Políticas conservadoras e gerencialismo

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar as mudanças na fronteira entre o público e o privado no contexto do avanço de políticas conservadoras e do gerencialismo, vinculados à perspectiva neoliberal, como parte do movimento de correlação de forças que ocorre na sociedade por projetos societários e de educação em disputa. Desse modo, busca-se aprofundar a compreensão acerca das relações entre neoliberalismo e neoconservadorismo, a partir de autores como Harvey (2008), Puello-Socarrás (2008), Moll Neto (2010) e Laval e Dardot (2017), e investigar os pressupostos que sustentam seus projetos societários e educativos, em que a lógica gerencial se apresenta como instrumental a um projeto centrado na disputa pelo conteúdo da educação com uma perspectiva de restauração de classe. Analisam-se, também, as relações que se estabelecem entre sujeitos vinculados aos ideais conservadores e neoliberais sob uma perspectiva gerencial inspirada na lógica privada do mercado que se materializa na realidade brasileira. Palavras-chave: Relação público-privado. Conservadorismo. Gerencialismo.

Biografia do Autor

Vera Maria Vidal Peroni, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEdu/UFRGS). Doutorado em Filosofia e História da Educação na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).
Paula de Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), na linha de Políticas e Gestão de Processos Educacionais. Graduada em Pedagogia pela mesma universidade. Membro do Grupo de Pesquisa Relações entre o Público e o Privado na Educação (GPRPPE). Professora do Ensino Fundamental na Rede Municipal de Porto Alegre.  
Publicado
2020-06-29
Seção
Seção Temática: Políticas conservadoras na Educação Básica