Contribuições estratégicas da Folkcomunicação no contexto de rupturas democráticas.

  • Cristina Schmidt Faculdade Bertioga - FABE / Universidade de Mogi das Cruzes - UMC

Resumo

​ “Sopram ventos malignos no planeta azul”. Com essa frase Manuel Castells (2018) inicia uma análise dramática sobre as múltiplas crises por que passam os sistemas democráticos no mundo. Desde os países considerados potências econômicas aos subdesenvolvidos, eles se rendem ao neoliberalismo selvagem e recuam suas ações de compromisso social gerando impactos de grande retrocesso em todas as áreas: habitação, alimentação, emprego/renda, saúde, educação, cultural. Uma instabilidade que provocou levantes populares de protesto por meio de grandes mobilizações públicas em inúmeros países durante todo o ano de 2019. E é nesse contexto de rupturas e manifestações que delineamos uma reflexão para entender o papel da Folkcomunicação como método de pesquisa estratégico; seja na identificação dos atores e procedimentos comunicativos de grupos sociais de resistência, seja na utilização dos conceitos que definem os mecanismos comunicativos e as características dos grupos marginalizados. Uma reflexão com abordagem qualitativa descritiva, por meio de levantamento bibliográfico e documental, que foi desenvolvida em duas etapas: a primeira traz o contexto das manifestações em face as rupturas democráticas e, a segunda, elucida aspectos teóricos e metodológicos da Folkcomunicação que auxiliam em um descortinar estratégico. Desse modo, pudemos constatar que a Folkcomunicação é disciplina fundamental para abranger esse contexto e, ainda, esclarecer como os grupos marginalizados criam processos folkcomunicacionais de insurgência, pressão e determinação social. Folkcomunicação; Grupos Marginalizados; Democracia; Metodologia.

Biografia do Autor

Cristina Schmidt, Faculdade Bertioga - FABE / Universidade de Mogi das Cruzes - UMC
Cristina Schmidt fez pós-doutorado na Cátedra UNESCO/Umesp de Comunicação para o desenvolvimento Regional; é doutora em Comunicação pela PUC-SP; mestre em Teoria e Ensino da Comunicação e Jornalista, ambas pela Universidade Metodista-SP- Umesp. É vinculada à Rede Folkcom, Intercom e Alaic. Cristina Schmidt é Pós doutora em Comunicação Regional pela Cátedra UNESCO/Umesp. Atualmente é professora na Faculdade Bertioga - FABE e pesquisadora no Programa de Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes – UMC.
Publicado
2021-07-02