação Normalizante em Gur-Ze’ev. Na terceira e quarta, respectivamente, procura-se identificar as influências neoliberais e neoconservadoras na BNCC. Na quinta, aborda-se como essa articulação operou no sentido de fazer da BNCC um projeto normalizante. Por fim, na sexta, reflete-se sobre o dever, ao mesmo tempo ético e estético, de resistir à BNCC. Conclui-se que a BNCC compreende uma radicalização da Educação Normalizante e que é justamente em razão da radicalização da normalização que se faz necessária a resistência ética e estética daqueles que ainda acreditam na educação. Palavras-chave: BNCC. Educação normalizante. Neoliberalismo. Neoconservadorismo. Resistência.

Biografia do Autor

Bruno Antonio Picoli, UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
Professor da área de Ensino de História da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), campus Chapecó; doutorando em Educação pela PUCRS e Mestre em Hhistória pela UPF.
Publicado
2020-04-02
Edição
Seção
Artículos