Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor <p>A Revista Olhar de Professor é um periódico acadêmico, de fluxo contínuo proposto pelo Departamento de Pedagogia da Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG (Paraná, Brasil).</p> Editora UEPG pt-BR Olhar de Professor 1518-5648 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>a) Os autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;<a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/">Creative Commons Attribution License Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)</a>&nbsp;que permite&nbsp;o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da sua autoria&nbsp;e publicação inicial nesta revista.</p> <p>b) Os autores são autorizados a assinarem contratos adicionais, separadamente, para distribuição não exclusiva da versão publicada nesta revista (por exemplo, em repositórios institucionais ou capítulos de livros), com reconhecimento da sua autoria&nbsp;e publicação inicial nesta revista).</p> <p>c) Os autores são estimulados a publicar e distribuir a versão onlline do artigo (por exemplo, em repositórios institucionais ou em sua página pessoal), considerando que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e as citações do artigo publicado.</p> <p>d) Esta revista proporciona acesso público a&nbsp;todo o seu conteúdo, uma vez que isso permite uma maior visibilidade e alcance dos artigos e resenhas publicados.&nbsp;Para maiores informações sobre esta abordagem, visite&nbsp;<a href="https://pkp.sfu.ca/"><strong>Public Knowledge Project</strong></a>, projeto que desenvolveu este sistema para melhorar a qualidade acadêmica e pública da pesquisa, distribuindo o OJS assim como outros softwares de apoio ao sistema de publicação de acesso público a fontes acadêmicas.</p> <p>e) Os nomes e endereços de e-mail neste site serão usados exclusivamente para os propósitos da revista, não estando disponíveis para outros fins.</p> <p>______________</p> <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Licença Creative Commons"></a><br>Este obra está licenciado com uma Licença&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR" rel="license">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> Teatro com os bebês: espaço de enunciações, afigurações e brincadeiras https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17609 <p><strong>Resumo:</strong> Este artigo contribui para algumas reflexões do campo de Estudos da Infância, em consonância com a metodologia de pesquisa com bebês a partir da oferta de uma atividade estética que nomeamos Teatro Com Bebês. As enunciações dos bebês na relação com a oferta de um teatro, sim, teatro! Usamos várias referências conceituais presentes no teatro infantil e adulto para elaboração da atividade, cenário, figurino, adereços e proposta de narrativa.&nbsp; O diferencial do trabalho proposto é a aposta que a plateia e os atores são os mesmos, ou seja, o que nos interessou foram a teatralidade do humano e as enunciações surgidas durante a oferta da atividade. Sinalizamos a importância da organização de um meio socialmente produzido, gerador de vivências, situações estéticas, brincantes e constituidoras de novidades. É a possibilidade da reinvenção do teatro a partir dos bebês e com eles.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Pesquisa com bebês. Teatro com bebês. Estudos da Infância.</p> <p>&nbsp;</p> Luiz Pereira Jader Janer Moreira Lopes Copyright (c) 2021 Luiz Pereira, Jader Janer Moreira Lopes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-26 2021-03-26 24 1 24 10.5212/OlharProfr.v.24.17609.021 Entre Malas e Viagens: a arte contemporânea e as possibilidades da docência com e para as crianças https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17571 <p>A resenha é um convite a viajar na obra <em>Arte Contemporânea e Educação Infantil: crianças observando, descobrindo e criando</em>, organizada por Susana Rangel Vieira da Cunha e Rodrigo Saballa de Carvalho. Publicada pela Editora Mediação, em 2017, a escrita evoca nove narrativas que, colaborativamente, discutem e problematizam a escola infantil e suas aproximações com a arte contemporânea.</p> Elen Maisa Alves da Silva Copyright (c) 2021 Elen Maisa Alves da Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-26 2021-03-26 24 1 7 10.5212/OlharProfr.v.24.17571.022 Ainda Paulo Freire: um ensaio sobre a atualidade da Pedagogia do Oprimido https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16749 <p>O ensaio analisa a importância do educador Paulo Freire e a atualidade de sua obra principal, Pedagogia do Oprimido. Destaca a interligação entre a construção do texto e a tessitura da vida do educador em defesa de uma educação libertadora. Ressalta a originalidade da obra de Freire enquanto um texto artesanal, nascido da oralidade e da sua práxis, mas ao mesmo tempo clássico, que mantém sua eficácia pedagógica no decorrer dos anos. Sem subestimar as muitas críticas de parte dos que a julgam uma obra menor, a concepção do ensaio é que a sua singelezanão tem impedido de ser considerada uma das mais importantes obras da pedagogia de todos os tempos. O reconhecimento de sua contribuição no campo educacional pode ser atestado &nbsp;pelo impacto que tem produzido na pesquisa sobre educação e no desenvolvimento de inúmeras iniciativas pedagógicas orientadas pelos seus princípios.