A atualidade de Paulo Freire no “grito” sufocado dos oprimidos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.17.19386.031

Resumo

Este estudo problematiza as relações opressivas da escravidão que perduram e estimulam a violência, instituindo o racismo estrutural no Brasil. A metáfora do “grito” orienta a tese defendida de que a palavra produzida no diálogo libertador promove a libertação (FREIRE, 1980). Como metodologia, o artigo pauta-se na pesquisa bibliográfica em obras de Almeida (2019), Freire (1980, 1987, 1993, 2002), Freyre (2003), Gomes (2019), Hooks (2017), Munanga (2005), Nascimento (2016), Schwarcz (2019), entre outros. Esta pesquisa infere que a educação dialógica potencializa as lutas dos oprimidos fomentando a práxis educativa freiriana como possibilidade de superação gradual do racismo estrutural. Destaca, ainda, a necessidade de ampliar-se o debate sobre racialidade nas formações iniciais e continuadas de professores, de modo a incentivar a “conscientização” e o “Ser mais” (FREIRE, 1980, 1987).

Palavras-chave: Racismo estrutural. Educação. Libertação.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kelly Cristina Soares Lima, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora da Rede Estadual de Ensino do Espírito Santo (Sedu). Mestra em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Josiane Arnholz Plaster, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora da Educação Básica na Rede Municipal de Educação de Santa Maria de Jetibá (ES). Mestra em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Gerda M. Schütz-Foerste, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo. Mestra em Educação pela UFG, doutora em Educação pela UFF, com pós-doutorado em Pedagogia Social pela UNI-Siegen, Alemanha.

Downloads

Publicado

2022-02-18

Como Citar

LIMA, K. C. S.; PLASTER, J. A.; SCHÜTZ-FOERSTE, G. M. A atualidade de Paulo Freire no “grito” sufocado dos oprimidos. Práxis Educativa, [S. l.], v. 17, p. 1–20, 2022. DOI: 10.5212/PraxEduc.v.17.19386.031. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/19386. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Relações étnico-raciais: práticas e reflexões pedagógicas