O superencarceramento feminino em relação ao tráfico de drogas no Brasil (Women mass encarceration on drug trafficking in Brazil)

Conteúdo do artigo principal

Karine Cordazzo
Adrielly Ramos Lopes

Resumo

A investigação em tela pretende demonstrar que a população carcerária brasileira vem aumentando substancialmente durante os últimos anos, especialmente em relação as mulheres, por serem as mais atingidas pela Lei 11.343/06, a nova Lei de Drogas. Assim, busca-se elencar os principais motivos que as levam a adentrar no tráfico de drogas, bem como analisar seu perfil sociodemográfico e entender de que forma atuam nesse comércio ilegal. Além disso, será exposta uma breve análise crítica acerca da Lei de Drogas, notadamente em virtude da seletividade penal imbricada em suas disposições. Por fim, investiga-se também as condições das unidades prisionais em relação a sua infraestrutura e nota-se que ela é inapropriada para o corpo feminino, pois ele possui diversas especificidades amparadas por tratados internacionais de direitos humanos e princípios constitucionais. Para atingir o objetivo almejado, a metodologia de pesquisa fundamenta-se na revisão de tipo bibliográfica e documental de caráter qualitativo, desenvolvida mediante o levantamento de livros, artigos científicos e documentos que versam acerca do tema, bem como através da análise de tratados internacionais de direitos humanos e da Constituição da República de 1988.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Cordazzo, K., & Ramos Lopes, A. (2022). O superencarceramento feminino em relação ao tráfico de drogas no Brasil (Women mass encarceration on drug trafficking in Brazil). Emancipação, 22, 1–15. https://doi.org/10.5212/Emancipacao.v.22.2215458.006
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Karine Cordazzo, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Mestre em Fronteiras e Direitos Humanos pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD (2019) - Bolsista CAPES. Professora do Centro Universitário Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN).e da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Advogada. E-mail: karine.cordazzo@hotmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3465-0792

Adrielly Ramos Lopes, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Graduada em Direito pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (2019). E-mail: adrielly_rlopes@hotmail.com

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm> Acesso em: 19 ago. 2021.

BRASIL. Decreto-lei nº 3.914, de 9 de dezembro de 1941. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3914.htm> Acesso em: 19. ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Brasília, DF, 11 jul. 1984. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7210.htm>. Acesso em: 18 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Brasília, DF, 24 ago. 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm>. Acesso em: 18 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm> Acesso em: 19 ago. 2021.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Habeas Corpus nº 143.641. Relator: Min. Ricardo Lewandowski. São Paulo, 20 fev. 2018. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/HC143641final3pdfVoto.pdf>. Acesso em: 19 ago. 2021.

BRASÍLIA. CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. (Ed.). Cartilha da Mulher Presa. 2012. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/cartilha-da-mulher-presa/>. Acesso em: 19 ago. 2021.

CARLINI, Elisaldo Araújo. A história da maconha no Brasil. J. Bras. Psiquiatr., v. 55, n. 4, p. 314-317, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-20852006000400008 >. Acesso em: 19 ago. 2021.

CARVALHO, JC de. Uma história política da criminalização das drogas no Brasil: a construção de uma política nacional. VI Semana de História e III Seminário Nacional de História: Política, cultura e sociedade, 2011. Disponível em: <https://neip.info/novo/wp-content/uploads/2015/04/carvalho_histria_poltica_criminalizao_drogas_brasil.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2021.

CASTRO, Lola Anyar de. Criminologia da reação social. Rio de Janeiro: Forense, 1983.

CHERNICHARO, Luciana Peluzio. Sobre mulheres e prisões: seletividade de gênero e crime de tráfico de drogas no Brasil. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: <http://neip.info/novo/wp-content/uploads/2015/04/chernicharo_mestrado_direito_trafico_mulheres_prisoes_ufrj_2014.pdf> Acesso em: 10 jul. 2021.

CNJ. Documento Internacional nº 2010/16, de 22 de julho de 2010. Regras de Bangkok: Regras das Nações Unidas para o tratamento de mulheres presas e medidas não privativas de liberdade para mulheres infratoras. Brasília, DF, 22 jul. 2010. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2019/09/cd8bc11ffdcbc397c32eecdc40afbb74.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2021.

COSTA, Paulo Ricardo Pires. Uma breve história da criminalização das drogas nos Estados Unidos e no Brasil: uma perspectiva crítica, 2017. Disponível em: <http://bdm.unb.br/handle/10483/18575> Acesso em 15 mar. 2021.