</p> Eldon Henrique Mühl Copyright (c) 2021 Eldon Henrique Mühl https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-06 2021-03-06 24 1 23 10.5212/OlharProfr.v.24.116749.015 Memória e testemunho da violência contra o pensamento de Paulo Freire a partir de “A visita do inspetor-geral”, de Bernardo Kucinski https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16757 <p>Este trabalho analisa o atual contexto de perseguição à obra e ao pensamento de Paulo Freire por meio da leitura crítica de “A visita do inspetor-geral”, conto de <em>Você vai voltar pra mim e outros contos</em>, de Bernardo Kucinski (2014), com foco na repetição das estratégias de censura e de violência contra determinados vieses políticos e ideológicos na história recente do Brasil. Para a fundamentar a discussão, no plano teórico, realizou-se um levantamento bibliográfico dos autores Paul Ricoeur (2007) e Jeanne Marie Gagnebin (2006) sobre memória, de Márcio Seligmann-Silva (2003/2005) e Jaime Ginzburg (2011) sobre literatura de testemunho, e de Bruno Botelho Costa (2016), Carlos Rodrigues Brandão (2006) e Moacir Gadotti (1996), entre outros, que abordam a obra de Paulo Freire. Observou-se, dessa forma, que a narrativa de Kucinski atua como um <em>testemunho</em> do autoritarismo da ditadura, de modo que seu livro se torna documento de memória na contramão das vias institucionalizas que operam o silenciamento e a manipulação do passado.</p> Nelson Martinelli Filho Thaís Bedendo Copyright (c) 2021 Nelson Martinelli Filho, Thaís Bedendo https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-06 2021-03-06 24 1 22 10.5212/OlharProfr.v.24.16757.014 Bildung e pedagogia do oprimido: análise e reflexão dos elementos formativos da práxis para a liberdade https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16737 <p>O objetivo deste artigo consiste em analisar os elementos presentes na obra <em>Pedagogia do Oprimido</em> a partir do conceito de <em>Bildung</em> na perspectiva alemã. Esta perspectiva contempla a formação do ser humano que envolve a sua historicidade e a sua transformação. &nbsp;As problemáticas Quais são os elementos presentes na obra <em>Pedagogia do Oprimido</em> em relação à formação do ser humano e a <em>práxis</em>? Como pode se estabelecer a relação do conceito <em>Bildung</em> com os elementos da obra <em>Pedagogia do Oprimido</em>? nortearam a proposta do trabalho. O método Análise de Conteúdo Hermenêutica é utilizado para análise e reflexão dos elementos da obra <em>Pedagogia do Oprimido</em>. A <em>Bildung</em> como <em>práxis</em> educativa na obra <em>Pedagogia do Oprimido</em> pode ser entendida, então, como o processo de adquirir conhecimento ou competências e como uma transformação da relação do sujeito com o mundo, com os outros e consigo mesmo para a conquista da liberdade.</p> <p>&nbsp;</p> Karina Limonta Vieira Copyright (c) 2021 Karina Limonta Vieira https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-13 2021-03-13 24 1 23 10.5212/OlharProfr.v.24.16737.017 O pensamento de Paulo Freire expresso na obra Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16723 <p>Por intermédio da análise e reflexão da obra<em> <strong>Pedagogia da indignação</strong>: cartas pedagógicas e outros escritos</em>, de Paulo Freire, o estudo propõe-se discutir, em caráter introdutório, sobre assuntos vigentes e pertinentes na realidade brasileira, como formação de consciência democrática e ética, ante discursos antidemocráticos e da subordinação à “ética” do mercado; história como possibilidade, em contraposição a história como determinismo; e a necessária leitura e uso críticos da tecnologia e meios de comunicação ante a globalização neoliberal atrelada aos seus discursos ideológicos. A abordagem deste estudo é de natureza qualitativa, fundamentada em pesquisa bibliográfica, dando destaque ao livro supracitado, sem omitir, contudo, seu diálogo e coerência com os escritos de Freire no decurso de sua obra. Depreende-se nestes escritos de Freire provocação à indispensável leitura da realidade e seus temas vigentes, complexos, em sua relação com os conteúdos curriculares como imprescindíveis à inserção na história na qualidade de presença ativa.&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp; &nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;<strong>&nbsp;</strong></p> Amancio Leandro Corrêa Pimentel Antônia Solange Pinheiro Xerez Francisco Mirtiel Frankson Moura Castro Copyright (c) 2021 Amancio Leandro Corrêa Pimentel, Antônia Solange Pinheiro Xerez, Francisco Mirtiel Frankson Moura Castro https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-20 2021-03-20 24 1 21 10.5212/OlharProfr.v.24.16723.013 Educação e vivências interculturais: contribuições dos círculos de cultura em práticas libertadoras https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16773 <p>Este artigo apresenta resultados parciais de um trabalho coletivo que articula ações de pesquisa e de extensão adotando Círculos de Cultura como princípio pedagógico e epistemológico no campo educativo. Nestas iniciativas pesquisa e extensão são assumidas num exercício de retroalimentação, de modo dialético e dialógico, acerca de questões concretas. O estudo bibliográfico aproximou a Pedagogia Libertadora de Paulo Freire e o Programa de Transformação Intercultural da Filosofia proposto por Raúl Fornet-Betancourt tendo como questão convergências entre interculturalidade e dialogicidade na construção de “<em>inéditos</em> <em>viáveis</em>”. Aspectos do pensamento destes autores e algumas iniciativas em curso são tratados no escopo deste trabalho. Avaliamos que intervir no instituído, provocar deslocamentos em favor de um novo ethos é possível e que Círculos de Cultura se apresentam com potencial epistêmico, ético e político com contribuições às práticas interculturais libertadoras, em contraponto às formas de embrutecimento do outro e de reprodução de mentalidades colonizadas.</p> <p><strong>Palavras-chaves:</strong> Filosofia Intercultural. Pedagogia Libertadora. Círculos de Cultura.