Teoria do discurso e conceito de campo: categorias para análise das políticas educacionais

  • Kátia Silva Cunha Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Resumo: Este artigo tece uma trajetória sobre o discurso e a categoria campo (Bourdieu). Apresentamos alguns elementos da trajetória do discurso, focalizando-o primeiramente como categoria metodológica no âmbito das ciências sociais até a sua compreensão como teoria, não desconsiderando a questão metodológica que lhe é constituinte. A Teoria do Discurso propõe-se então a explicar como, sob que condições e porque razões o discurso foi construído, mudado ou conservado, assim como evidenciar conflitos, revelar sua incompletude, fazer emergir o que foi separado em um determinado campo discursivo, o que nos remete à categoria de campo, como espaço de luta e de articulação. Na última parte do artigo apresenta um exemplo de análise tomando como objeto empírico a política de avaliação para educação superior.   Palavras-chave: Discurso. Teoria do Discurso. Campo.

Referências

Afonso, A. J. (2008). “Escola pública, comunidade e avaliação: resgatando a avaliação formativa como instrumento de emancipação”. In: Esteban, M. T. (Org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 5. ed. Petrópolis, RJ: DP&A.

Ball, S. J. (2004). “Performatividade, privatização e o pós-Estado do Bem-Estar”. Educação e Sociedade. v.25, n.89, pp. 1105-1126.

Ball, S. J. (2005). “Profissionalismo, gerencialismo e performatividade”. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n.126, pp. 539-564.

Barrett, M. (2007). “Ideologia, política e hegemonia: de Gramsci a Laclau e Mouffe”. In: Žižek, S. Um mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto.

Bourdieu, P. (2010). O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. e Eagleton, T. (2007). “A doxa e a vida cotidiana: uma entrevista”. In: Žižek, S. Um mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto.

Bourdieu, P (1989). O poder simbólico. Lisboa, Difel.

Bourdieu, P. (1983). “O Campo Científico”. In: Ortiz, Renato (org.). Coleção Grandes Cientistas Sociais, n 39, Editora Ática, São Paulo.

Brasil. (2004). Lei nº. 10.861 de 14/04/2004 – Institui o Sistema Nacional da Avaliação da Educação Superior (SINAES) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 de abr. 2004.

Bresser P. L. C. (1998). Reforma do Estado para a Cidadania: A Reforma Gerencial Brasileira na Perspectiva Internacional. São Paulo: Ed. 34; Brasília: ENAP.

Brito, V. L. A. de. (1999). “Autonomia Universitária luta Histórica”. In: Dourado, L. F. e Catani, A. M. (orgs.). Universidade pública: políticas e identidade institucional. Campinas, SP: Autores Associados; Goiânia, GO: Editora da UFG.

Burity, J. A. (2007). “Teoria do discurso e Análise do discurso: sobre política e método”. In: Weber, S.e Leithauser, T. Métodos Qualitativos nas Ciências Sociais e na prática social. Recife: Ed. Universitária da UFPE.

De Sordi, M. R. L. (2002). “Entendendo as lógicas da avaliação institucional para dar sentido ao contexto interpretativo”. In: Villas Boas, B. M. de F. (Org.). Avaliação: políticas e práticas. Campinas, SP: Papirus.

Dias Sobrinho, J. (2003a). “Avaliação Institucional como prática social de articulação”. In: Silva, I. B. Da e Rosa, M. S. C. D. (Orgs.). Avaliação institucional integrada: os dez anos do PAIUNG. Ijuí: Ed. Unijuí.

Dias Sobrinho, J. (2003b). Avaliação: Políticas Educacionais e Reformas da Educação Superior. São Paulo: Cortez.

Dias Sobrinho, J. (2002). “Desafios da avaliação universitária na América Latina”: In: Trindade, H. e Blanquer, J-M. (Orgs.). Os desafios da educação na América Latina. Petrópolis, RJ: Vozes.

Eagleton, T. (1997). Ideologia: Uma introdução. São Paulo: Editora UNESP: Editora Boitempo.

Eagleton, T. (2007). “A ideologia e suas vicissitudes no marxismo ocidental”. In: Žižek, S. Um mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto.

Esteban, M. T. (2008). “A avaliação no cotidiano escolar”. In: Esteban, M. T. (Org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Petrópolis, RJ: DP&A.

Fairclough, N. (2008). Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Foucault, M. (2006). A ordem do discurso. 13. ed. São Paulo: Loyola.

Howarth, D. (2000).Discourse. Buckingham: Open University Press.

Laclau, E. (2008). “Atisbando el futuro”. In: Critchley S. e Marchart, O. Laclau: aproximaciones críticas a su obra. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Laclau, E. e Mouffe, C. (2006). Hegemonia y Estrategia Socialista. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina.

Laclau, E. (2005). La razón populista, Buenos Aires y México: Fondo de Cultura Económica de Argentina.

