Por uma concepção materialista de política educacional: contribuições de Antonio Gramsci

  • Fabiano Antonio dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Resumo

Com este artigo objetivamos explicitar, através do materialismo histórico-dialético, o papel das políticas educacionais como estratégia para a construção da vontade coletiva, conceito desenvolvido por Gramsci (2011), que traduz a organização social dos grupos subalternos na luta pela produção de uma contra-hegemonia. Na primeira seção, argumentamos sobre a necessidade de as pesquisas em política educacional tomarem posicionamentos mais evidentes quanto às concepções epistemológicas adotadas, evitando, assim, um olhar neutro e desvinculado da prática social. Em seguida, apresentamos o debate sobre a ontopositividade e ontonegatividade da política e as possíveis implicações para a melhor compreensão do seu papel. Evidenciamos, ainda, o caminho teórico-prático percorrido por Gramsci ao desenvolver o conceito de vontade coletiva nacional-popular. Finalmente, destacamos as políticas educacionais como estratégias para a produção da hegemonia e da contra-hegemonia.   Palavras-chave: Políticas Educacionais. Vontade coletiva. Hegemonia.

Biografia do Autor

Fabiano Antonio dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFMS/Cpan
Publicado
2014-05-23
Seção
Estudos teóricos e epistemológicos sobre política educacional