UM OLHAR SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI À EDUCAÇÃO DE SURDOS

Palavras-chave: educação de surdos, teoria vigotskiana, inclusão escolar.

Resumo

A Educação de Surdos foi amplamente discutida na história da educação com argumentos apresentados por cada estudioso de áreas diferentes, baseados por filosofias e princípios educacionais que indicaram a melhor proposta para educação de surdos para cada época. Atualmente, as discussões estão voltadas com novos olhares para este fenômeno, que, apesar de todos os debates já realizados, ainda há o que se compreender e, efetivamente aplicar na educação de surdos. Vigotski é um dos maiores teóricos da Psicologia, denominada de sócio-histórica, e com grandes contribuições sobre a Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento, além da Educação. Aliado a isto, surge o questionamento: quais as contribuições de Lev Vigotski para a Educação de Surdos dentro de seus pressupostos básicos e dos Fundamentos de Defectologia. Em sua obra, Vigotski abre espaço para discussão das pessoas com deficiência e claro, para a educação de surdos. Portanto, são objetivos deste trabalho apresentar os principais conceitos da teoria de Vigotski; expor os fundamentos da Defectologia e relacionar a obra de Vigotski com a educação de surdos. Para alcançar estes objetivos, foi realizada uma pesquisa bibliográfica de textos do autor e releituras, além do arsenal teórico sobre a Educação de Surdos. Como resultados deste estudo, apontamos para as contribuições de Vigotski para a Educação de Pessoas com deficiência ao trazer conceitos de compensação social, deficiência primária e secundária e os caminhos alternativos do desenvolvimento. Especificamente sobre a Educação de Surdos, Vigotski aponta o lugar da linguagem neste desenvolvimento e faz uma crítica aos métodos oralistas.

Biografia do Autor

Daniele Siqueira Veras, Universidade Federal da Paraíba
Doutoranda em Psicologia Cognitiva (UFPE). Mestre em Saúde da Comunicação Humana pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Pós-graduada em Língua Brasileira de Sinais pela Faculdade Internacional Signorelli (FISIG -RJ), Graduação em Fonoaudiologia pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Licenciada em Letras com Habilitação em Libras (UFPB). Possui Técnico em Intérprete/Tradutor de Libras pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco através da Escola Técnica Estadual Almirante Soares Dutra (ETEASD) e o Curso de Tiflologia/Braille pelo Centro de Apoio Pedagógico ao Deficiente Visual de Pernambuco. Audiodescritora formada pela Associação Pernambucana de Cegos. Atualmente é Professora da Faculdade São Miguel, Recife, no curso de Licenciatura em Letras e coordenadora do curso de Fonoaudiologia, bem como professora da Faculdade Maurício de Nassau no curso de Pedagogia, em Caruaru -PE; Áreas de interesse: Linguagem, Leitura, Educação Inclusiva, Libras e Braille. 
Ana Cristina Silva Daxenberger, UFPB
Pedagogia pelo Centro Universitário Fundação Santo André (1991), mestrado em Educação pela Universidade Metodista de São Paulo (2002) e doutorado em Educação Escolar pela Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho (2011). Atualmente é Chefe do DCFS/CCA da Universidade Federal da Paraíba, Professora Adjunta IV da Universidade Federal da Paraíba e da UAB/UFPB, curso Letras Libras. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de educadores, educação inclusiva, educação especial, comunidades quilombolas, estudos étnico. Foi Assessora do Comitê de Inclusão e Acessibilidade da UFPB entre 2014-2017, desde 2017 a atual é Representante do Comitê de Inclusão e Acessibilidade (CIA)/UFPB, sub-sede Areia/PB. Já escreveu vários artigos na área da educação especial e publicou obras na área de Educação e Etnicidade. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, Desenvolvimento Sustentável e Inclusão Social
Publicado
2019-05-02
Como Citar
VerasD. S.; DaxenbergerA. C. S. UM OLHAR SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI À EDUCAÇÃO DE SURDOS. Olhar de Professor, v. 20, n. 2, p. 252-269, 2 maio 2019.
Seção
20(2)