https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/issue/feed Olhar de Professor 2020-11-20T21:14:12+00:00 Revista Olhar de Professor olhardeprofessor@uepg.br Open Journal Systems <p>A Revista Olhar de Professor é um periódico acadêmico, de fluxo contínuo proposto pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (Paraná, Brasil). Desde 1998, vem divulgando pesquisas e estudos relacionados à educação e à formação de professores. Publica artigos científicos e reflexões sobre experiências pedagógicas significativas, resenhas, entrevistas e textos de palestras proferidas que tragam a produção de pesquisadores ligados à pesquisa, extensão universitária e docência na grande área da educação. É dirigida a professores e pesquisadores, assim como a estudantes de graduação e pós-graduação das áreas de Educação e das ciências sociais e humanas. Áreas de interesse - educação; educação básica; educação superior; política educacional; educação social.</p> https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/10.5212.OlharProfr.v.23.2020.15576.209209225810.0527 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PARTICIPATIVA E A BUSCA DA QUALIDADE DA ESCOLA: LIMITES E POTENCIALIDADES DA PARTICIPAÇÃO ESTUDANTIL 2020-08-21T21:47:34+00:00 Maria Simone Ferraz Pereira msimonefp@gmail.com Mara Regina Lemes De Sordi maradesordi14@gmail.com <p>Este artigo analisa limites e possibilidades de participação dos estudantes no processo de pactuação da qualidade da escola pública favorecidas por políticas democráticas, como é o caso da Avaliação Institucional participativa – AIP, implementada nas escolas de ensino fundamental da Rede Municipal de Educação de Campinas/SP. A pesquisa foi realizada em três escolas escolhidas a partir de um estudo exploratório de eventos organizados pela política de AIP, viabilizadores da participação dos estudantes no processo de reflexão da qualidade da escola. Os dados indicam que as escolas têm se organizado para garantir o princípio da participação dos estudantes na Comissão Própria de Avaliação - CPA, mas evidenciamos que ainda existem aspectos que precisam ser compreendidos, a fim de possibilitar uma participação para além de espaços como a CPA, e assim promover uma formação que contribua de fato para que os estudantes se envolvam com a vida da escola.</p> 2020-06-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15537 IMPLICAÇÕES DA POLÍTICA DE AVALIAÇÃO NA PRODUÇÃO DA QUALIDADE EDUCACIONAL 2020-08-21T23:07:14+00:00 Luziane Said Cometti Lélis luziane.bim@gmail.com Dinair Leal da Hora tucupi@uol.com.br <p>O artigo discute o conceito de qualidade como produto de uma construção humana, mostrando os diferentes significados operados no contexto da política educacional e problematiza as implicações da política de avaliação nacional na produção da qualidade educacional, como valor instrumental, quantitativo. O objetivo é compreender as concepções de qualidade assumidas nas proposições dos Planos de Ação Educacional (PAEs) indicados nas produções acadêmicas (mestrado profissional) em interface com as avaliações externas. O estudo é proveniente de revisão bibliográfica e de levantamento de trabalhos científicos publicados no Banco de dados de Teses e Dissertações da Capes. As análises provenientes do PAEs apontam para uma posição naturalizada de aceitação da política de avaliação nacional, que passa de uma posição meramente de execução das políticas e monitoramento da aprendizagem para a prestação de contas, contribuindo fortemente na produção ou conformação da qualidade imputada por índices. &nbsp;</p> 2020-06-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15193 EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO, POLÍTICA EDUCACIONAL E PROPOSTA DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES E COMPETÊNCIAS 2020-08-21T23:51:58+00:00 Rubiana Brasilio Santa Bárbara rubibras@hotmail.com Maria Terezinha Bellanda Galuch mtbgaluch@uem.br Vinícius Adriano de Freitas vafreitas2@uem.br <p>Neste trabalho objetiva-se compreender a relação entre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e os princípios educacionais mobilizados na esfera política, mediante a análise das competências e habilidades exigidas na avaliação, tendo como parâmetro a Teoria Crítica da Sociedade. A análise realizada deixa perceber que se trata de uma forma de atender aos interesses do capital financeiro globalizado que exalta o individualismo em prol da manutenção da sociedade que impede o fortalecimento do indivíduo.&nbsp;O&nbsp;Enem, como expressão da política educacional brasileira,&nbsp;corrobora uma concepção formativa voltada para ajustar os sujeitos aos anseios e aos valores da sociedade vigente, cujo desenvolvimento do humano não é prioridade, portanto, participa da crise da formação.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Teoria Crítica da Sociedade. Enem. Política Educacional.</p> 2020-06-30T12:59:36+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15023 INFRAESTRUTURA E DESEMPENHO ESCOLAR NA PROVA BRASIL: ASPECTOS E CONEXÕES 2020-08-22T01:07:18+00:00 Denilson Junio Marques Soares denilson.marques@ifmg.edu.br Talita Emidio Andrade Soares talitaeandrade@gmail.com Wagner dos Santos wagnercefd@gmail.com <p class="Resumoeabstract">Este artigo apresenta um estudo exploratório sobre infraestrutura escolar, e analisa suas conexões com o desempenho de estudantes dos anos finais do ensino fundamental, na Prova Brasil. Para isto, foram utilizadas técnicas de estatística descritiva e inferencial. Os resultados indicam que as escolas brasileiras, especialmente as das regiões Norte e Nordeste, ainda possuem deficiências de infraestrutura e que algumas políticas públicas adotadas não têm alcançado o efeito esperado. Destaca-se a significativa contribuição de fatores como presença de laboratório de informática e internet, quadra de esportes, dependências PNE, coleta de lixo e auditório para o bom desempenho escolar na avaliação analisada. Espera-se que os resultados obtidos possam ser úteis para orientar políticas públicas e despertem um maior interesse na discussão dos impactos das condições materiais do ambiente escolar na qualidade da educação.