Percursos identitários do início da atividade profissional de uma professora de Matemática

  • Klinger Teodoro Ciríaco Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus de Naviraí
  • Maria Raquel Miotto Morelatti Universidade Estadual Paulista 'Júlio de Mesquita Filho' - FCT/UNESP, Presidente Prudente/SP.

Resumo

Compreender o processo de iniciação à docência de uma professora de Matemática, em seus primeiros anos de carreira, é o objetivo central deste artigo. Para esse fim, recorre-se a alguns resultados de uma pesquisa de doutorado em Educação, desenvolvida junto à Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente/SP. A metodologia adotada é de caráter qualitativo e os dados se centram nas informações dos roteiros de entrevistas quadrimestrais, que buscaram perceber em que sentido a docente se desenvolvia profissionalmente, a partir de sua inserção na carreira. Tendo em vista a análise de sua percepção sobre a formação obtida na licenciatura e a construção de seu início de carreira, é possível concluir que, no caso analisado, ser professora de Matemática implica na reconstituição dos saberes, cotidianamente, face à complexidade de ensinar na escola pública.   Palavras-chave: Formação e Identidade. Início da Docência. Prática Pedagógica.  

Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus de Naviraí
Professor Adjunto II do Curso de Licenciatura em Pedagogia da UFMS, Câmpus Naviraí, e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática do Instituto de Matemática da UFMS, Campo Gande.
Maria Raquel Miotto Morelatti, Universidade Estadual Paulista 'Júlio de Mesquita Filho' - FCT/UNESP, Presidente Prudente/SP.
Professora Assistente Doutora da UNESP - Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT/ Presidente Prudente-SP; Coordenadora e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da FCT/UNESP.
Publicado
2019-08-10