&nbsp;</p> Giselle Moura Schnorr Joana D'Arc Vaz Almir Sandro Rodrigues Copyright (c) 2021 Giselle Moura Schnorr, Joana D'Arc Vaz, Almir Sandro Rodrigues https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-20 2021-03-20 24 1 27 10.5212/OlharProfr.v.24.16773.018 Trajetórias de professores de Sociologia e as dinâmicas da comunidade disciplinar no estado do Rio de Janeiro https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/14954 <p>A pesquisa focaliza a comunidade disciplinar de Sociologia e trajetórias de professoras do Ensino Médio no Rio de Janeiro. Assenta-se sobre os conceitos de comunidade disciplinar e construção social do currículo (BALL, MAGUIRE e BRAUN, 2016; HOBSBAWN e RANGER, 1997; GOODSON, 1997; 2001; 2012). Por meio de entrevistas semiestruturadas, relaciona histórias dos grupos disciplinares com a trajetória profissional de três entrevistadas, focalizando: (i) disputa por recursos, <em>status</em> e territórios; (ii) invenção de tradições; e (iii) retórica em defesa da disciplina. Os resultados apontam a mobilização de discursos da comunidade disciplinar em políticas educacionais, fortalecendo argumentos em favor da disciplina na escola básica. A promulgação da Lei 11.684/2008 marca a luta pela consolidação da carga horária semanal da disciplina. Indica-se um crescente fortalecimento da comunidade disciplinar e conquistas nas políticas educacionais, por meio da construção de redes que subsidiam práticas dos docentes de Sociologia.</p> Mariana Lima Vilela Gustavo Dias da Silva Copyright (c) 2021 Mariana Lima Vilela, Gustavo Dias da Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-06 2021-03-06 24 1 22 10.5212/OlharProfr.v.24.14954.001 Análise da efetividade do Ensino Médio com mediação tecnológica no estado de Rondônia https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15148 <p><span style="font-weight: 400;">O presente estudo tem como objetivo analisar a efetividade do programa Ensino Médio com Mediação Tecnológica (EMMTEC) no Estado de Rondônia no período de 2016 a 2018. O referencial teórico que embasa o estudo traz temas como a legislação que institui o ensino médio, o projeto do Ensino Médio com Mediação Tecnológica e a operacionalização do projeto. Os procedimentos metodológicos adotados foram a análise documental dos relatórios e dos documentos oficiais, principalmente a pesquisa realizada por um determinado órgão de controle do Estado de Rondônia. Os resultados indicam que o EMMTEC contribuiu para o aumento das matrículas da população de 15 a 17 anos, pois consegue atingir as comunidades de difícil acesso que antes não possuíam todos os professores dos componentes curriculares. A efetividade do EMMTEC se constitui na sua contribuição para a universalização do ensino médio e para o aumento das matrículas nos cursos técnicos concomitantes ao ensino médio.</span></p> Samuel dos Santos Junio Jenerson Queiroz Lima Duarte Lady Day Pereira de Souza Copyright (c) 2021 Samuel dos Santos Junio, Jenerson Queiroz Lima Duarte, Lady Day Pereira de Souza https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-06 2021-03-06 24 1 20 10.5212/OlharProfr.v.24.15148.003 Desemparedando a Educação Infantil: um processo formativo no estágio curricular https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15955 <p>A formação dos acadêmicos do Curso de&nbsp; Pedagogia engloba um grande desafio teórico-prático,&nbsp; o qual abrange o olhar sensível do professor em relação às crianças, o compromisso com os&nbsp; pressupostos teóricos que fundamentam a prática &nbsp;e os&nbsp; registros e&nbsp; reflexões que emergem no cotidiano da escola. O presente artigo revela relatos referentes a esse desafio e análises de um estágio docente realizado em creche conveniada, localizada na área central do município de Porto Alegre, com 11 crianças da turma de berçário, na faixa etária de 1 a 2 anos. A partir do conceito de&nbsp; desemparedamento nas experiências vivenciadas durante o estágio, são problematizadas as potencialidades e as dificuldades durante essa etapa de formação.</p> Bibiana da Cunha Tubino Simone Santos de Albuquerque Copyright (c) 2021 Bibiana da Cunha Tubino, Simone Santos de Albuquerque https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-13 2021-03-13 24 1 19 10.5212/OlharProfr.v.24.15955.006 Construção da identidade docente na licenciatura dupla em Biologia e Química: contribuições do currículo https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15594 <p>O objetivo deste trabalho foi investigar a contribuição da configuração curricular de um Curso de Licenciatura Dupla em Biologia e Química (LDBQ), de uma Instituição de Educação Superior na Região Norte do país, na construção da identidade docente. A coleta de dados foi baseada na análise documental do Projeto Pedagógico do Curso, utilizando a Análise Textual Discursiva. Os resultados apontam que a LDBQ foi criada para atender a necessidade do contexto local, de professores com formação na área de Biologia e Química. O perfil profissional e a identidade do curso apontam para um profissional que irá atuar na Educação Básica e em outros segmentos, como atuação técnico em nível superior. E ainda, foram observados princípios formativos, como contextualização, interdisciplinaridade, articulação teoria e prática, transposição didática e investigação no ensino. Porém, havendo necessidade de integração de conhecimentos específicos das áreas de Biologia e Química com pedagógicos.