</p> 2020-07-25T16:34:01+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15946 A PRODUÇÃO ACADÊMICA SOBRE O SIMAVE: MAPEAMENTO DE TESES E DISSERTAÇÕES (2000-2019) 2020-08-22T13:45:54+00:00 Paulo Henrique Arcas paulo.arcas@ufla.br Regilson Maciel Borges regilson.borges@ufla.br <p>Este artigo apresenta a primeira fase de uma pesquisa em andamento sobre a avaliação em larga escala de Minas Gerais, que se constituiu no mapeamento e análise preliminar da produção acadêmica sobre o SIMAVE de 2000 a 2019. O levantamento foi feito em dois repositórios que congregam pesquisas desenvolvidas em todo o país. Foram encontrados 116 trabalhos, 17 teses e 99 dissertações. Uma análise preliminar dos dados permitiu identificar a existência de uma diversidade de focos dos estudos em diferentes áreas do conhecimento, demonstrando que a avaliação permeia e se ramifica desde as salas de aulas até a gestão do sistema.</p> 2020-08-09T00:36:05+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16273 IMPLICAÇÕES DAS AVALIAÇÕES EM LARGA ESCALA NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REVISÃO DE LITERATURA 2020-08-22T17:13:45+00:00 Olhar de Professor olhardeprofessor@uepg.br Cristiane Machado cristiane13machado@yahoo.com.br Aline Gabriele Pereira cristiane13machado@yahoo.com.br <p>Este artigo apresenta resultados de estudo de revisão bibliográfica que teve o objetivo de analisar as implicações das avaliações em larga escala nas escolas de educação básica. Foram selecionados 12 artigos em um levantamento, realizado no Portal de Periódicos da Capes, que localizou 118 artigos. Concluiu-se que evidências da centralidade da avaliação em larga escala no cotidiano escolar podem ser notadas, dentre outras, por iniciativas pedagógicas de treino dos alunos para as provas, pela intensificação do trabalho docente e imposição às escolas de responsabilização dos seus resultados, pela ocultação das desigualdades educacionais produzidas pelos contrastes econômicos e sociais próprios da histórica ocupação territorial desordenada dos municípios brasileiros e pelo processos de exclusão de alunos de inclusão.</p> 2020-08-09T00:41:22+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15616 O DESAFIO DA CONSTRUÇÃO DE UM MODELO ALTERNATIVO DE AVALIAÇÃO EXTERNA EM LARGA ESCALA DA APRENDIZAGEM: UM DESAFIO, SIMULTANEAMENTE, CONCEITUAL, TÉCNICO E POLÍTICO COMO PONTO DE APOIO PARA O SUCESSO DE TODOS OS ALUNOS 2020-08-22T17:57:58+00:00 Michelly Francini Brassaroto do Amaral mfrancini@hotmail.com Ocimar Munhoz Alavarse ocimar@usp.br Fernando Augusto Silva fernandofas1985@gmail.com <p>Neste artigo, parte-se do reconhecimento da centralidade que as avaliações externas em larga escala da aprendizagem assumiram nas políticas educacionais nas últimas décadas e problematiza-se a relação com a denominação genérica de avaliação externa, indicando que em alguns casos essa expressão sequer significa avaliação e, em outros, não se trata de avaliar aprendizagem. Depois, são apontadas limitações em relação ao modelo vigente, sobretudo no que tange ao envolvimento de professores e elementos que poderiam compor um modelo de avaliação externa da aprendizagem associado à formação dos professores em avaliação educacional, destacando as teorias em torno da validade e da avaliação democrática. Finalizando são apresentados relatos de uma experiência em Moçambique similar ao modelo alternativo proposto, com a valorização da conceituação, das condições e das características que uma avaliação da aprendizagem, externa ou interna, deve possuir para se colocar como ponto de apoio para o sucesso de todos os alunos.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: avaliação da aprendizagem; avaliação externa; política educacional</p> 2020-08-09T00:45:40+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/14869 AVALIAÇÕES EM LARGA ESCALA: IMPACTOS NA ATUAÇÃO DO PROFESSOR COORDENADOR PEDAGÓGICO 2020-09-28T12:46:39+00:00 Maria Aparecida Rodrigues da Rocha maria@eng.ufmg.br Vera Lúcia Nogueira vlnogueira2010@gmail.com <p class="western" style="margin-bottom: 0cm; line-height: 100%;" align="justify"><span style="font-family: Arial, serif;">Em um contexto de medidas de descentralização e de difusão da ideia de autonomia administrativa e pedagógica das instituições escolares públicas, sobretudo a partir dos anos de 1990, tem se ampliado o controle do Estado por intermédio dos testes em larga escala. P</span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, serif;">ercebe-se a implementação de mecanismos de avaliação das instituições educacionais por meio de provas estandardizadas com publicização dos resultados, elaboração de </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, serif;"><em>rankings</em></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, serif;"> e maior responsabilização dos profissionais da educação. E</span></span><span style="font-family: Arial, serif;">ste trabalho </span><span style="color: #111111;"><span style="font-family: Arial, serif;">expõe resultados encontrados em uma pesquisa desenvolvida em nível de Mestrado </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, serif;">na Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte </span></span><span style="color: #111111;"><span style="font-family: Arial, serif;">e tem como </span></span><span style="font-family: Arial, serif;">objetivo</span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, serif;"> discorrer sobre os impactos das avaliações em larga escala na atuação do Professor que atua como Coordenador Pedagógico (PCP). Para atingir os objetivos propostos foi utilizada</span></span><span style="color: #111111;"><span style="font-family: Arial, serif;"> a abordagem qualitativa e como técnica de coleta de dados a entrevista semiestruturada. Participaram da pesquisa 6 PCP que apontaram diferentes percepções em relação ao impactos das avaliações externas em seu cotidiano. </span></span></p> 2020-08-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15636 POLÍTICAS EDUCATIVAS DE LA NUEVA GESTIÓN PÚBLICA EN PERÚ: LOS DOCENTES EN LA CULTURA DE LA PERFORMATIVIDAD 2020-10-08T21:12:38+00:00 Bethzabé Cotrado bethzabe.cotrado@e-campus.uab.cat <p>O objetivo é analisar a construção da cultura da performatividade a partir da configuração das políticas educacionais da Nova Gestão Pública (NGP) no Peru. O estudo realizado no âmbito de uma metodologia qualitativa compreende duas etapas. Primeiro, são identificadas três disposições políticas do NGP que atualmente regulam o ambiente educacional peruano: descentralização e autonomia da gestão educacional, avaliações padronizadas do aproveitamento da aprendizagem e bônus econômicos. Segundo, são examinadas entrevistas com onze atores educacionais da região de Puno, a fim de conhecer suas experiências pedagógicas e entender seus processos de identidade. Os resultados mostram que a incorporação das medidas políticas do NGP promoveria o desenvolvimento de práticas performativas sustentadas na eficácia, competitividade e melhoria dos resultados da aprendizagem.</p> 2020-10-08T00:49:43+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15326 POLÍTICAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO PARA A ALFABETIZAÇÃO: O QUE MUDA COM A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC)? 2020-10-08T21:12:37+00:00 Graciele Lipsuch GracieleLipsuch@outlook.com Michelle Fernandes Lima mfernandeslima@yahoo.com <p>Neste artigo, a problemática central delineada passa pela compreensão das mudanças nas políticas de avaliação após a aprovação da BNCC em 2017. Inicialmente, os marcos das políticas de alfabetização são apresentados, enfatizando as aprovadas após a BNCC, também se aponta o referencial teórico em relação à temática. Na segunda seção, os documentos que norteiam o Programa Mais Alfabetização (2018); a Política Nacional de Alfabetização - PNA (2019); e o Programa Tempo de Aprender (2020) são analisados para entender como a política de avaliação em larga escala está configurada para a etapa da alfabetização. Identifica-se que os recentes documentos aprovados que foram analisados apresentam uma relação direta com as políticas de avaliação e, consequentemente, com os mecanismos de controle e responsabilização docente. Também são observados um processo de antecipação da alfabetização e mecanismos de controle para o alcance de melhores índices dessa etapa, que vêm ganhando centralidade nas políticas educacionais atuais.</p> 2020-10-08T00:53:58+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15211 ESCOLAS CHARTER, CONTRATOS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO EXTERNA: O IDEB COMO CLÁUSULA CONTRATUAL 2020-10-21T21:13:10+00:00 Henrique Nazareth h_diasunirio@yahoo.com.br <p>O artigo analisa uma proposta para educação goiana inspirada nas <em>charter schools</em>. O modelo <em>charter,</em> criado nos Estados Unidos da América, assume diferentes desenhos, tendo como características comuns a gestão privada com financiamento público. O Brasil, há décadas convive com políticas semelhantes de privatização, porém, recentemente o movimento pró-<em>charter </em>ganhou força, apresentando o modelo como inovador e exemplo a ser adotado. A proposta goiana se apresenta como capaz de melhorar o IDEB por meio da desburocratização e privatização da gestão, por isso o objetivo do artigo é analisar o papel da avaliação externa no programa<em>.</em> A avaliação externa tem sido um pilar importante nas políticas públicas educacionais recentes. Mais do que avaliar redes de ensino para subsidiar a formulação de políticas, os indicadores de resultados são ferramentas estratégicas do discurso que relaciona qualidade da educação aos resultados dos exames. No caso dos contratos de gestão, os índices de proficiência transformam-se em cláusulas contratuais, aprofundam a responsabilização e servem de justificativa para a adoção do programa. A principal questão que conduziu os caminhos da pesquisa foi: de que maneiras a associação entre avaliação externa e contratos de gestão podem contribuir para o aprofundamento da responsabilização das escolas por seus resultados? Partindo da pergunta foi realizada uma análise documental dos editais e minutas de contratos, que apontam que o programa poderia representar um aprofundamento da responsabilização via avaliação externa, com a gestão escolar e o trabalho docente mais orientados para resultados.</p> <p>Palavras-chave: Escola <em>charter; </em>Público e privado na educação; Avaliação externa; Organizações sociais e educação; responsabilização.</p> 2020-10-21T01:02:22+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16918 ENTREVISTA COM SANDRA ZÁKIA: REFLEXÕES SOBRE AS AVALIAÇÕES EM LARGA ESCALA E SEUS EFEITOS NO CONTEXTO EDUCACIONAL 2020-10-21T21:13:09+00:00 Elismara Zaias Kailer zaias.elismara@gmail.com Clicia Buhrer Martins cliciabuhrermartins@gmail.com <p>Não há resumo por se tratar de entrevista</p> 2020-10-21T01:14:01+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16811 AVALIAÇÕES EM LARGA ESCALA E A INTRÍNSECA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO 2020-10-21T21:13:08+00:00 Sonia Maria de Sousa Fabrício Neiva neiva@uft.edu.br Eliana Gonçalves da Silva Fonseca eliana.fonseca@uft.edu.br <p>O objetivo deste artigo é refletir sobre as avaliações em larga escala como políticas públicas e a relação dessas avaliações com o currículo como mecanismo para fortalecer a ação regulatória do Estado, com base nas ideias preconizadas pelo neoliberalismo. Como metodologia, utiliza-se o enfoque argumentativo de caráter bibliográfico: Afonso (2009), Bonamino e Sousa (2012), Burbules e Torres (2004), Corazza (2005), Gimeno Sacristán (2013), Libâneo (2019), entre outros, fundamentam o estudo. Nessa perspectiva, currículo e avaliação não se resumem à prescrição de conteúdos ou competências, tampouco a exames ou testes em momentos pontuais, pois percorrem uma educação emancipatória e desvinculada das vertentes gerenciais.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Avaliações em larga escala; Currículo; Educação básica; Qualidade.</p> 2020-10-21T01:22:56+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15593 POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS IMPLICADAS NO BOM DESEMPENHO EM CIÊNCIAS NO PISA: UM ESTUDO COMPARATIVO BRASIL, SINGAPURA E FINLÂNDIA 2020-10-21T21:13:08+00:00 Juliane Buhler julianebuhler@gmail.com Patrícia Ignácio patriciaignacio.furg@gmail.com <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>Os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) vêm sendo utilizados para promover investigações e debates sobre as práticas e políticas públicas desenvolvidas em países com desempenhos exitosos. Na esteira destas investigações, o objetivo do estudo foi pesquisar as Políticas Públicas Educacionais envolvidas no Ensino de Ciências implementadas em Singapura, na Finlândia e no Brasil. Sob o prisma da educação comparada, tomou como corpus de análise: artigos, teses e dissertações; documentos legais dos países em estudo; e relatórios da OCDE. Os achados da pesquisa mostram que, Singapura e Finlândia: a) possuem sistemas educacionais descentralizados e currículos flexíveis; b) investem mais de 9.000 USD por estudante; c) fortalecem a interação escola e universidade; d) priorizam à formação docente; e) apresentam uma atraente carreira docente.</p> </div> </div> </div> 2020-10-21T01:25:23+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15825 A PRESCRIÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA A REDAÇÃO DO ENEM 2020-11-20T21:14:12+00:00 Bruna Costa Silva brunacostascb@gmail.com Gabriela Belo da Silva gabesigo@gmail.com Regina Celi Mendes Pereira reginacmps@gmail.com <p style="margin-bottom: 0cm; border: none; padding: 0cm; line-height: 108%;" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><strong>: </strong>Esta pesquisa tem como propósito de investigação a análise do trabalho prescrito a partir dos documentos oficiais que visam direcionar a atividade do professor de Língua Portuguesa no contexto do ENEM. Nesta pesquisa qualitativa de caráter documental, elegemos, como objeto de análise, a Matriz de Referência para a redação do ENEM, documento que orienta a correção da redação produzida no exame. Para tanto, apoiamo-nos nas noções apresentadas por Amigues (2004), Machado (2009), Souza-e-Silva (2004), Shohamy (2006) e Rajagopalan (2013), visando discutir as relações que se estabelecem no desenvolvimento do trabalho docente a partir das novas demandas do ensino, as quais influenciam e são influenciadas por políticas linguísticas. As análises dos documentos indicam que, ao funcionar como parâmetro para a avaliação das redações, o documento acaba exercendo influência no direcionamento da metodologia utilizada pelo professor de LP, que deve promover o desenvolvimento das competências necessárias ao bom desempenho na prova.</span></span></span></p> 2020-11-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/14944 AS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS AVALIATIVAS EM MATEMÁTICA DE UM GRUPO DE PROFESSORES DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL E SUAS RELAÇÕES COM A PROVA BRASIL 2020-11-20T21:14:12+00:00 Ildenice Lima Costa ildenicelc@gmail.com Cleyton Hércules Gontijo cleyton@unb.br <p>O presente artigo visa analisar as concepções e as práticas avaliativas em matemática dos docentes dos anos iniciais de uma escola pública no Distrito Federal - Brasil, a partir de um estudo de caso no qual os participantes da pesquisa foram os professores do 5º ano desta instituição. A utilização de entrevistas semiestruturadas, questionários, roteiros de observações e análise documental permitiram a captação dos dados para a análise qualitativa. Ponderamos acerca da necessidade de ampliar as concepções dos docentes sobre o uso das avaliações em matemática, por meio de ações de formação continuada, a fim de superar: as dimensões curriculares propostas pelos descritores das avaliações em larga escala, a alienação dos docentes e a transmissão mecanizada de conhecimentos.</p> 2020-11-20T01:28:10+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15599 AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) E AS REPERCUSSÕES POLÍTICO-PEDAGÓGICAS NA REDE MUNCIPAL DE ENSINO DE CURITIBA/PR 2020-11-20T21:14:11+00:00 Raquel Angeli quelangeli@hotmail.com Maria Iolanda Fontana maria.iolanda.fontana@gmail.com <p>O artigo discute a Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) no contexto das políticas educacionais de alfabetização e das avaliações em larga escala no Brasil. O objetivo é analisar as repercussões da ANA em ações político-pedagógicas adotadas pela Secretaria Municipal da Educação de Curitiba (SME), para a superação dos insuficientes níveis de leitura e escrita na sua rede de escolas. Trata-se de uma pesquisa quanti-qualitativa, que analisa resultados do INEP sobre a ANA e o conteúdo das entrevistas realizadas com coordenadores e pedagogos da SME. Conclui-se que a mantenedora reconhece como principal política para elevar a aprendizagem da alfabetização a formação continuada baseada nas Diretrizes Curriculares Municipais de Curitiba, justificando que os conteúdos coincidem com os aferidos pela ANA. Constata-se que a formação continuada não enfatiza a avaliação da aprendizagem articulada aos dados diagnósticos da ANA e às demandas político-pedagógicas do contexto escolar.</p> 2020-11-20T01:43:47+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15197 DESAFIOS E CONTRADIÇÕES DE PROFESSORES DA PARAÍBA ACERCA DA INCLUSÃO E DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO 2020-08-22T20:22:59+00:00 Juliana Medeiros Fernandes julianamedeiros91@hotmail.com Munique Massaro munique@ce.ufpb.br <p>O objetivo desta pesquisa é analisar a percepção de professores acerca da inclusão e do Atendimento Educacional Especializado nas escolas municipais do Estado da Paraíba. Assim, foi realizada uma entrevista semiestruturada com duas professoras do ensino regular e duas professoras do Atendimento Educacional Especializado. Após as entrevistas, elas foram transcritas e analisadas a partir de temas de análise. A partir deste estudo percebe-se a necessidade de os profissionais trabalharem de forma mais colaborativa a fim de favorecer a aprendizagem de alunos público-alvo da Educação Especial e promover a inclusão. Ademais, evidenciou-se que as professoras não têm formação específica e conhecimento de suas responsabilidades, além de se mostrarem resistentes a ideia de que a responsabilidade do sucesso ou fracasso dos alunos são de todos os profissionais da escola.</p> 2020-06-17T14:11:45+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/14763 DIVERSIDADE E DEFICIÊNCIA: DISCURSOS DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE O PROCESSO DE INCLUSÃO EM ESCOLAS DE ENSINO COMUM 2020-08-24T00:58:33+00:00 Érica Fernanda Moreira Dias erica-fmd@hotmail.com Josiane Peres Gonçalves josianeperes@zipmail.com.br Mirella Villa de Araujo Tucunduva da Fonseca mirella.tucunduva@gmail.com <p>O objetivo do estudo é refletir sobre as representações sociais de familiares, professores e gestor de uma escola sul-mato-grossense que atende alunos com necessidades educacionais especiais, nos anos iniciais de Ensino Fundamental, sobre o processo de inclusão desses alunos. O referencial teórico inclui discussões sobre diversidade, desigualdade e representações sociais. A coleta de dados foi realizada a partir da elaboração de roteiros semiestruturados, que serviram de base para a realização de entrevistas, que foram gravadas em áudio, transcritas e finalmente analisadas. Os resultados apontam que, apesar de as pessoas entrevistadas serem a favor da educação inclusiva, esse processo deve ser mais bem planejado para atingir aos objetivos. Os familiares de crianças com deficiência denunciam que é preciso vencer o preconceito dentro da escola, para que não se torne um empecilho no processo de ensino e aprendizagem desses alunos especiais que estão inseridos em classes de ensino comum.</p> 2020-06-30T13:06:48+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/14899 DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL REMEMORANDO SUAS INFÂNCIAS: O PERIGO DA IDEALIZAÇÃO DO QUE SEJA SER CRIANÇA 2020-07-09T18:16:52+00:00 Jónata Ferreira de Moura jonatamoura@hotmail.com <p>O objetivo deste artigo é analisar as visões de seis professoras da Educação Infantil da rede municipal de Imperatriz/MA sobre infância e criança na contemporaneidade, tomando como fonte suas narrativas orais. Realiza-se uma investigação do tipo biográfica, com uso de Entrevistas Narrativas à seis professoras, como dispositivo para produção dos dados, as quais foram analisadas a partir da proposta de Fritz Schütze (2011). Suas narrativas desvendam suas experiências como criança e mostram muito do que pensam sobre infância, apresentando indícios do que, para elas, é ser criança na contemporaneidade. Conhecer as trajetórias de vida de professores é fundamental para quem atua como formador nos cursos de formação de professores, pois se trata de, dentre tantas coisas, possibilitar a desmistificação de uma infância ideal, de um modelo de criança, possibilitando que eles (re)pensem o que seja ser criança na contemporaneidade para não caírem na falsa ideia da idealização.&nbsp;</p> 2020-07-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15176 A LINGUAGEM E A CONSTRUÇÃO DO REAL PELA CRIANÇA: CONTRAPONTOS ENTRE LEV S. VYGOTSKY E JEAN PIAGET 2020-09-25T01:26:42+00:00 Mériti de Souza meritisouza@yahoo.com.br Diana Carvalho de Carvalho dianacc@terra.com.br <p>As teorias formuladas por Piaget e Vygotsky exerceram grande influência na formação de professores e debates sobre alfabetização, no Brasil, ao longo do século XX. Os contrapontos entre esses autores sobre a relação entre linguagem e construção do real pela criança é o foco do presente artigo, especialmente, no que diz respeito às diferenças entre desenvolvimento e aprendizagem e pensamento e linguagem. Compreende-se que a linguagem possibilita a comunicação com o outro e consigo mesmo, na medida em que viabiliza a materialização da nossa sensibilidade e a codificação e sistematização da realidade; a sua codificação passa, não só pelo domínio, mas, sobretudo, pela apreensão e recriação desse código linguístico.</p> 2020-07-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15041 O PAPEL DA MOBILIDADE INTERNACIONAL NA FORMAÇÃO DOCENTE: ESTUDO COMPARADO ENTRE BRASIL E PORTUGAL 2020-11-11T12:54:32+00:00 Vlademir Marim marim@ufu.br Letícia Araújo Rodrigues leticiaucufu@gmail.com <p>Este trabalho é resultado de uma investigação cujo objetivo geral consiste em analisar as convergências e divergências entre as mobilidades internacionais do Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI), do Programa Ibero-Americanas e do Programa Erasmus, presentes na formação docente e que são desenvolvidas em Portugal. Como metodologia de pesquisa utilizamos a metodologia comparada, composta das fases: Descritiva, Interpretativa, Justaposição e Comparativa. A partir da análise dos dados percebemos a importância das políticas públicas de incentivo à formação docente, posto que estas auxiliam as instituições responsáveis pela qualificação destes profissionais a oferecerem uma formação inicial mais qualificada e que atenda novas demandas educativas da sociedade contemporânea.</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15159 LETRAS EM NÚMEROS: O QUE NOS AGUARDA NA TERCEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI? 2020-09-25T01:32:22+00:00 David José de Andrade Silva dajoas@gmail.com <p>As discussões sobre formação de professores ganharam nos últimos tempos grande destaque na pesquisa de profissionais da Pedagogia e, mais especificamente, na Linguística Aplicada (LA). No entanto, ainda é incipiente o interesse de linguistas aplicados no que se refere à gestão dos cursos de Letras também como uma pauta relevante. O objetivo do presente texto é de analisar dados dos anos de 2001 e 2018 sobre a concorrência, o ingresso, a quantidade de matriculados e concluintes de licenciaturas em Letras, com ênfase nas habilitações de Língua Inglesa, para traçar possíveis cenários para a década de 2020. O referencial teórico baseia-se nos trabalhos de Calvo (2011), Louzano (2012), Aranha e Souza (2012), Gatti (2014) e Silva (2015). A metodologia adotada baseia-se na pesquisa bibliográfica e na análise estatística. Os resultados apontam para uma possível mudança radical nos cursos de Letras, os quais tendem as ser ofertados majoritariamente por Educação a Distância (EaD).&nbsp;</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15601 PRÁTICA DOCENTE E LITERATURA INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL I 2020-11-11T12:56:58+00:00 Fernanda Santana Rocha fesantana20@gmail.com Gleisa Alcantara gl777.alcantara@gmail.com Ana Erica Reis da Silva Kühn anaerica86@gmail.com <p>O presente estudo tem como objetivo analisar a forma como é abordada a literatura infantil em duas escolas públicas do ensino fundamental I da Bahia, uma na cidade de Barreiras e outra em Wanderley. Participaram deste estudo uma professora de cada escola. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e de campo, empregando como instrumentos o diário de campo e o questionário. Realizamos a discussão teórica com base nos pressupostos de Coelho (2000), Hunt (2010), Candido (2004), Colomer (2007), Kleiman (2002), entre outros. Apresentamos também, com base nos dados, algumas reflexões acerca do ensino da literatura infantil no ensino fundamental I, que, muitas vezes, perpassa por um viés recreativo e/ou pedagógico. Essas abordagens foram indispensáveis para o esclarecimento sobre literatura infantil e formação do leitor.</p> 2020-10-08T00:57:39+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15840 ANÁLISES DE PESQUISAS SOBRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA: A (IN)DIFERENCIAÇÃO E O PRECONCEITO 2020-10-21T21:13:07+00:00 Mara Salgado marasalgado.ms@gmail.com Divino José da Silva divino.js21@uol.com.br <p>O artigo apresenta as análises das publicações que relatam investigações empíricas de três grupos brasileiros referências para a Educação Especial Inclusiva: o <em>Laboratório de estudos sobre o Preconceito</em>, o <em>Observatório Nacional de Educação Especial</em> e o <em>Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diferença</em>. O percurso teórico-metodológico contou com a pesquisa documental bibliográfica para a seleção dos artigos e as análises apoiam-se na Teoria Crítica da Sociedade e em autores do marco temático da Educação Especial Inclusiva. Os resultados indicam duas categorias indissociáveis, a primeira diz respeito ao preconceito que atravessa as relações entre as crianças, mas também entre os professores e os alunos. A segunda refere-se à sensação de insegurança e despreparo dos professores para formularem atividades especiais e promoverem a inclusão dos alunos com necessidades especiais.</p> 2020-10-21T01:29:04+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15813 LUGARES DA MULHER NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL: ANÁLISE DE LIVROS QUE PROPÕEM UMA DISCUSSÃO DO PAPEL DA MULHER NA SOCIEDADE DE MANEIRA NÃO ESTEREOTIPADA 2020-11-20T21:14:09+00:00 Marco Atônio Bettine de Almeida marcobettine@usp.br Olivia Rall olivia.rall@gmail.com <p>Ao problematizar o discurso presente em livros infanto-juvenis a partir de um olhar feminista, baseado<br>em Linda Nicholson, Joan Scott, Guacira Lopes Louro e Paulo Freire pretende-se debater as maneiras como são representadas as mulheres na literatura, bem como os demais âmbitos sociais que as contemplam ou não, como: família, trabalho, política. Acreditando que as identidades advêm de relações construídas social e discursivamente, busca-se tematizar para desconstruir conceitos que ainda são tidos como naturais. Com o objetivo de que professores possam partir dos livros analisados para incitar os estudantes a enxergarem os personagens e o enredo por outro panorama, de modo a visar a possibilidade de emancipação do&nbsp; pensamento por parte de todos os envolvidos no processo educacional. Os resultados serão apresentados pelas categorias: Empoderamento Feminino, Participação Política, Identidade, A Mulher Emancipada e os Contos de Fadas. Visamos auxiliar professores e quem mais se propor a fazer uma leitura com o propósito de engrandecer o olhar da criança para as diferenças.</p> 2020-11-20T02:07:50+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16035 ESCOLA DA PEQUENA INFÂNCIA E ALGUNS PARADOXOS NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19 2020-09-25T01:37:35+00:00 Nayara Alves Macedo nayara_macedo@yahoo.com.br Fabiana Nery de Lima Pessanha pessanhafabi@gmail.com Carolina Silva de Alencar carolinasalencar@yahoo.com.br <p>O presente texto apresenta um diálogo sobre desafios encontrados pela escola da pequena infância no contexto da pandemia da covid-19. Nosso objetivo é discutir sobre alguns paradoxos que emergiram na atual condição de vida de crianças e suas famílias, buscando apresentar algumas reflexões sobre os novos desafios para a Educação Infantil. Reflexões estas, trazidas pelo olhar de três professoras-pesquisadoras (GARCIA, 2008) das infâncias que atuam em equipamentos públicos de educação infantil na região do leste fluminense/RJ e que têm a etnografia uma das suas principais ferramentas metodológicas em suas pesquisas. Em diálogo com alguns autores como López (2018), Kohan (2018), Zago (2000), Harvey (2020), nossos caminho foram sendo (re)construídos face um tempo de tantas incertezas.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Escola da pequena infância. Relação família-escola. Covid-19.</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16011 REFLEXÕES PEDAGÓGICAS EM TEMPOS DE PANDEMIA: ANÁLISE DO PARECER 05/2020 2020-09-25T02:03:22+00:00 Aline Daiane Nunes Mascarenhas aline_mascarenhas@hotmail.com Amelia do Rosário Santoro Franco ameliasantoro@uol.com.br <p><strong>O </strong> contexto da pandemia no cenário atual e a recente recomendação do Parecer CNE 05/2020 realiza um convite à Pedagogia enquanto campo de conhecimento dos fenômenos educativos a uma importante reflexão: que intencionalidades pedagógicas estão presentes no parecer CNE 05/2020 ao regulamentar a atividade não presencial em tempos de pandemia? Esse estudo realiza uma análise do cenário atual, a partir de uma investigação documental do Parecer CNE 05/2020 aprovado como uma diretriz legal que reorganiza o calendário escolar mediante o ensino remoto com atividades não presenciais, em razão da Pandemia da COVID-19. Após análise crítico-interpretativa constata-se que o parecer está alicerçado num princípio educativo formal-tecnicista de cumprimento das 800 horas curriculares; desconsidera as desigualdades sociais e tecnológicas presentes no território brasileiro, comete uma injustiça cognitiva, constituindo-se como uma proposta elitista, discriminatória e perversa aos alunos da escola pública.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>prática pedagógica; ensino remoto; Parecer 05/2020</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15974 ENSINO DE HISTÓRIA: ESTUDOS DOMICILIARES EM TEMPOS DE COVID-19 2020-09-25T01:41:30+00:00 Mônica Paula de Sousa Martins monica.sousa@ufersa.edu.br Rosana Paulo de Sousa rps_cat@hotmail.com <p>A presente pesquisa objetivou investigar a experiência vivenciada pelos alunos com as atividades remotas por meio de um questionamento sobre qual seria suas visões quanto às limitações durante tais atividades disponíveis na escola. O estudo foi elaborado a partir de um questionário para obter uma análise descritiva de um grupo de alunos do ensino médio, na cidade de Caucaia-Ce, que foram agrupados com base em características comuns não observáveis das experiências vivenciadas por eles com as atividades remotas durante a pandemia do COVID-19; evidenciando a indisponibilidade de tecnologias adequadas para todos, bem como a desmotivação do aluno frente à realidade de incertezas trazidas pela pandemia.