CUNHA, Yasmin Bezerra da. A violação dos direitos humanos das mulheres grávidas no cárcere. Justificando: Mentes inquietas pensam direito. Paraíba, 27 ago. 2018. Disponível em: <http://www.justificando.com/2018/08/27/a-violacao-dos-direitos-humanos-das-mulheres-gravidas-no-carcere/>. Acesso em: 19 ago. 2021.

DORIGON, Alessandro; RODRIGUES, Paloma Renata. O art. 28 da Lei 11.343/2006: descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal. Jus, São Paulo, 11 nov. 2018. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/70974/o-art-28-da-lei-11-343-2006-descriminalizacao-do-porte-de-drogas-para-consumo-pessoal>. Acesso em: 10 jul. 2021.

INFOPEN. Infopen Mulheres. 2 ed. Organização Thandara Santos. Colaboração Marlene Inês da Rosa [et al.]. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, 2018. Disponível em: <https://conectas.org/wp-content/uploads/2018/05/infopenmulheres_arte_07-03-18-1.pdf>. Acesso em: 19 ago. 2021.

LEITE, Márcia Pereira. Preconceito racial e racismo institucional no Brasil. Diplomatique Brasil, 2012. Disponível em: <https://diplomatique.org.br/preconceito-racial-e-racismo-institucional-no-brasil/>. Acesso em: 10 jul. 2021.

MACHADO, Nara Borgo Cypriano. Usuário ou traficante? A seletividade penal na nova lei de drogas. XIX Encontro Nacional do CONPEDI, Fortaleza. Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI. Fortaleza: CONPEDI, 2010. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3836.pdf> Acesso em: 10 jul. 2021.

MELO, João Marcos Braga de. Revista íntima colabora para o alarmante aumento do encarceramento feminino. Consultor Jurídico, Conjur, p.1-1, 15 mar. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-mar-15/joao-melo-revista-intima-trafico-encarceramento-feminino>. Acesso em: 20 jun. 2021.

MORAIS, Laís. A legalização é uma ação de paz. Jusbrasil, 2013. Disponível em: <https://laiismorais.jusbrasil.com.br/artigos/112353313/a-legalizacao-e-uma-acao-de-paz> Acesso em: 02 fev. 2021.

MOTTA, Rayssa. Presas ainda são algemadas durante trabalho de parto, diz relatório. Notícias R7. Rio de Janeiro, p. 1-1. 23 mar. 2018. Disponível em: <https://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/presas-ainda-sao-algemadas-durante-trabalho-de-parto-diz-relatorio-24102018>. Acesso em: 10 ago. 2021.

MURARO, Mariel. Sistema prisional brasileiro e direitos humanos. Canal de ciências criminais, 2016. Disponível em: <https://canalcienciascriminais.com.br/sistema-prisional-2/> Acesso em: 19 ago. 2021.

OLIVEIRA, Fabio Silva de. Regras de Bangkok e encarceramento feminino. Canal Ciências Criminais. São Paulo, p. 1-2. 28 abr. 2017. Disponível em: <https://canalcienciascriminais.com.br/regras-de-bangkok-encarceramento/>. Acesso em: 19 ago. 2021.

PIMENTEL, Elaine. Amor bandido: as teias afetivas que envolvem a mulher no tráfico de drogas. In: VI Congresso Português de Sociologia. Mundos Sociais: Saberes e Práticas. Anais. Universidade de Lisboa. 2008.

QUEIROZ, Nana. Presos que menstruam. 1. ed. Rio de Janeiro. Editora Record, 2015.

ROVER, Tadeu. Juíza se antecipa ao Supremo e declara inconstitucional artigo 28 da Lei de Drogas. Consultor Jurídico, Conjur, p.1-1, 11 mar. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-mar-11/juiza-antecipa-stf-declara-inconstitucional-artigo-lei-drogas#author>. Acesso em: 10 jul. 2021.

SALLES, Marcos de. Política de drogas: conceito e breve histórico. Politize!, 2015. Disponível em: <https://www.politize.com.br/politica-de-drogas-definicao-e-breve-historico/>. Acesso em: 13 ago. 2021.

VALOIS, Luís Carlos. O direito penal da guerra às drogas. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2019.

WACQUANT, Loïc. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos EUA. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

WACQUANT, Löic. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos (a onda punitiva). 3 ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

WOLA et al (Org.). Mulheres, políticas de drogas e encarceramento: Um guia para a reforma em políticas na América Latina e no Caribe. San José: Wola, Idpc, Cim e Dejusticia, 2015. 50 p. Revisão: Celeste Baumann, Luísa Luz e Lucia Sestokas.. Disponível em: <https://www.oas.org/en/cim/docs/WomenDrugsIncarceration-PO.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2021.