</p> Sidilene Aquino de Farias Ana Cris Nunes de Souza Copyright (c) 2021 Sidilene Aquino de Farias, Ana Cris Nunes de Souza https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-13 2021-03-13 24 1 21 10.5212/OlharProfr.v.24.15594.005 O brincar e suas possibilidades na Educação Infantil: uma revisão sistemática https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15956 <p>O presente artigo teve como objetivo investigar o papel da brincadeira como direito fundamental na educação infantil. A Educação Infantil deve ter a finalidade de garantir à criança acesso a aprendizagens de distintas linguagens, assim como o direito à brincadeira, à convivência e à interação com outras crianças. As motivações que encaminharam o interesse pelo assunto buscam analisar a brincadeira como atividade principal da infância e o papel da pré-escola na promoção do brincar. Neste sentido, delineou-se a problemática da pesquisa: Como a brincadeira pode contribuir no processo de humanização das crianças em idade pré-escolar? Trata-se de uma pesquisa bibliográfica do tipo de revisão sistemática, realizada a partir de trabalhos publicados na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações no período de 2013 a 2018, em diálogo com Costa (2017); Couto (2013); Graciliano (2014); Leontiev (2010); Lima (2018); Marcolino (2013), Mello (2007); Pasqualini (2013); entre outros, que buscam compreender o desenvolvimento infantil a partir dos fundamentos propostos pela teoria histórico-cultural. A partir das teses da Teoria Histórico-Cultural, reafirmamos a fundamental importância da educação para o desenvolvimento infantil. Ao compreender que o desenvolvimento acontece por meio da aprendizagem percebe-se que a criança começa aprender a partir do momento que nasce. Em cada estágio do desenvolvimento há uma forma especial de interação da criança com o meio para apropriar-se da cultura e desenvolver-se. Portanto, este trabalho destaca o papel da brincadeira e suas possibilidades na infância.</p> Geuciane Felipe Guerim Fernandes Paula Marcella Guergolet Brandão Copyright (c) 2021 Geuciane Felipe Guerim Fernandes, Paula Marcella Guergolet Brandão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-13 2021-03-13 24 1 18 10.5212/OlharProfr.v.24.15956.007 “Criar capacidades” para a sensibilidade e a humanização em meio à pandemia de covid-19: reflexões a partir de Nussbaum e Agamben https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15980 <p><span style="font-weight: 400;">O artigo tem como escopo refletir sobre a necessidade de “criar capacidades” para a sensibilidade e a humanização como antídoto para enfrentar a pandemia da Covid-19. Num cenário marcado por sentimentos de medo, desamparo, angústia, fragilidade, ignorância, cegueira moral e insensibilidade diante da morte, torna-se urgente e imprescindível criar espaços para experiências formativas que possibilitem solidariedade, acolhimento, empatia, vida compartilhada, sentimento de pertencimento, justiça social e cidadania. O ensaio constitui-se num estudo qualitativo, caracterizado como bibliográfico e ancorado no método dedutivo-analítico, tendo como base as contribuições de Martha Nussbaum e Giorgio Agamben; propõe a ideia de“criar capacidades” como uma tarefa intransferível da educação para cultivar a sensibilidade humana diante de um cenário avassalador proporcionado pela pandemia.</span></p> Patricia Carlesso Marcelino Altair Alberto Favero Copyright (c) 2021 Patricia Carlesso Marcelino, Altair Alberto Favero https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-20 2021-03-20 24 1 19 10.5212/OlharProfr.v.24.15980.011 O currículo de Educação Física no Ensino Médio do estado de São Paulo na voz dos professores: uma avaliação pré-reforma https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15233 <p>O objetivo do artigo foi investigar percepções de professores de Educação Física do ensino médio do Estado de São Paulo acerca do currículo, em face das próprias experiências e possíveis impactos na reforma curricular. Interpretaram-se através de estatística descritiva e análise de conteúdo as respostas online de 53 professores, analisando: utilização do currículo, reforma do ensino médio (BRASIL, 2018) e identidade da Educação Física (TANI, 2011). Constatou-se que professores apreendem o currículo em função dos conteúdos, especialmente, “esporte” e “saúde”, entendendo ser esta a principal ênfase de uma revisão. Presumiu-se uma situação de conflito para a educação física no ensino médio com a reforma curricular, dado seu enquadramento na área de Linguagens, a ausência de um delineamento epistemológico, e a necessidade de considerar como pensam e atuam seus atores na prática docente.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: <em>Educação Física Escolar, Currículo, Prática Docente</em></p> Gabriel Francisco Zago Pacheco Sérgio Roberto Silveira Copyright (c) 2021 Gabriel Francisco Zago Pacheco, Sérgio Roberto Silveira https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-20 2021-03-20 24 1 21 10.5212/OlharProfr.v.24.15233.010 Do registro à documentação pedagógica: possibilidades e necessidades docentes https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16272 <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo tem por objetivo tecer um debate teórico a respeito das práticas avaliativas na Educação Infantil. Para tanto, realiza a exposição pormenorizadas dos ditames da Documentação Pedagógica na Educação Infantil e o modo como esta se desdobra, com vistas à escuta da criança em suas múltiplas linguagens. Alocamos o duplo sentido da Documentação Pedagógica, qual seja, o da avaliação na Educação Infantil, na medida em que enxergamos a possibilidade de ouvir as crianças e de garantir seus direitos por meio de diferentes recursos que captam suas vozes e seus olhares, e o viés da formação docente, visto que o professor não realiza apenas a documentação pedagógica, mas também a utiliza para refletir sobre suas próprias práticas. Para tal, realiza-se o balanço do tema da avaliação no campo da Educação Infantil e o modo como ele vem sendo abordado por diferentes pesquisadores inscritos em seu interior, bem como, apresentamos o curso de formação de professoras(es) formulado e ministrado pelas autoras, conferindo visibilidade ao modo como a mudança de práticas e a transformação de rotinas tornam-se pertinente ao processo de ensinar e aprender por meio de experiências e ao fato de que as crianças possuem diferentes e muitas linguagens para se expressar. </span></p> Giovana Alonso Renata Aparecida Drape Cleonice Maria Tomazzetti Copyright (c) 2021 Giovana Alonso, Renata