O Digital do Imaterial

estratégias de digitalização para preservação de patrimônios culturais presentes nos sinos mineiros

  • Urbano Universidade Anhembi Morumbi. Bolsista Prosup/Capes.
  • Vicente Gosciola Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumb https://orcid.org/0000-0001-6267-8130

Resumo

O artigo mostra as estratégias para a preservação de saberes e fazeres tradicionais. O objeto da pesquisa são projetos documentais transmídia que por meio da digitalização difundem expressões culturais de uma comunidade. O estudo parte da análise de dois projetos surgidos após o Iphan declarar que o Som dos Sinos e o Ofício de Sineiro são considerados Patrimônio Cultural Imaterial. O objetivo é analisar como a digitalização de patrimônios, por meio de projetos documentais transmídia, permite a preservação e a disseminação de bens culturais. Para discutir sobre documentário transmídia utilizam-se os estudos de Jenkins, Renó e Gosciola. À luz da teoria da modernidade tardia o estudo ampara-se em Giddens e Luvizotto para dissertar sobre o caráter de continuidade de tradições que são reincorporadas e reinventadas no ciberespaço.

Biografia do Autor

Urbano, Universidade Anhembi Morumbi. Bolsista Prosup/Capes.

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi. Bolsista Prosup/Capes.

Vicente Gosciola, Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumb

Pós-doutor pela Universidade do Algarve-CIAC, Portugal. Doutor em Comunicação pela PUC-SP. Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

Publicado
2021-12-23
Como Citar
LEMOS JR, U.; GOSCIOLA, V. O Digital do Imaterial. Revista Internacional de Folkcomunicação, v. 19, n. 43, p. 267-284, 23 dez. 2021.