Uma reflexão dialógica sobre cartas argumentativas em propostas de redação do vestibular e processos seletivos seriados da UEPG

  • Meire Anne Alves Bochnia Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Resumo

Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa sobre a prova de Redação do Vestibular e do Processo Seletivo Seriado (PSS) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), que adota desde 2014 a perspectiva dos gêneros discursivos. O objetivo é verificar o tratamento conferido aos elementos principais constituintes do gênero: conteúdo temático, estilo e estrutura composicional. Para isso, a pesquisa toma como referencial teórico a concepção dialógica de linguagem proposta por Bakhtin e pelo Círculo, segundo a qual a construção de sentido acontece mediante a relação com o outro. A metodologia adotada é de natureza qualitativa e a análise dos dados partiu da pesquisa documental. A fim de realizar uma análise mais detalhada, foram selecionadas duas propostas de carta de reclamação, solicitadas no PSS III dos anos de 2015 e 2016, e outra que contempla o gênero carta de resposta à reclamação, solicitada no Vestibular de Verão de 2017. As análises empreendidas apontam para a importância de os enunciados da prova de Redação serem bem articulados e específicos sobre o quê – e como – deve ser produzido, pois quanto maior a clareza nas condições de produção fornecidas ao candidato, maiores – e melhores – oportunidades de realizar o seu “projeto de dizer” ele terá.

Biografia do Autor

Meire Anne Alves Bochnia, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
Mestre em Estudos da Linguagem (UEPG, 2018)
Publicado
2020-03-19
Seção
A linguagem nos processos seletivos para ingresso no ensino superior