Aparecida Drape, Cleonice Maria Tomazzetti https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-20 2021-03-20 24 1 18 10.5212/OlharProfr.v.24.16272.009 Um olhar para o professor no processo de ensino e aprendizagem remoto https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16185 <p>O presente estudo visa a analisar a questão do processo de ensino-aprendizagem remoto, durante a quarentena em virtude da pandemia do covid-19. Foram coletados relatos, através de formulários <em>on-line</em>, de professores de diferentes lugares, nos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, de modo a embasar a discussão, e autores, como Olinda Evangelista, Luiz Carlos de Freitas e outros, auxiliaram no suporte teórico. O texto divide-se em reflexões sobre a Educação Básica antes da pandemia e durante a quarentena, momento no qual ainda nos encontramos. Percebeu-se uma mudança drástica no panorama da Educação Básica nos contextos trazidos para análise e destacaram-se os diferentes conflitos pelos quais os professores passam em seu cotidiano, além da já gritante desigualdade social agora intensificada, como mencionam estes profissionais.</p> Marlise Buchweitz Copyright (c) 2021 Marlise Buchweitz https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-26 2021-03-26 24 1 22 10.5212/OlharProfr.v.24.16185.008 A Educação Infantil no contexto da pandemia: os possíveis enfrentamentos após a publicação do Parecer 05/2020 https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15877 <p>O presente artigo pretende discutir o Parecer 05/2020 do Conselho Nacional de Educação (CNE) e os possíveis enfrentamentos no contexto da Educação Infantil. A questão orientadora foi delineada da seguinte forma: como a Educação Infantil é afetada pela pandemia da COVID-19? A questão se faz necessária pela garantia dos direitos conquistados duramente no campo da educação das crianças, especialmente ao fato de serem educadas em espaços coletivos, não domésticos (BRASIL, 2009), e agora na possibilidade de realização de atividades a distância, especialmente na modalidade EAD, por meio de videoaulas e outros recursos virtuais para crianças pequenas, o que pode demarcar ainda mais as condições de desigualdade social.&nbsp; A composição da escrita é de cunho bibliográfico e os resultados encaminham para a necessidade de enfrentamento por meio da resistência, o que não significa abandonar as crianças em tempos de pandemia, ao contrário, é necessário criar as formas mais adequadas de atendê-las.</p> Cassiana Magalhães Cristiane dos Santos Farias Copyright (c) 2021 Cassiana Magalhães, Cristiane dos Santos Farias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-26 2021-03-26 24 1 9 10.5212/OlharProfr.v.24.15877.019 Práticas educativas em tempos de pandemia: relato de experiência https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16178 <p style="margin: 0cm; margin-bottom: .0001pt; text-align: justify; background: white;"><span style="font-size: 10.0pt; font-family: 'Arial',sans-serif;"><strong>: </strong>O presente relato tem como objetivo destacar o percurso e práticas educativas propostas para a Educação Infantil, anos iniciais do Ensino Fundamental, Educação Especial e Educação de Jovens e Adultos - FASE I, em tempos de COVID-19, na Rede Municipal de Ensino de uma cidade do Noroeste do Paraná. A pesquisa, de caráter qualitativo, investigou quais práticas docentes e atividades metodológicas foram adotadas no recorte temporal de março a junho de 2020, a fim de possibilitar a continuidade das experiências educativas, respeitando o distanciamento social e mantendo a interação docentes e discentes. O cotejamento das informações permitiu identificar que, dentre as alternativas metodológicas apresentadas pelo Ministério da Educação e Secretaria de Estado da Educação do Paraná como opções para continuidade do processo educacional, a rede optou pela realização de atividades não presenciais com base na elaboração de cadernos de atividades impressos, vídeos instrucionais direcionados às famílias e interações assíncronas via<em> WhatsApp</em>, garantindo, portanto, o acesso de um número maior de estudantes às práticas educativas e mantendo a proximidade das relações de aprendizagem, do que se elas fossem mediadas apenas por plataformas <em>online</em>.</span></p> Elisangela Alves dos Reis Patrícia de Araujo abucarma Stevanato Mauriza Gonçalves de Lima Menegasso Copyright (c) 2021 Elisangela Alves dos Reis, Patrícia de Araujo abucarma Stevanato, Mauriza Gonçalves de Lima Menegasso https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-26 2021-03-26 24 1 8 10.5212/OlharProfr.v.24.16178.020 Caem as máscaras na quarentena Covid-19: reflexões freireanas a partir de Cartas a Cristina https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15561 <p>A presente carta pedagógica, a partir de uma interlocução com o livro Cartas a Cristina, apresenta a memória de Paulo Freire, suas percepções sobre como se constituiu enquanto ser humano, desde a sua infância, construindo-se educador em uma constante reflexão entre a sua vida e a sua práxis. A leitura do livro e suas provocações são sempre atuais, por isso nos possibilitam pensar a educação em tempo de pandemia, com novos desafios, perspectivas e propósitos mais humanos. O livro Cartas a Cristina, em um primeiro momento, atende às solicitações de escrita feitas por Cristina, e em um segundo bloco, Freire continua falando de si, mas considerando também temas sugeridos em âmbito nacional e internacional.