Algumas provocações sobre aprendizagem (e para além) para uma experiência docente em arte

Conteúdo do artigo principal

Lislaine Cansi
https://orcid.org/0000-0001-8583-5290

Resumo

Este artigo trata de uma experiência docente advinda de uma pesquisa finalizada de Mestrado em Artes Visuais, em que foi discutido sobre a poética na docência como proposta teórica para a sala de aula escolar a partir da prática do sujeito nomeado como “artista-professor”. Aqui, pretende-se fazer algumas provocações sobre a linguagem da educação, especificamente no que concerne a questões sobre aprendizagem, articulando a poética na docência a elas e apresentando a experiência docente aplicada em sala de aula escolar, com estudantes de quintos anos de um colégio privado confessional cristão, por meio de uma prática educativa que teve como temática a Arte Moderna, restrita à Arte Abstrata. Como fundamentação teórico-metodológica serão utilizadas as vozes de autores como Biesta (2013), Larrosa (2015), Barros (1994), Arendt (2010; 2016), Kohan (2013), Osinski (2001) e Duarte Jr. (2000). Por fim, foi reconhecido que a arte abstrata possui características distintas e que há nela o pensamento da arte proposto pelo “artista-professor”, sujeito desvelado na pesquisa de mestrado.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
CANSI, L. Algumas provocações sobre aprendizagem (e para além) para uma experiência docente em arte. Olhar de Professor, [S. l.], v. 25, p. 1–18, 2022. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.25.17351.009. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17351. Acesso em: 25 jun. 2022.
Seção
Experiências Pedagógicas
Biografia do Autor

Lislaine Cansi, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (PPGE/UFPel). Artista e professora de Artes Visuais.

Referências

ANDRADE, M. S. de. Ensinante e aprendente: a construção da autoria de pensamento. Construção psicopedagógica, São Paulo, v. 14, n. 11, dez. 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-69542006000100005&lng=pt&nrm=iso Acesso em: 11 mar. 2017.

APRENDIZAGEM. Disponível em: http://origemdapalavra.com.br/site/palavras/aprendizagem/ Acesso em: 09 mar. 2017.

ARENDT, H. A condição humana. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARENDT, H. A crise na Educação. In: ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Editora Perspectiva, 2016, p. 131 - 146. Disponível em: https://docero.com.br/doc/8n58180 Acesso em: 09 mar. 2017.

BARBOSA, A. M. As mutações do conceito e da prática. In: BARBOSA, A. M. (Org.). Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2012, p. 13 - 27.

BARROS, M. de. O livro das ignorãças. São Paulo: Civilização Brasileira, 1994.

BAUMAN, Z. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BERGANTINI, L. P. Sinestesia nas artes: relações entre ciência, arte e tecnologia. ARS, ano 17, n. 35, p. 225-238, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2019.151267 Acesso em: 11 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2019.151267

BIESTA, G. Para além da aprendizagem: Educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

BLOCH, E. O princípio esperança I. Rio de janeiro: Ed UERJ Contraponto, 2005.

CANSI, L. S. Poética na docência [corpo e território]. 2016. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Centro de Artes, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016. Disponível em: http://guaiaca.ufpel.edu.br/handle/prefix/3680 Acesso em: 05 maio 2016.

CANTON, K. Narrativas Enviesadas. Coleção: Temas da Arte Contemporânea. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

DELEUZE, G. In: BOUTANG, P.-A. O Abecederário de Gilles Deleuze. Entrevistas feitas com Gilles Deleuze por Claire Parnet e filmadas nos anos 1988-1989. Montpamasse, 1997. (vídeo). Online. Transcrição completa do vídeo disponível em: http://stoa.usp.br/prodsubjeduc/files/262/1015/Abecedario+G.+Deleuze.pdf Acesso em: 05 jan. 2015.

DUARTE JR., J. F. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253464 Acesso em: 01 jul 2014.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

KOHAN, W. O. Notas para uma política do aprender. In: Congresso de Educação Básica: Qualidade na Aprendizagem (COEB). Florianópolis: Prefeitura Municipal de Florianópolis, 2013, p. 1 - 6.

LARROSA, J. Tremores. Tradução de Cristina Antunes e João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. Em defesa da escola: uma questão pública. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

OSINSKI, D. R. B. Arte, História e Ensino: uma trajetória. São Paulo: Cortez, 2001.

PRETTE, M. C. Para entender a arte: história, linguagem, época, estilo. São Paulo: Globo, 2008.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lilian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

REQUIÃO, R. A. Na literatura (como na arte), a experiência do viver com: algumas passagens. Paralelo 31, edição 01, p. 108-127, dez. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/paralelo/article/view/3950 Acesso em: 16 ago. 2015.