Diferenciação, visibilidade social e singularização: estratégias adotadas pelos correspondentes internacionais brasileiros em busca de uma vitória identitária

Luciane Fassarella Agnez, Dione Oliveira Moura

Resumo


Buscamos, neste trabalho, analisar as estratégias para uma vitória identitária dos jornalistas correspondentes internacionais brasileiros, observando a correspondência internacional enquanto um posto de trabalho na carreira jornalística que vive um cenário de tensões que desencadeiam uma crise de identidade profissional. No cenário, destaca-se um novo contexto tecnológico e empresarial, além de transformações no papel e lugar do jornalismo e de novas demandas das relações internacionais. Assim, fases de ruptura podem desencadear mudanças identitárias e processos estratégicos de defesa de uma identidade profissional. A pesquisa se desenvolve com o propósito de compreender a prática e as percepções sobre o posto de correspondente internacional a partir de pontos de vista dos próprios sujeitos, por meio de entrevistas com 15 profissionais brasileiros que atuam ou atuaram como correspondentes em algum momento da carreira. Percebemos como os correspondentes caminham em busca dessa vitória identitária e da manutenção do seu posto de trabalho, a partir de três estratégias: diferenciação, visibilidade social e singularização.


Palavras-chave


Correspondente Internacional; Identidade Profissional; Estratégia identitária

Texto completo:

PDF
';



Indexadores: LatindexIBICT/ SEERREVIScomDiadorimDialnet; Doaj; SumáriosPortal LivreSHERPA/ROMEO; FLASCO Argentina; Scholar Google

Creative Commons BY-SA 3.0 - Revista Pauta Geral - estudos em jornalismo 2014 - 2018, periódico científico do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UEPG: É permitido copiar e redistribuir o material em qualquer suporte ou formato, remixar, transformar, e criar a partir do material para qualquer fim, mesmo que comercial, desde que citada a fonte. Aqueles que o fizerem, devem manter o mesmo padrão de direito autoral.