</p> Valdete Gusberti Cortelini Geraldo Antônio da Rosa Copyright (c) 2021 Valdete Gusberti Cortelini, Geraldo Antônio da Rosa https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-26 2021-03-26 24 1 7 10.5212/OlharProfr.v.24.15561.023 Educação para idosos em tempo de pandemia no Núcleo de Estudos da Terceira Idade: relato de experiência https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15814 <p>A pandemia de COVID-19 trouxe a necessidade de reformulações nos processos educacionais, em especial, às pessoas idosas. O distanciamento social e a educação mediada pelas tecnologias digitais fizeram-se necessárias. Este relato apresenta a estratégia de manutenção do vínculo com os estudantes idosos do Núcleo de Estudos da Terceira Idade (NETI), com a proposição do “Programa Quarentena no NETI”. O desenvolvimento do projeto se dá por postagens semanais, de diferentes materiais e conteúdos nos grupos de WhatsApp das atividades ofertadas. O Programa foi avaliado pelos estudantes idosos via questionário <em>online</em>, os quais 96,7% demonstraram muita satisfação e satisfação com os conteúdos. Os materiais abordam diferentes conteúdos, temas e formatos, sendo que os vídeos são os prediletos dos estudantes idosos. Conclui-se que o programa tem se apresentado como uma experiência exitosa, uma vez que, tem proporcionado vínculo com os estudantes e o compartilhamento de informações durante a pandemia de COVID-19.</p> Michele Medeiros Maria Fernanda Baeta Neves Alonso da Costa Guilherme Henrique Koerich Copyright (c) 2021 Michele Medeiros, Maria Fernanda Baeta Neves Alonso da Costa, Guilherme Henrique Koerich https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-02 2021-04-02 24 1 9 10.5212/OlharProfr.v.24.15814.028 Educação Física escolar em tempos de Covid-19: o ensino do esporte e a paralisação dos megaeventos https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15428 <p>Diante do cenário expansivo do Corona Vírus (CoVID-19) as escolas goianienses suspenderam suas atividades presenciais e por conseguinte assumiram as aulas remotas como égide. Esse artigo tem como objetivo expor os elementos teórico-metodológicos de uma experiência desenvolvida pela disciplina Educação Física à luz de um referencial histórico-crítico, no interior da Educação Básica, em meio ao distanciamento social. Tomamos como centralidade do processo didático a paralisação dos eventos esportivos e dilema ético implícito nessa ação. As categorias determinantes para essa mediação foram conteúdo, forma e destinatário, além do próprio objeto do campo que é a Cultura Corporal. Entendemos que apesar do êxito da proposta didática, encontramos obstáculos demasiados, portanto legitimamos o caráter provisório (e improvisado) das aulas remotas e enfatizamos a importância da escola regular e presencial.</p> Leonardo Carlos de Andrade Regina Queiroz Silva Eugênio Lopes dos Santos Junior Copyright (c) 2021 Leonardo Carlos de Andrade, Regina Queiroz Silva, Eugênio Lopes dos Santos Junior https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-02 2021-04-02 24 1 8 10.5212/OlharProfr.v.24.15428.024 Certezas, incertezas, possibilidades e desafios. A pandemia de Covid-19 na educação na Argentina https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15582 <p>O artigo analisa a chegada do Covid 19 na Argentina em um contexto de forte desigualdade social. Investiga as diferentes políticas educacionais realizadas para garantir o acompanhamento do processo educacional e, ao mesmo tempo, reduzir o impacto desigual que a pandemia está gerando. Investiga, com base na teoria social crítica, sobre algumas certezas e incertezas que ocorrem nos espaços virtuais e digitais e, ao mesmo tempo, convida a pensar e experimentar as múltiplas possibilidades e desafios que a pandemia oferece para revisar e desnaturar as maneiras pelas quais o processo educacional ocorre.</p> pablo ariel scharagrodsky Copyright (c) 2021 pablo ariel scharagrodsky https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-02 2021-04-02 24 1 9 10.5212/OlharProfr.v.24.15582.025 Educação infantil diante da pandemia causada pela Covid-19: no cenário o programa Rio Preto Educ Ação https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15586 <p>Este estudo tem como foco a educação infantil em contexto de pandemia causada pela Covid-19, uma vez que muito se tem visto e se discutido sobre esta etapa, sendo as atividades pedagógicas a distância fator de preocupação por parte de pesquisadores e educadores da primeira infância. Se caracteriza como um estudo de natureza qualitativa, como estudo de caso documental e objetiva apresentar e discutir brevemente alguns aspectos da implementação de um Programa Educacional Municipal, criado em contexto pandêmico, evidenciando possibilidades de trabalho, mas também alguns limites e&nbsp;desafios. Os dados indicaram estratégias e ferramentas que possibilitaram a continuidade de vínculo entre escolas, professores(as), crianças e famílias, bem como a continuidade de trabalho dos docentes. Infere-se, também, a necessidade de avaliação constante de ações e propostas vinculadas a esse Programa, objetivando que sejam intencionais, efetivas e não excludentes, garantindo os direitos educacionais de bebês e crianças, mesmo em um cenário tão complexo, urgente e inédito.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> educação infantil, pandemia pelo Covid-19, atividades pedagógicas a distância.</p> Aline Sommerhalder Raiza Fernandes Bessa de Oliveira Giseli Alcassas Masson Copyright (c) 2021 Aline Sommerhalder, Raiza Fernandes Bessa de Oliveira, Giseli Alcassas Masson https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-02 2021-04-02 24 1 8 10.5212/OlharProfr.v.24.15586.026 A pedagogia do vírus: o que é possível aprender com a Covid-19? https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15799 <p>A complexidade do contexto atual é um dos desafios à nossa escrita realizada em tempos de incertezas, nos quais o avanço destruidor do covid-19 no Brasil&nbsp; vem obrigando os estados brasileiros a ampliar as medidas de isolamento social, fechando as escolas e suspendendo as aulas em seus territórios. Do ponto de vista de nosso artigo, uma das lições a serem aprendidas diz respeito aos impactos do Covid-19 nas diferentes escalas do território do vivido. A pandemia do coronavírus reitera a dimensão política e epistêmica de investigar o lugar, tomando-o como densidade analítica e compreensiva de processos formativos de crianças, jovens e adultos. Dialogando com&nbsp; Santos (1994) que, em sua formulação teórica sobre a sua epistemologia existencial, nos instiga a realizar o exercício de estudar o que cada lugar tem de singular, de específico, de diferente e original para compreendermos como os sujeitos agem e produzem modos de vida, relações e práticas sociais, dentre elas o direito à escolarização.</p> Maria Tereza Goudard Tavares Adrielle Karolyne de Sousa Lisboa Copyright (c) 2021 Maria Tereza Goudard Tavares, Adrielle Karolyne de Sousa Lisboa https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-02 2021-04-02 24 1 8 10.5212/OlharProfr.v.24.15799.027 Ensino remoto de emergência e o ensino superior: uma experiência no curso de Pedagogia https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16100 <p>O contexto decorrente da pandemia do novo coronavírus demandou uma readaptação das instituições de ensino, com vistas à manutenção do distanciamento social. Diante da impossibilidade de encontros presenciais, as Instituições de Ensino Superior (IES) que se dedicavam ao ensino presencial tiveram de adotar atividades remotas em caráter emergencial, mediadas por tecnologias digitais. Este trabalho caracteriza-se como um relato de experiência de docência em uma IES sem fins lucrativos de uma cidade no noroeste paranaense durante a crise sanitária, em que os recursos utilizados são Ambientes Virtuais de Aprendizagem, webconferência, podcasts, vídeos/documentários e WhatsApp. Considerando a singularidade das circunstâncias, ao socializar a experiência, pretende-se contribuir com as reflexões sobre a educação ofertada na pandemia. Concluiu-se que a experiência contribuiu com o desenvolvimento acadêmico e pessoal dos alunos, com a prática docente e com o amadurecimento da instituição, reiterando o ganho educacional pelo uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação.</p> Taissa Vieira Lozano Burci Dayane Horwat Imbriani de Oliveira Ana Paula de Souza Santos Copyright (c) 2021 Taissa Vieira Lozano Burci, Dayane Horwat Imbriani de Oliveira, Ana Paula de Souza Santos https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-10 2021-04-10 24 1 7 10.5212/OlharProfr.v.24.16100.029 Espaços e encontros de escuta sensível e acolhida das crianças e suas famílias em tempo de excepcionalidade/pandemia na Unidade de Educação Infantil Ipê Amarelo - UEIIA https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16123 <p><strong>Resumo: </strong>Este relato tem o propósito de compartilhar a construção de espaços e encontros de escuta sensível com crianças da Unidade de Educação Infantil Ipê Amarelo e suas famílias no momento de excepcionalidade vivido pela pandemia de COVID-19. Profissionais que atuam com crianças têm perguntado: qual o papel da Unidade de Educação Infantil que acolhe as crianças e suas famílias nesse contexto? Como professores e profissionais que atuam com as crianças bem pequenas e pequenas manterão os vínculos sem a convivência no ambiente da escola e a interação física, que foram interrompidas de forma abrupta? Como a escuta sensível do professor pode acontecer nesse contexto? Com base nesses questionamentos, no coletivo, encontramos caminhos possíveis para um grupo de crianças e famílias que vamos abordar nessa escrita colaborativa.</p> Jucemara Antunes Antunes Camila Schmitt da Silva Pires Karine Weber Copyright (c) 2021 Jucemara Antunes Antunes, Camila Schmitt da Silva Pires, Karine Weber https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-10 2021-04-10 24 1 8 10.5212/OlharProfr.v.24.16123.030 Desafios e possibilidades nas aulas de educação física: as narrativas docentes em tempos de pandemia https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16051 <p>O artigo propõe ao leitor as narrativas de três sujeitos da educação, os quais estão exercendo suas funções no âmago da situação de distanciamento social, e consequente cancelamento das atividades presenciais. A situação emergencial que subitamente transformou as práticas docentes, nos remete a novas perspectivas para educação, o momento propiciou um novo olhar, o qual seguramente irá conduzir os aspectos pedagógicos para outro patamar. As três realidades analisadas permitem captar a conjuntura dos fatos, entender os delineamentos das práticas docentes em tempos de Pandemia. A reflexão pretende aguçar as discussões sobre as atuais circunstâncias educacionais no cenário brasileiro, apresentar os desafios e as possibilidades que o professor está exposto todos os dias, e que nas atuais circunstâncias refletem ainda mais as condições que o desenvolvimento profissional docente se encontra.</p> Fabiana Leifeld Izabelle Cristina de Almeida Osni Labiak Copyright (c) 2021 Fabiana Leifeld, Izabelle Cristina de Almeida, Osni Labiak https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-10 2021-04-10 24 1 8 10.5212/OlharProfr.v.24.16051.031 Seguindo um chargista em tempos de pandemia e recrutando aliados para a educação científica https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16056 <p>O presente trabalho apresenta o gênero charge como uma possibilidade de recurso didático para abordar a COVID-19 no ensino de Ciências. Amparados na Teoria Ator-Rede, que leva em consideração a associação de humanos e não humanos para a produção dos fatos científicos, analisamos charges de um mesmo ilustrador, que foram publicadas em um portal de notícias de grande circulação. Procuramos evidenciar as interações entre as entidades humanas e não humanas presentes nas ilustrações e refletir acerca de suas performances enquanto produtos de interpretações sobre o mundo. Defendemos a utilização das charges como móveis mutáveis, que trazem elementos, no intuito de guiar para outro olhar na educação científica sobre as realidades construídas a partir da pandemia atual. Ademais, acreditamos que as charges possam proporcionar aos alunos a mobilização de um pensamento crítico e reflexivo, o qual poderia emergir em uma rede heterogênea de actantes.