ESTUDO DE VIABILIDADE DE PLANTA HÍBRIDA EÓLICA-FOTOVOLTAICA PARA COMPENSAÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA RESIDENCIAL

  • Allan Costa Gomes Universidade Federal do Ceará https://orcid.org/0000-0001-8942-1730
  • Clodomir Comaru Neto Universidade Federal do Ceará
  • Dário Macedo Sobrinho Universidade Federal do Ceará
  • Dayse Maria Benevides de Queiroz Universidade Federal do Ceará
  • Ellefson Emmanuel Souza de Oliveira Universidade Federal do Ceará
  • Felipe Porto Universidade Federal do Ceará
  • Kênio Monteles Uchôa Universidade Federal do Ceará
  • Natasha Esteves Batista Universidade Federal do Ceará
  • Shakil Bonnet Jossub Ribeiro Universidade Federal do Ceará
  • Paulo Cesar Marques de Carvalho Universidade Federal do Ceará

Resumo

A preocupação com a dependência de combustíveis fósseis e de seus impactos ambientais gera uma tendência de diversificação da matriz energética mundial por fontes renováveis que causem menor impacto ambiental. A presente pesquisa apresenta um estudo de viabilidade financeira da implantação de plantas híbridas eólica-fotovoltaica (PHEFV) para compensação de consumo de energia elétrica residencial para as condições encontradas na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), CE. A região avaliada possui média anual da velocidade do vento de 4,28 m/s e uma irradiação média anual de 5,53 kWh/m². A ferramenta computacional HOMER Pro é utilizada para determinar a melhor usina híbrida eólica-fotovoltaica para perfis de carga residencial, cujas demandas variam entre 3,3 kWh/d e 33,3 kWh/d. Dados coletados de irradiação e velocidade de vento são utilizados como recursos energéticos para os módulos fotovoltaicos e turbinas eólicas. Os dados e os custos desses equipamentos de geração foram obtidos junto a empresas brasileiras. Para demandas entre 6,6 kWh/d e 33,3 kWh/d, os resultados mostram que o modo ótimo de se suprir essas cargas é com a utilização de plantas compostas unicamente de módulos fotovoltaicos. O uso de turbinas eólicas para geração distribuída residencial não é lucrável devido ao alto custo do investimento inicial.
Publicado
2021-04-14
Seção
Artigos