SUPRESSÃO DE CÉLULAS CANCERÍGENAS EM AUTÔMATO CELULAR - DOI: 10.5212/Publ.Exatas.v.16i2.0003

  • Kelly Cristiane Iarosz Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Robson Conrado Bonetti Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Antonio Marcos Batista Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Ricardo Luiz Viana Universidade Federal do Paraná
  • Sergio Roberto Lopes Universidade Federal do Paraná
  • Thadeu Josino Pereira Penna Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: câncer, distância de Hamming, autômato celular

Resumo

A cada ano, o câncer se torna uma das doenças com maior incidência na população mundial. Estimativas feitas pelo Instituto Nacional de Câncer mostram que, em 2010, cerca de 489.270 novos casos serão registrados somente no Brasil. Para auxiliar nos possíveis tratamentos, uma grande quantidade de pesquisas tem sido desenvolvida, abrindo respaldo para diversas tentativas de se obter modelos matemáticos que possam reproduzir acontecimentos orgânicos como a proliferação ocorrida na doença. Em geral, esses modelos mostram uma grande aproximação do que acontece, porém ressalta-se a dificuldade devida à complexidade dos mecanismos biológicos envolvidos. Usualmente, são feitas simplificações, a fim de encontrar soluções analíticas para as equações matemáticas propostas nos modelos. Apresentamos neste trabalho a proliferação do câncer por meio da infiltração de células cancerígenas em um tecido normal. Para tanto, foi utilizado um autômato celular que modela um sistema biológico, que é classificado em padrões espaço-temporais usando a distância de Hamming como diagnóstico. Com este diagnóstico, foi possível observar a supressão das células cancerígenas, variando os parâmetros do sistema.

Biografia do Autor

Antonio Marcos Batista, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Departamento de Matemática e Estatística
Publicado
2010-11-21
Seção
Artigos