Grafite em tempos da pandemia do Covid-19: uma análise folkcomunicacional a partir da arte urbana

Resumo

Com o ano de 2020 sendo marcado na História pela pandemia mundial ocasionada pelo novo coronavírus e pela enfermidade Covid-19, todos traços da sociabilidade humana foram impactados, a partir não somente da perspectiva de isolamento social, mas dos efeitos da doença e da morte. Diante desta comoção, nossa proposta é analisar como as diversas temáticas da pandemia foram abordadas a partir do sistema alternativo de comunicação não-hegemônico e popular e especificamente o grafite urbano. Como premissa, consideramos que esta forma de expressão imagética consiste um canal de Folkcomunicação, através do qual as camadas marginalizadas da sociedade ressignificam os fluxos e mensagens comunicacionais “oficiais”. A partir da análise da imagem aplicada a grafites urbanos documentados ao redor do mundo com a temática da pandemia exploramos a capacidade deste tipo de expressão em servir como ferramenta comunicacional em plano individual, coletivo e político, atuando tanto de forma aliada ao discurso hegemônico em relação às ações preventivas, como de maneira contestadora, reivindicando necessidades das classes populares e questionando do ponto de vista político a atuação de líderes nacionais na condução da pandemia.

Biografia do Autor

Marcelo Sabbatini, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutor em Teoria e História da Educação - Universidad de Salamanca (Espanha) em 2004. Pós-doutorado realizado no Programa de Extensão Rural e Desenvolvimento Local - POSMEX da Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2006.Professor Adjunto I do Departamento de Fundamentos Sócio-Filosóficos da Educação do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e professor pesquisador da Universidade Aberta do Brasil (UAB-Capes).

Publicado
2021-12-23
Como Citar
SABBATINI, M. Grafite em tempos da pandemia do Covid-19: uma análise folkcomunicacional a partir da arte urbana. Revista Internacional de Folkcomunicação, v. 19, n. 43, p. 97-126, 23 dez. 2021.