Laclau, E. e Mouffe, C. (1990). “Posmarxismo sin pedido de disculpas”. In: Laclau, E. (Org). Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. Buenos Aires: NuevasVisión.

Laclau, E. e Mouffe, C. (1993) Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. Buenos Aires: Nueva Visión, 1993.

Lahire, B. (2002). “Reprodução ou prolongamentos críticos?”. Educação & Sociedade, v. 23, n. 78, pp. 37-55.

Lopes, A. (2012). “Políticas de currículo: questões teórico-metodológicas”. In: Lopes, Alice et al. Discursos nas Políticas de Currículo. Rio de Janeiro: Quartet.

Lopes, A. (2006). “Discursos nas políticas de currículo”. Currículo sem Fronteiras, v.6, n.2, p.33-52.

Macedo, E. (2006). “A diferença nos PCN do ensino fundamental”. In: Lopes, A.; Macedo, E. Políticas de Currículo em Múltiplos Contextos. São Paulo: Cortez.

Maingueneau, D. (2010). Doze conceitos em análise do discurso. São Paulo: Parábola editorial.

Marchart, O. (2009). El pensamiento político posfundacional: La diferencia política em Nancy, Lefort, Badiou y Laclau. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econòmica.

Marchart, O. (2008) “La política y La diferencia ontológica. Acerca de lo “estrictamente filosófico" en la obra de Laclau”. In: Critchley, S. e Marchart, O. Laclau: aproximaciones críticas a su obra. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Martins, M. V. (2004). “Bourdieu e o fenómeno estético: ganhos e limites de seu conceito de campo literário”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 19, n. 56, pp. 63-74

Mutzenberg, R.(2008). “A Prática Social como Discurso”. In: Farias, M. da S. B. e Weber, S. (Orgs.). Pesquisas qualitativas nas ciências sociais e na educação: propostas de análise do discurso.João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

Neave, G. (1988). “On the cultivation of quality, efficiency and enterprise: An overview of recent trends in higher education in Western Europe, 1986-1988”. European Journal of Education, Oxford. v. 23, n. 1/2, pp. 7-23.

Oliveira, G. G.; Oliveira, A. L. e Mesquita, R. G. de. (2013). “A teoria do discurso de Laclau e Mouffe e a pesquisa em educação”. Educação e Realidade [online]. v. 38, n.4, pp. 1327-1349.

Orlandi, E. P. (1988). Interpretação: Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes.

Pêcheux, M.(2002). O Discurso: estrutura ou acontecimento. 3. ed. Campinas, SP: Pontes.

Peixoto, M. do C. L.(2004). “O debate sobre avaliação da educação superior: regulação ou democratização”. In: Mancebo, D. e Fávero, M. de L. de A. Universidade: políticas, avaliação e trabalho docente. São Paulo: Cortez.

Pini, M. (2013). “La investigaciónen políticas educativas desde la perspectiva del análisis crítico del discurso (ACD)”. In: Tello, C. (Org.) Epistemologías de la política educativa: posicionamientos, perspectivas y enfoques. São Paulo: Mercado de Letras.

Schwandt, T. A. (1994). “Constructivist, Interpretivist Approaches to Human Inquiry”. In: Norman K, D. e Lincoln, I. S. Handbook of Qualitative Research. London: Sage.

Sguissardi, V. (2003). “Educação Superior no limiar do novo século: traços internacionais e marcas domésticas”. In: Zainko, M. A. S. eGisi, M. L. (Orgs.). Políticas e gestão da educação superior. Curitiba: Champagnat; Florianópolis: Insular.

Southwell, M. (2013). “La perspectiva del Análisis del Discurso de Ernesto Laclau para el análisis de políticas educativas”. In: Tello, C. (Org.) Epistemologías de la política educativa: posicionamientos, perspectivas y enfoques. São Paulo: Mercado de Letras.

Silva, D. E. G. da. (2002). “Percursos teóricos e metodológicos em análise do discurso; uma pequena introdução”. In: Silva, D. E. G. da e Vieira, J. A. (Orgs.). Análise do discurso: percursos teóricos e metodológicos. Brasília: UnB. Oficina Editorial do Instituto de letras; Editora Plano.

Silva, J. F. da. (2004). Avaliação na perspectiva formativa-reguladora: pressupostos teóricos e práticos. Porto Alegre: Mediação.

Spink, M. J. P. e Medrado, B. (2004). “Produção de Sentidos no Cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas”. In: Spink, M. J. (Org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez.

Van Dijk, T. A. (2008). Discurso e Poder. São Paulo: Contexto.

Zainko, M. A. S. e Coelho, R. H. N. (2007). “Avaliação e Reformas da Educação Superior no Brasil”. In: Eyng, A. M. e Gisi, M. L. (Orgs.). Políticas e gestão da educação superior: desafios e perspectivas. Ijuí: Ed. Unijuí.

Žižek, S. (2007). “O Espectro da Ideologia”. In: Žižek, S. (Org). Um mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto. pp. 7-38.

Publicado
2017-08-14
Seção
Artículos