O que é agenciamento de políticas?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.17.20018.022

Resumo

A teoria sobre agenciamento explodiu na pesquisa sobre políticas, especialmente entre os pesquisadores que trabalham na área de mobilidade e buscam aproveitar o potencial dessa abordagem para entender como as políticas se movem, mudam e se manifestam em contextos cada vez mais transnacionais. A ubiquidade do agenciamento, no entanto, nem sempre o torna preciso, sendo o conceito definido de forma variada e, às vezes, carente de força conceitual e poder explicativo. Este artigo busca conceituar e defender uma abordagem sobre o agenciamento para análise de políticas. Ao sintetizar os eixos centrais da literatura existente, identifica três fundamentos teóricos e conceituais centrais para uma abordagem sobre o “agenciamento de políticas”: (1) relações de exterioridade e emergência; (2) heterogeneidade, relacionalidade e fluxo; e (3) atenção ao poder, política e agência. Juntos, esses fundamentos sinalizam uma coerência para a teoria do agenciamento e sugerem uma abordagem com um poderoso potencial, permitindo que os pesquisadores vejam e expliquem as coisas de maneiras que muitas tradições estabelecidas na pesquisa de políticas não conseguem. Ao identificar os fundamentos e oferecer exemplos de como cada um pode ser mobilizado, o artigo fornece o início de um arcabouço teórico ainda não articulado de forma sistemática para a pesquisa sobre agenciamento de políticas, convidando, assim, a uma discussão mais aprofundada sobre o que significa realizar este tipo de trabalho.

Palavras-chave: Agenciamento. Políticas públicas. Mobilidade. Poder.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Glenn C. Savage, University of Western Australia

Professor Associado do Department of School of Social Sciences na University of Western Australia, Australia.

Downloads

Publicado

2022-02-04

Como Citar

SAVAGE, G. C. O que é agenciamento de políticas?. Práxis Educativa, [S. l.], v. 17, p. 1–21, 2022. DOI: 10.5212/PraxEduc.v.17.20018.022. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/20018. Acesso em: 20 maio. 2022.