Análise de limitações e possibilidades para as pesquisas sobre políticas educacionais, considerando as abordagens positivista, fenomenológica e materialista dialética

  • Giselle Abreu de Oliveira Universidade Federal de Uberlândia
  • Gabriel Humberto Muñoz Palafox Universidade Federal de Uberlândia

Resumo

O presente artigo objetiva discutir aspectos relacionados à construção de pesquisas sobre políticas educacionais, tendo como ponto de partida três categorias de Tello (2012): perspectiva epistemológica, posicionamento epistemológico e enfoque epistemetodológico. Consideramos ainda as contribuições de Ball e Mainardes (2011), Lima (2010), Alves-Mazzotti (2003), Masson (2013), dentre outros, para analisarmos, no contexto do materialismo dialético, o impacto das abordagens positivista, materialista dialética e fenomenológica – essa última analisada especialmente quanto às pesquisas qualitativas. Com isso, buscamos compreender a natureza epistemológica de tais abordagens, bem como suas possibilidades e limitações para o processo de produção do conhecimento científico, além de contribuir para a consolidação do campo de estudos sobre políticas educacionais.   Palavras-chave: Epistemologias. Metodologias. Políticas públicas.

Biografia do Autor

Giselle Abreu de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia
Mestranda em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Pedagoga na Universidade Federal do Triângulo Mineiro.
Gabriel Humberto Muñoz Palafox, Universidade Federal de Uberlândia
Doutor em Educação e Currículo (2001) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É Docente Associado II da Universidade Federal de Uberlândia - UFU, lotado na Faculdade de Educação Física - FAEFI e professor colaborador, membro da linha de Políticas e Gestão da Educação do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFU.
Publicado
2014-05-23
Seção
Estudos teóricos e epistemológicos sobre política educacional