</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15880 PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ALTERNATIVAS EM UM CENÁRIO EXCEPCIONAL: ALGUNS PRESSUPOSTOS DAS EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO URUGUAI 2020-09-25T01:43:18+00:00 Tania Presa taniapresa2020@gmail.com María Evangelina Méndez pedagogias2020@gmail.com Noelia Campos noe738camp@gmail.com <p>Este artigo aborda o estudo de práticas pedagógicas alternativas, presenciais, desenvolvidas no cenário de excepcionalidade devido à pandemia de COVID-19 no Uruguai. Um país que possui características particulares em termos de políticas de inclusão de tecnologia para escolas de todos os níveis há mais de dez anos. Compartilhamos uma reflexão pedagógica sobre certas suposições que denominamos mudanças da presencialidade para a virtualidade. Por fim, são apresentados alguns resultados do estudo de sistematização de experiências pedagógicas organizadas para análise nos seguintes eixos: meios e dispositivos utilizados, potencialidades e dificuldades de uso, atividades, acompanhamento de famílias, avaliação e teletrabalho professor.</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15649 ENEM DURANTE A PANDEMIA? UM ESTUDO DE CASO DAS PERCEPÇÕES DE DOCENTES DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE A REALIZAÇÃO DO ENEM 2020 2020-09-25T01:48:11+00:00 Regina Lucia Fernandes de Abuquerque albuquerquerlf@gmail.com <p>Resumo: Tem-se por objetivo mapear as percepções de professores da Rede Estadual de Educação do Rio de Janeiro sobre a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), assim como analisar o oferecimento de atividades pedagógicas não presenciais aos alunos da rede que prestariam o exame. Trata-se de estudo exploratório, com 22 professores atuantes em turmas de Ensino Médio. A coleta de dados foi realizada através de aplicação de questionário remoto, com estrutura de respostas semiestruturadas. Os resultados parciais apontaram para divergências entre os professores em relação à realização do ENEM 2020, incluindo docentes que declararam percepções distintas quanto à realização do exame, utilizando-se de justificativas similares.</p> <p>Palavras chave: Covid-19, Ensino Médio, ENEM 2020.</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15592 CORONAVÍRUS E DESIGUALDADES EDUCACIONAIS: REPOSICIONANDO O DEBATE 2020-09-25T01:50:13+00:00 Diego dos Santos Reis diegoreis.br@gmail.com <p>O ensaio traz algumas questões e apontamentos sobre o impacto do novo coronavírus nos processos educativos, com especial atenção para o aprofundamento das desigualdades educacionais em situações de emergência global. Trata-se de tensionar tanto as estratégias adotadas por instituições de ensino, com o predomínio das mediações tecnológicas e utilização de ferramentas digitais, quanto os desafios de educar democraticamente no contexto atual. Finalmente, questionamos: qual o papel e quais são os limites das práticas educativas a distância em um país marcado por desigualdades estruturais?</p> 2020-07-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15577 EXPERIENCES OF UNIVERSITY EDUCATION IN VIRTUALITY IN THE PUBLIC AND PRIVATE CONTEXT IN COLOMBIA 2020-09-25T01:52:05+00:00 Campo Elías Flórez Pabón ceflorezp@gmail.com Jenny Patricia Acevedo-Rincón pjacevedo@uninorte.edu.co <p>Colombian basic, middle and higher education is governed by the Colombian Ministry of National Education (MEN). Higher Education Institutions are entities that have official recognition to be providers of the public service of higher education in the Colombian territory, whose legal nature is characterized by being of a public or private character. The former have general guardianship control as a public establishment and the latter enjoy constitutional and legal prerogatives that, even from the same jurisprudence, have had significant development in terms of scope, to the point of pointing out that these are organizations that belong to none of the branches of public power or private universities (2020).&nbsp;The current health crisis reveals the digital gap that was immersed in the Colombian educational system. According to the Ministry of Science and Technology -MINTIC, the digital gap is recognized as the socioeconomic difference between those communities that have access to ICTs and those that do not, in addition to the differences between groups according to their ability to use ICTs effectively, due to the different levels of literacy and technological capacity (MINTIC, 2019).&nbsp;Furthermore, this context implies that the digital gap is not closed in Colombia, as evidenced by the report on the digital gap monitoring project presented by MINTIC, but that until now the data on the digital divide is being configured to take action, idea that would be developed in this annuity. Despite this reality, the decision made worldwide was to continue with online classes regardless of the socioeconomic reality of the inhabitants in any region, and Colombia was no exception. Next, two experiences are described, developed in Colombian public and private universities, which are constituted in virtual training actions that incorporate methodological innovations in the development of classrooms in the human and exact sciences. From this reality, the experiences of the University of Pamplona and the University of the North in public and private virtuality are presented, respectively.</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15510 CONVIVÊNCIA VIRTUALIZADA ENTRE ESCOLA E LAR EM TEMPOS DE PANDEMIA: UMA REFLEXÃO SÓCIO-EDUCATIVA 2020-09-25T01:53:38+00:00 Pablo Nahuel Di Napoli pablodinapoli@filo.uba.ar <p>Neste 2020 estamos vivendo um momento excepcional, partindo de uma situação inédita que, apesar de haver sido escrita em vários roteiros de cinema, nunca havíamos enfrentado. Vivenciamos um distanciamento sócio-corporal enquadrado em uma política global de quarentena preventiva que tem perturbado instituições sociais, estilos de vida e sensibilidades subjetivas. Uma dessas instituições é a escola, que pela primeira vez em sua história foi forçada a fechar suas portas físicas inoportunamente. Neste pequeno ensaio me pergunto como, nestes tempos de pandemia, a convivência espaço-tempo da escola e do lar é reconfigurada com base em três aspectos: temporalidade escolar, formato escolar e contextos de desigualdade educacional. Eu interpreto que a ausência da materialidade da escolaridade torna seu potencial ainda mais visível.