Escola, ressignificação, descolonização: narrativas de estudantes Kaingang na fronteira Sul do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.17.19356.017

Resumo

Este artigo mobiliza narrativas de estudantes indígenas de comunidades Kaingang localizadas no Noroeste do Rio Grande do Sul e Oeste catarinense, realizadas em ambiente universitário, quando estudantes de Graduação na Universidade Federal da Fronteira Sul – campus Chapecó rememoraram suas experiências escolares na Educação Básica em escolas indígenas e/ou em escolas não indígenas. Problematiza-se a escola, a hegemonia epistemológica eurocêntrica e as possibilidades de que um grupo étnico vítima de epistemicídio e de genocídio se aproprie dessa instituição e, ao fazer isso, transforme-a em um lugar de “tempo liberto”, de proteção e de reafirmação de si, como um lugar de descolonização. Procura-se contribuir na reflexão sobre o acesso aos processos educacionais formais de estudantes indígenas e os significados da escolarização com vistas à preservação de suas origens, cultura na perspectiva de uma educação para a pluralidade e para a alteridade balizada pela literatura descolonial e crítica.

Palavras-chave: Kaingang. Trajetórias escolares. Descolonização.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Renilda Vicenzi, Universidade Federal da Fronteira Sul

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Chapecó; Doutora em História. Colíder do Grupo de Pesquisa em Educação, Violência e Democracia (GRUPEVD/UFFS).

Bruno Antonio Picoli, Universidade Federal da Fronteira Sul

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Chapecó; Doutor em Educação. Colíder do Grupo de Pesquisa em Educação, Violência e Democracia (GRUPEVD/UFFS).

 

Downloads

Publicado

2022-01-26

Como Citar

VICENZI, R.; PICOLI, B. A. Escola, ressignificação, descolonização: narrativas de estudantes Kaingang na fronteira Sul do Brasil. Práxis Educativa, [S. l.], v. 17, p. 1–23, 2022. DOI: 10.5212/PraxEduc.v.17.19356.017. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/19356. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Relações étnico-raciais: práticas e reflexões pedagógicas