SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NA ÁREA DE EXPEDIÇÃO FERROVIÁRIA DE UM TERMINAL PORTUÁRIO DE FERTILIZANTES

  • Victória Nadalutti Ciscotto Instituto Federal do Espírito Santo

Resumo

Com a globalização, tornou-se imprescindível controlar e mensurar as variáveis dos processos e buscar, constantemente, melhores resultados. Sabe-se que para manter a rentabilidade no nível desejado e obter aumento e fidelidade de clientes, é necessária uma melhoria contínua no processo de atendimento. O artigo teve como objetivo utilizar simulação computacional para retratar a área de expedição ferroviária de um terminal portuário, operador logístico de fertilizantes, localizado no Brasil, e propor cenários alternativos. Assim, dados da operação foram levantados e analisados a fim de obter resultados que auxiliem na tomada de decisão da empresa. Os resultados coletados, com 9,3 anos de simulação computacional, foram: lead time médio de um lote no sistema de 5,99 horas, 113.800 vagões expedidos, 12.600 lotes expedidos e maiores tempos médios de espera na fila nos processos de limpeza de vazios, manobra e carregamento com 2,29 horas, 0,919 horas e 0,989 horas, respectivamente. Com base nos resultados obtidos, foram propostos dois cenários distintos: cadência rigorosa de chegadas de lotes de vagões vazios na planta da expedição ferroviária (Cenário 1) e redistribuição do percentual dos vagões carregados de cloreto de potássio e ureia (Cenário 2). Na comparação dos dois cenários propostos, o Cenário 1 retornou menores tempos médios de fila e maior quantidade de vagões expedidos e o Cenário 2 menor lead time médio de um lote no sistema.
Publicado
2020-10-26
Seção
Artigos