</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15441 APROXIMAÇÕES E REFLEXÕES DIANTE DA “PEDAGOGIA DO VÍRUS” 2020-09-25T01:57:20+00:00 Isabela Pereira Lopes isabelaufrj@gmail.com <p>RESENHA DO LIVRO “A CRUEL PEDAGOGIA DO VÍRUS”. PORTUGAL: EDIÇÕES ALMEDINA, 2020, DE BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS.</p> 2020-06-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16146 (RE)PENSANDO O NOVO NORMAL APÓS A PANDEMIA DA COVID-19: A REALIDADE DOS LICENCIANDOS EM QUÍMICA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA 2020-10-08T21:12:39+00:00 Franklin Kaic Dutra-Pereira franklinkaic@gmail.com Rafaela dos Santos Lima limasrafaa@gmail.com Michele Marcelo Silva Bortolai michelemsb@ufrb.edu.br <p>O surgimento da pandemia provocada pela COVID-19 trouxe à realidade uma face de incertezas, medos, reflexões. Diante desse cenário assustador, a sociedade precisou se (re)iventar e passamos a viver o “novo normal”. O atual conceito de normalidade alterou o campo social e o educacional, trazendo o ensino remoto para a realidade da educação brasileira. O ensino remoto, diferentemente da Educação a Distância, pode contribuir para o aumento das desigualdades sociais, uma vez que não considera questões básicas de acessibilidade. Neste estudo, buscamos discutir o contexto diverso e vulnerável dos licenciandos do curso de Licenciatura em Química de uma Instituição de Ensino Superior da Bahia, para atendimento em um curso de extensão <em>on line</em>. Para tanto, enviamos questionários aos estudantes, com o objetivo de investigar condições de acesso remoto às Tecnologias Digitais. Os dados levantados revelaram que parte dos estudantes possuem dificuldades de acesso a distância aos recursos digitais.</p> 2020-10-08T00:42:33+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16175 EDUCAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR EM TEMPOS DE PANDEMIA 2020-10-08T21:12:39+00:00 Bruno Rafael Santos de Cerqueira bruno.cerqueira@ufabc.edu.br <p>Em meio à pandemia de COVID-19, as universidades federais brasileiras vêm buscando uma solução para o ensino não presencial. A Universidade Federal do ABC foi uma das primeiras instituições a implementar um regime remoto de ensino. O objetivo desse relato de experiência é refletir sobre esse processo de implementação, enquanto docente do ensino superior. Durante a disciplina, ministrada de forma não presencial, três elementos surgiram como obstáculos: a baixa interação, o tempo, e as questões socioemocionais. Esses aspectos tiveram grande influencia no andamento do trabalho, de modo que fizeram emergir aspectos que pontuo como aprendizados para as propostas de ensino que estão sendo elaboradas em tempos de pandemia, são eles: a garantia de inclusão dos alunos, o suporte psicológico à comunidade universitária, a expansão das disciplinas para além dos conteúdos conceituais e o oferecimento de tempo suficiente para a elaboração de propostas que garantam a qualidade de ensino para todos.</p> 2020-10-08T00:45:15+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15406 DE “A VIDA NÃO PODE PARAR” A “VOCÊ QUE LUTE”: DISCURSOS OFICIAIS, CONTRADISCURSOS E A RESISTÊNCIA DE UM CURSINHO POPULAR NA PANDEMIA DA COVID-19 2020-11-20T21:14:10+00:00 Alberto Lopo Montalvão Neto neto_19901812@yahoo.com.br Francisco Vieira da Silva francisco.vieiras@ufersa.edu.br <p>O texto reflete sobre os impactos da pandemia da Covid-19 no contexto brasileiro, a partir de um estudo descritivo-interpretativo, com base na análise de uma campanha institucional acerca da realização do ENEM no ano de 2020, de uma paródia desta campanha que circulou no Twitter e da experiência num cursinho popular na cidade de Campinas/SP. As análises mostram que o discurso oficial do atual governo está amparado numa lógica neoliberal que exclui boa parte dos candidatos ao exame, conforme se nota no contradiscurso da paródia e em uma experiência caracterizada por práticas de resistência num cursinho popular.</p> 2020-11-20T01:49:32+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16139 IX DIMA ON-LINE: UMA EXPERIÊNCIA EXITOSA EM PERÍODO DE PANDEMIA 2020-11-20T21:14:09+00:00 Eliziete Nascimento de Menezes eliziete30@gmail.com Francisco Arnaldo Lopes Bezerra arnaldobezerraph@gmail.com Maria José Costa dos Santos mazeautomatic@gmail.com <p>Este relato tem o objetivo de apresentar uma experiência de realização do evento Diálogos da Matemática com a Pedagogia em período de isolamento social em decorrência de uma pandemia mundial ocasionada pela Covid 19. Inicialmente, apresentamos o que é o DIMA, em seguida, relatamos a experiência de realizar o webinário IX DIMA em 2020, fazendo um panorama de como se deu o evento desde o planejamento, organização e execução, atendendo às orientações da OMS de isolamento social. Por fim, fazemos algumas considerações destacando pontos positivos da realização do DIMA on-line e possibilidades com o uso das tecnologias. Para encerrar nossa discussão, refletimos sobre o papel da Universidade e problematizamos sua postura diante do cenário da pandemia.</p> 2020-11-20T02:01:28+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15118 PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA 2020-09-25T01:34:20+00:00 Marcos Vinícius Guimarães de Paula marcosviniciusguimaraesdepaula@outlook.com Andréa Kochhann andreakochhann@yahoo.com.br <p>As reflexões apresentadas neste texto foram elaboradas a partir de experiências corporais inclusivas. O objetivo desse trabalho é discutir sobre a inclusão da criança com deficiência na Educação Física Escolar, por meio das práticas corporais de aventura. Em relação à metodologia, trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência e com abordagem qualitativa. Foram realizados momentos vivenciais de algumas práticas de aventura, bem como foram utilizados a fotografia e o desenho infantil para a análise dos dados. Nesse relato, compartilhamos vivências de três educandos com deficiência desenvolvidas em uma escola da rede municipal de ensino da cidade de Anápolis-Goiás. O estudo aponta que os três estudantes tiveram novas experiências corporais, sendo incluídos e tendo as suas necessidades especiais respeitadas. Destarte, pontuamos que a Educação Física na escola deve oportunizar novos movimentos e novas aprendizagens para as crianças com deficiência.</p> <p>&nbsp;</p> 2020-09-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Olhar de Professor