Autonomia para aprendizagem: uma relação entre o fracasso e o sucesso dos alunos da Educação a Distância

Autores

  • Adejalmo Moreira Abadi Universidade Virtual de Roraima
  • Márcia Jussara Hepp Rehfeldt Univates, Lajeado - RS

DOI:

https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.11i2.0001

Resumo

Este artigo apresenta resultados parciais de pesquisa realizada com alunos de graduação a distância em Polos de Apoio Presencial de Roraima. A investigação teve como objetivo analisar a relação entre a autonomia para aprendizagem na Educação a Distância (EaD) e os resultados finais dos alunos. A problemática foi investigar quais as causas relacionadas à autonomia que contribuíram para o baixo índice de aproveitamento. O referencial teórico aborda a educação a distância e a autonomia para aprendizagem na EaD. A pesquisa foi de natureza quali-quantitativa e delineada como estudo de caso. A análise dos dados foi estruturada visando definir o perfil do aluno, os fatores de influência na evasão e na conclusão dos cursos. As considerações finais apresentam evidências de causas interferentes nos resultados e na relação com a autonomia para aprendizagem, envolvendo o aluno como estrutura de aprendizagem e a instituição ministrante como estrutura de ensino.

 

Palavras-chave: Autonomia. Educação a Distância. Autonomia para aprendizagem.

Biografia do Autor

Adejalmo Moreira Abadi, Universidade Virtual de Roraima

Professor especialista da Educação Básica do Estado de Roraima, mestrando do programa de pós-graduação stricto sensu, Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas do Centro Universitário Univates.

Márcia Jussara Hepp Rehfeldt, Univates, Lajeado - RS

Mestre em Administração (PPGA/EA/UFRGS) e Doutora em Informática na Educação (PPGIE/UFRGS). Professora do Centro Universitário UNIVATES

Downloads

Publicado

2017-03-21

Como Citar

ABADI, A. M.; REHFELDT, M. J. H. Autonomia para aprendizagem: uma relação entre o fracasso e o sucesso dos alunos da Educação a Distância: Array. Práxis Educativa, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 310–331, 2017. DOI: 10.5212/PraxEduc.v.11i2.0001. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/7107. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos