DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL REMEMORANDO SUAS INFÂNCIAS: O PERIGO DA IDEALIZAÇÃO DO QUE SEJA SER CRIANÇA

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as visões de seis professoras da Educação Infantil da rede municipal de Imperatriz/MA sobre infância e criança na contemporaneidade, tomando como fonte suas narrativas orais. Realiza-se uma investigação do tipo biográfica, com uso de Entrevistas Narrativas à seis professoras, como dispositivo para produção dos dados, as quais foram analisadas a partir da proposta de Fritz Schütze (2011). Suas narrativas desvendam suas experiências como criança e mostram muito do que pensam sobre infância, apresentando indícios do que, para elas, é ser criança na contemporaneidade. Conhecer as trajetórias de vida de professores é fundamental para quem atua como formador nos cursos de formação de professores, pois se trata de, dentre tantas coisas, possibilitar a desmistificação de uma infância ideal, de um modelo de criança, possibilitando que eles (re)pensem o que seja ser criança na contemporaneidade para não caírem na falsa ideia da idealização. 

Biografia do Autor

Jónata Ferreira de Moura, Universidade Federal do MaranhãoCentro de Ciências Sociais, Saúde e Tecnologia
Doutor e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade São Francisco. Especialista em Educação Infantil pela Faculdade de Educação Santa Terezinha. Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal do Maranhão e em Matemática pela Universidade Estadual do Maranhão. Docente da Universidade Federal do Maranhão (CCSST/UFMA), atuando no curso de Pedagogia. Membro da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) e da Associação Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica (BIOGraph).
Publicado
2020-07-09
Como Citar
MouraJ. F. de. DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL REMEMORANDO SUAS INFÂNCIAS: O PERIGO DA IDEALIZAÇÃO DO QUE SEJA SER CRIANÇA. Olhar de Professor, v. 23, p. 1-14, 9 jul. 2020.