ENQUADRAMENTO DE CURSO D'AGUA E A QUALIDADE DA AGUA- ESTUDO DE CASO- RIBEIRÃO JACUTINGA

  • Angela Maria Ricci Instituto Agua e Terra
  • GIOVANA KATIA WIECHETECK

Resumo

RESUMO Os rios do Brasil estão passando por problemas hídricos decorrentes do mau uso que se faz da água, e em razão das diversas atividades desenvolvidas no entorno e na bacia hidrográfica onde estão localizados. Nesse trabalho, objetivou-se efetuar uma análise crítica da qualidade da água do Ribeirão Jacutinga(PR), afluente do Rio Tibagi, em dois períodos, nos trechos em que a classificação do ribeirão foi alterada de classe 2 para 3, segundo a Resolução CONAMA no 357,2005. Os dados de qualidade de água foram obtidos no Instituto Águas do Paraná(AGUASPARANA), nos pontos de amostragem Chácara Ana Cláudia e Estação de Tratamento de Água Ibiporã, ambos no Município de Ibiporã(PR), referente ao período de 1991 a 2019. Os parâmetros analisados foram:oxigênio dissolvido, fósforo total, nitrogênio total, demanda bioquímica de oxigênio, temperatura, pH e turbidez. A análise dos dados de qualidade da água demonstrou um aumento da turbidez com o aumento da vazão da água, causando aumento de sedimentos no leito do ribeirão.Mesmo que o Ribeirão Jacutinga tenha passado por dois processos de enquadramento do curso de suas águas, não houve até o presente momento uma ação para intervir no aumento da turbidez quando há um aumento da vazão.Com a alteração do enquadramento, passando de classe 2 para classe 3, com a liberação de outorga menos restritiva, não tem ocorrido ações que promovam a recuperação da mata ciliar nem mesmo a elaboração de projetos que evitem aerosão das margem do ribeirão. Dessa maneira, haverá a continuidade da deterioração da qualidade da água no Ribeirão Jacutinga. Palavras-chave: Enquadramento dos cursos de água, qualidade da água, legislação, outorgas.
Publicado
2021-04-14
Seção
Artigos