Desafios teórico-metodológicos para o ensino de políticas educacionais na perspectiva do materialismo histórico

  • Marcela Alejandra Pronko Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio

Resumo

Resumo: Este artigo traz algumas reflexões que são resultado de uma longa experiência à frente de componentes curriculares relacionados às Políticas Educacionais em cursos de graduação e pós-graduação na Argentina e no Brasil. Essas reflexões constituem uma primeira sistematização, sem pretensão de exaustividade, dos principais problemas identificados nos trabalhos finais da disciplina elaborados pelos estudantes de três componentes curriculares, distinguindo problemas gerais, decorrentes de deficiências da formação prévia dos estudantes, de problemas específicos ligados a dificuldades de apreensão das bases conceituais do materialismo histórico e da concepção teórico-metodológica que orienta a organização dessas disciplinas. Após breve apresentação dessas bases, este texto destaca e discute quatro concepções problemáticas muito frequentes nesses trabalhos finais: uma história sem sujeito, que reatualiza o mito do progresso; um mundo que é movido quase exclusivamente pelas ideias, transformadas em pura vontade política; um Estado que, assumindo a centralidade no cenário social, é entendido como sujeito; uma educação como esfera isolada da realidade. Por fim, as breves considerações finais apontam caminhos para o aprofundamento da reflexão proposta.   Palavras-chave: Políticas educacionais. Concepções teórico-metodológicas. Materialismo histórico. Estado. Educação.

Referências

Castillo, J. E. (2007). “La genealogia del Estado en Marx”. In: Thwaites Rey, M. (Comp.). Estado y marxismo. Un siglo y medio de debates, Buenos Aires, Prometeo Libros.

Coutinho, C. N. (2008). “A dualidade de poderes: Estado e revolução no pensamento marxista”. In: Coutinho, C. N. Marxismo e política: a dualidade de poderes e outros ensaios, São Paulo, Cortez.

Eagleton, T. (2012). Marx estava certo, Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

Fontes, V. (2006). “Sociedade civil no Brasil Contemporâneo: lutas sociais e luta teórica na década de 1980”. In: Lima, J. C. F. e Neves, L. M. W. (Orgs.) Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro, Ed. Fiocruz/EPSJV.

Gramsci, A. (2001). Cadernos do cárcere. Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. Volume 2, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

Harvey, D. (2008). O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola.

Lowy, M. (2005). Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo, Boitempo Editorial.

Marx, K e Engels, F. (2007). A ideologia alemã. São Paulo. Boitempo Editorial.

Neves, L. M. W. (Org.) (2005). A nova pedagogia da hegemonia. Estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo, Xamã.

Neves, L. M. W.; Pronko, M. (2008). O Mercado do conhecimento e o conhecimento para o Mercado: da formação para o trabalho complexo no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro, EPSJV.

Neves, L. M. W.; Pronko, M. (2010). “A atualidade das ideias de Nicos Poulantzas no entendimento das Políticas Sociais no Século XXI”. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v.1, n.2, pp. 97-111.

Poulantzas, N. (2000). O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Graal.

Pronko, M. (2014). “O Banco Mundial no campo internacional da educação”. In: Pereira, J. M. M.; Pronko, M. A demolição de direitos – um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e para a saúde (1980-2013). Rio de Janeiro, EPSJV.

Publicado
2017-08-14
Seção
Artículos