“Eu era tudo aquilo que não desejavam para uma professora”: docência negra e lésbica na Educação Básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.17.19334.042

Resumo

O presente artigo visa analisar a trajetória de uma professora negra lésbica do Sul do Brasil, atuante no ensino público, no intuito de refletir a respeito da (in)visibilidade no espaço educacional e dos cotidianos escolares historicamente marcados por produções monoidentitárias. Pretende-se problematizar as estratégias e os recursos de sobrevivência construídos no decorrer de sua trajetória, de modo a evidenciar a produção de práticas pedagógicas como metodologias essenciais das rachaduras de um sistema que invisibiliza e anula existências negras e lésbicas. A discussão apresenta a trajetória familiar e escolar de uma professora negra e lésbica até chegar em sua atuação no ensino público, com base na sua narrativa compartilhada, a qual é reconstruída, do ponto de vista metodológico, a partir da realização de entrevista compreensiva. Conclui-se que tais experiências, ainda que singularizadas pela existência individual, são questões sociais que coordenam saberes e fazeres no campo da Educação.

Palavras-chave: Trajetória. Docência negra. Lesbianidade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tainah Mota do Nascimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestra em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

Rodrigo Manoel Dias da Silva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Professor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Doutor em Ciências Sociais pela Unisinos.

Downloads

Publicado

2022-03-16

Como Citar

NASCIMENTO, T. M. do; SILVA, R. M. D. da. “Eu era tudo aquilo que não desejavam para uma professora”: docência negra e lésbica na Educação Básica. Práxis Educativa, [S. l.], v. 17, p. 1–13, 2022. DOI: 10.5212/PraxEduc.v.17.19334.042. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/19334. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Relações étnico-raciais: práticas e reflexões pedagógicas