Discursos antigênero e políticas curriculares cearenses: entre tensões e resistências

Resumo

Este artigo aborda os discursos antigênero nos planos educacionais cearenses e como atravessam os currículos escolares. Examinamos a legislação educacional dos dez maiores municípios do Estado do Ceará e encontramos, nas cidades de Fortaleza, Sobral, Juazeiro do Norte, Crato e Quixadá, projetos legislativos que mencionavam o slogan “ideologia de gênero”. Até o presente momento, apenas os municípios de Juazeiro do Norte e Crato proíbem, na legislação educacional, quaisquer menções a gênero e sexualidade, sob a premissa de serem ideológicos. Apresentamos, também, os modos pelos quais a política curricular estadual, por meio do Documento Curricular Referencial do Ceará, faz resistência às investidas conservadoras, tentando promover uma educação plural, justa e diversa, que dialogue com as necessidades dos movimentos sociais das minorias de direito. Palavras-chave: Currículos cearenses. Gênero e sexualidade. Ideologia de gênero.

Biografia do Autor

Wenderson Silva Oliveira, Universidade Estadual do Ceará
Doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE).
Carlos Ian Bezerra de Melo, Universidade Estadual do Ceará
Licenciado em Matemática pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE/UECE). Pesquisa Identidade Docente e Formação de Professores, com ênfase na formação inicial do professor de Matemática. Desenvolve atividades relacionadas à Educação Matemática junto ao Grupo de Estudos em Educação Matemática da FECLESC (GEEM/FECLESC) e faz parte dos grupos Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS) e Formação de Professores, Fundamentos Educativos e Práticas Docente (FORPRO), certificados pelo CNPq. Tem afinidade pelos temas: formação e desenvolvimento profissional em Educação, com ênfase na área de Matemática; identidade docente; Educação Matemática; currículo e ensino. Além disso, é canceriano de sol e lua e aventura-se, ainda, como cantor e ator.
Isabel Maria Sabino de Farias, Universidade Estadual do Ceará
Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com estágio pós-doutoral pela UNB. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professora associada da UECE, vinculada ao Curso de Pedagogia e ao Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado). Coordenou o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID na UECE (2010 a 02/2014). Vice-presidente Nordeste da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPEd (2015-2019). Líder do grupo de pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS), onde desenvolve estudos sobre desenvolvimento profissional docente, inovação e docência. Coordena o Observatório sobre Desenvolvimento Profissional e Inovação Pedagógica, iniciativa apoiada pelo OBEDUC/CAPES.
Publicado
2021-05-05