</p> Alexsandro Luiz dos Reis Fábio Augusto Rodrigues e Silva Copyright (c) 2021 Alexsandro Luiz dos Reis, Fábio Augusto Rodrigues e Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-10 2021-04-10 24 1 12 10.5212/OlharProfr.v.24.16056.032 A gestão da UEIIA/UFSM em tempos de Covid-19: escuta, diálogo e rupturas https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16293 <p style="text-indent: 1.25cm; margin-bottom: 0cm; line-height: 150%;" align="justify"><span style="font-family: Times New Roman, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Neste texto o objetivo é apresentar algumas das ações que temos realizado, enquanto equipe de gestão, no contexto da Unidade de Educação Infantil Ipê Amarelo (UEIIA/UFSM/RS), frente ao distanciamento social provocado pela Covid-19. Tais ações passam por discussões, análises e proposições do que é possível nesse momento, com os sujeitos que temos, através de um olhar atento, com escuta sensível, envolvimento e diálogo constante entre todos, garantindo a identidade da UEIIA. Tomando por base a legislação nacional para a Educação Infantil (BRASIL, 2009; CAMPOS; ROSEMBERG, 2009) e referenciais na área da Educação Infantil que partem de uma perspectiva de escuta e acolhimento (RINALDI, 2014; STACCIOLI, 2013), consideramos que este é um momento de abertura para novas formas de convívio, de interlocução, de intensificação das relações, com o futuro possível, uma outra cultura institucional.</span></span></p> Viviane Ache Cancian Juliana Goelzer Copyright (c) 2021 Viviane Ache Cancian, Juliana Goelzer https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-04-10 2021-04-10 24 1 8 10.5212/OlharProfr.v.24.16293.033 A voz e vez dos barqueiros: um diálogo crítico de reinvenção freireana frente aos desafios da atualidade https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16719 <p>Este texto é a transcrição de um diálogo, uma dupla entrevista, portanto, não possui resumo.</p> Mariana Parise Brandalise Dalsotto César Augusto Rossatto Copyright (c) 2021 Mariana Parise Brandalise Dalsotto, César Augusto Rossatto https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-13 2021-03-13 24 1 22 10.5212/OlharProfr.v.24.16719.012 Euzinho: o olhar das crianças e o registro de experiência acerca da selfie e do autorretrato https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15089 <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo tem por objetivo apresentar os resultados alcançados no decorrer do desenvolvimento da oficina Euzinho, aplicada na Escola Municipal Professora Juventina Betim da Silva, em Telêmaco Borba/PR. As atividades realizadas são parte do cronograma estipulado pelo Projeto de Extensão LUME (Laboratório e Núcleo de Estudos de Mídia e Educação), inerente ao programa Universidade Sem Fronteiras. O tema da oficina foi alicerçado em dois motes: selfie e autorretrato. A partir de uma pesquisa exploratória de abordagem qualitativa, foram realizadas discussões temáticas oriundas de revisão bibliográfica, exposição de obras artísticas, desenvolvimento e aplicação de técnicas de retrato em pintura e, em registro fotográfico, buscou-se problematizar a utilização contemporânea midiática e reificada das selfies, oferecendo como contraponto a possibilidade de autorretratos potencializados de autonomia e expressividade artística, no intento de um processo emancipatório e de questionamento crítico do uso das mídias na atualidade, sobretudo para o público considerado jovem ou infantil.</span></p> Marsiel Pacífico Marcia Barbosa da Silva Valdir Heitokoeter de Melo Junior Copyright (c) 2021 Marsiel Pacífico, Marcia Barbosa da Silva, Valdir Heitokoeter de Melo Junior https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-06 2021-03-06 24 1 17 10.5212/OlharProfr.v.24.15089.002 Relações entre professores, alunos e cadernos: sistematizações de uma pesquisa-intervenção https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15398 <p>A relação entre professor, aluno e caderno é discutida neste artigo a partir do questionamento sobre como ocorrem os processos de intervenção do professor no caderno do aluno. É uma pesquisa-intervenção que considera o contexto escolar pesquisado, a participação dos sujeitos (professores, alunos e pais) e a ação do pedagogo pesquisador no processo de ensino. O objetivo é sistematizar descobertas e elaborações teórico-metodológicas a partir de problemas da prática pedagógica. Como pressuposto para os processos de intervenção na escola, tomou-se a educação como uma produção histórica e social. Estudar esses processos requer considerar as trajetórias do coletivo e o contexto, não se admitindo a proposição de modelos universais e generalizáveis. A partir dos problemas postos pela prática, buscar situá-la historicamente, contextualizá-la, encontrar explicações teóricas de modo a chegar em sua reelaboração por meio da sistematização coletiva. As sistematizações coletivas apontaram aspectos a serem observados na reformulação da prática de intervenção no caderno do aluno: repensar o protagonismo do aluno no uso dos cadernos; qualificar o caderno como instrumento de acompanhamento individual dos processos de aprendizagem; explicitar aos pais como ocorrem os processos de intervenção no caderno do aluno.</p> Simone Regina Manosso Cartaxo Josiane Cristina Dittmar Pimentel Copyright (c) 2021 Simone Regina Manosso Cartaxo, Josiane Cristina Dittmar Pimentel https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2021-03-06 2021-03-06 24 1 15 10.5212/OlharProfr.v.24.15398.004