PROFESSORES HOMENS E DESENVOLVIMENTO DA CARREIRA DOCENTE EM PROFISSÃO VISTA SOCIALMENTE COMO FEMININA

  • Josiane Peres Gonçalves Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus de Naviraí (UFMS) http://orcid.org/0000-0002-7005-849X
  • Viviane de Souza Correia de Carvalho Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus de Naviraí (UFMS)
Palavras-chave: Representações sociais, professores homens, carreira docente, feminização do magistério.

Resumo

Considerando as representações sociais uma forma de conhecimento elaborada no senso comum e que pode influenciar escolhas e atitudes, empreendeu-se um estudo que objetivou identificar as representações sociais associadas à prática pedagógica de professores homens na educação infantil, mas também e, especialmente, nos anos iniciais do ensino fundamental. Para atingir tal propósito, foram considerados como sujeitos de pesquisa três professores homens que se encontravam em diferentes etapas de suas carreiras profissionais: um professor em formação, acadêmico do curso de Pedagogia; um professor na fase de entrada da carreira docente, atuante dos anos iniciais do ensino fundamental; e um professor aposentado, que supostamente passou por todas as etapas da carreira docente descritas por Nóvoa. Por meio da gravação de entrevistas semiestruturadas, os professores puderam falar sobre suas crenças, opiniões e carreira docente. Os resultados foram transcritos e sistematizados, sendo utilizada a análise de conteúdo para discutir os dados da pesquisa. A representação social principal em relação aos professores homens é a de que eles são mais firmes e seguros, impõem maior respeito. Também se percebeu que mesmo que as representações identificadas sejam semelhantes às da metade do século XX, quando a feminização do magistério gradativamente se intensifica, com o passar da carreira docente, os professores podem elaborar um discurso menos conservador e comparativo em relação à prática docente feminina, o que pode significar uma ênfase crescente no ensino ou nas funções da educação, em detrimento de características fundamentais atreladas ao gênero sem as quais não é possível ser um bom professor.

Biografia do Autor

Josiane Peres Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus de Naviraí (UFMS)
Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus do Pantanal (CPAN/UFMS) e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação (FAED/UFMS). Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação (GEPDGE).
Viviane de Souza Correia de Carvalho, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus de Naviraí (UFMS)
Graduada em Pedagogia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Câmpus de Naviraí (CPNV). Atuou como Bolsista de Iniciação Científica durante a graduação.
Publicado
2019-02-27
Como Citar
GonçalvesJ. P.; CarvalhoV. de S. C. de. PROFESSORES HOMENS E DESENVOLVIMENTO DA CARREIRA DOCENTE EM PROFISSÃO VISTA SOCIALMENTE COMO FEMININA. Olhar de Professor, v. 20, n. 1, p. 49-64, 27 fev. 2019.
Seção
Caderno Temático Trabalho e Profissão Docente