O atendimento à saúde das mulheres usuárias de crack e de seus filhos recém-nascidos na Maternidade de um Hospital Universitário do Rio Grande do Sul (Health care for women who use crack and their newborn children in the Maternity Ward of a University...)

  • Ana Kelen Dalpiaz Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Paulo Antônio Barros Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Saúde Materno-Infantil, Psicoativos, Crack

Resumo

Este artigo retrata as características do atendimento à saúde das mulheres usuárias de crack e de seus filhos recém-nascidos na Maternidade de um Hospital Universitário do Rio Grande do Sul. É um estudo qualitativo e documental, que mostra as configurações da internação hospitalar, o atendimento multiprofissional e intersetorial e a organização da alta das mulheres usuárias de crack e de seus filhos recém-nascidos. Os resultados mostram que a maioria dessas mulheres internou para assistência ao parto, e que foram realizados mais partos normais do que cesarianos. Todas as mulheres e recém-nascidos foram atendidos por equipe multiprofissional, e a intersetorialidade está expressa na articulação do atendimento de alta complexidade em saúde com os demais setores da sociedade. A organização da alta hospitalar da mulher esteve focada no acesso ao tratamento para o uso de drogas, e a do recém-nascido teve como foco sua proteção, mediante o encaminhamento ao judiciário.

Biografia do Autor

Ana Kelen Dalpiaz, Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Mestrado Acadêmico em Política Social e Serviço Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Assistente Social no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. E-mail: anakelen@outlook.com.br.
Paulo Antônio Barros Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutorado em Engenharia de Produção pela UFRJ, Mestre em Educação PUC-RS; Graduado em medicina (UFRGS). Professor do Pós-graduação em Saúde Coletiva e Pós-graduação em Políticas Social e Serviço Social da UFRGS. E-mail: oliveira.pauloantonio@gmail.com.

Referências

AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Breastfeeding and the use of human milk. Pediatrics, Itasca, v. 129, n. 3, p. 127-141, 2012. Disponível em: https://pediatrics.aappublications.org/content/pediatrics/129/3/e827.full.pdf. Acesso em: 01 jun. 2019.

BASTOS, F. I.; BERTONI, N. O cenário do consumo de crack e o Inquérito Nacional sobre Crack, 2012. In: BASTOS, F. I.; BERTONI, N. (org.). Pesquisa Nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro: ICICT/FIOCRUZ, 2014. p. 11-22. Disponível em: https://www.icict.fiocruz.br/sites/www.icict.fiocruz.br/files/Pesquisa%20Nacional%20sobre%20o%20Uso%20de%20Crack.pdf. Acesso em: 07 jul. 2020.

BOLZAN, L. M. Deméter, Ceres e Bacante: homogeneização da mulher que faz uso de drogas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015.

BRASIL. Lei n. 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do SUS, a Rede Cegonha. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html. Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf. Acesso em: 01 jun. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012. Brasília, DF: Presidência da República, 2016a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm. Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Ministério da Saúde. Nota Técnica n. 01/2016/MDS/MSaúde. Brasília, DF: MDS/MS, 2016b. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/legislacao/bolsa_familia/nota_tecnica/nt_conjunta_01_MDS_msaude.pdf. Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.068, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada à mulher e ao recém-nascido no Alojamento Conjunto. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2016c. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/Portaria-2068_2016.pdf. Acesso em: 01 maio 2018.

CECÍLIO, L. C. O. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 2006. p. 117-130.

COHEN, A.; OSORIO, R.; PAGE L. M. Substance misuse in pregnancy. Obstetrics, Gynaecology & Reproductive Medicine, [s. l.], v. 27, n. 10, p. 316-321, 2017. Disponível em: https://www.obstetrics-gynaecology-journal.com. Acesso em: 6 jul. 2020.

COSTA, S. H. M. et al. Crack: a nova epidemia obstétrica. Revista HCPA, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 55-65, 2013. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/158957/001013957.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 24 abr. 2019.

MACEDO, F. S.; MACHADO, P. S. Economia moral e modelos de atenção no cuidado com gestantes que usam crack. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 109, p. 34-46, 2016. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/sdeb/v40n109/0103-1104-sdeb-40-109-00034.pdf. Acesso em: 05 jun. 2018.

MARANGONI, S. R. et al. Perfil sociodemográfico das mulheres usuárias de álcool e outras drogas na gravidez. Uningá Review, Maringá, v. 30, n. 3, p. 19-24, 2017. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20170706_220949.pdf. Acesso em: 25 ago. 2019.

MARTINS, L. C. Crack e gestação: perfil e desfechos maternos e neonatais de mulheres usuárias internadas no Hospital Universitário em Jundiaí. São Paulo: Faculdade de Medicina de Jundiaí, 2017. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5943363. Acesso em: 24 abr. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Razões médicas aceitáveis para uso de substitutos do leite materno. Suíça: OMS, 2009. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/69938/WHO_FCH_CAH_09.01_por.pdf;jsessionid=145FBBD8F5EC081E10DD2BFB88E4B5D5?sequence=2. Acesso em: 01 jun. 2019.

PORTO, P. N. et al. Fatores associados ao uso de álcool e drogas por mulheres gestantes. Revista Rene, Fortaleza, v. 19, p. 1-7, 2018. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/31321/pdf. Acesso em: 24 abr. 2019.

RAMIRO, F. S. et al. Women crack users, pregnancy and motherhood: potential periods for health care. Psicologia: Teoria e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 34, p. 1-8, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ptp/v34/0102-3772-ptp-34-e34425.pdf. Acesso em: 6 jul. 2020.

RANGEL, G. L. N. Histórias não contadas: acolhimento institucional de recém-nascidos de mulheres usuárias de drogas. 2018. Dissertação (Mestrado em Política Social) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, 2018. Disponível em: http://200.137.65.30/bitstream/10/11110/1/tese_12843_Gediane%20L.%20Neves%20Rangel.pdf. Acesso em: 29 maio 2019.

RAYBURN, W. F. Maternal and fetal effects from substance Use. Clinics in Perinatology, [s. l.], v. 34, n. 4, p. 559-571, 2007. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0095510807000693?via%3Dihub. Acesso em: 6 jul. 2020.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Termo de Compromisso de Integração Operacional. Rio Grande do Sul: TJRS, 2009.

RIOS, A. G. O fio de Ariadne: sobre os labirintos de vida de mulheres grávidas usuárias de álcool e outras drogas. 2017. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2017. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/325079/1/Rios_ArianeGoim_M.pdf. Acesso em: 24 abr. 2019.

ROSATO, C. M. O acolhimento institucional de bebês de mães usuárias de substâncias psicoativas: violência estatal contemporânea. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 11 & 13TH WOMEN’S WORLDS CONGRESS, 2017, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: [s. n.], 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1498508938_ARQUIVO_FG-Trabalhocompleto(2017).pdf. Acesso em: 24 abr. 2019.

TEIXEIRA, M. B.; ENGSTROM, E. M.; RIBEIRO, J. M. Revisão sistemática da literatura sobre crack: análise do seu uso prejudicial nas dimensões individual e contextual. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 112, p. 311-330, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v41n112/0103-1104-sdeb-41-112-0311.pdf. Acesso em: 02 set. 2019.

UNITED NATIONS. Booklet 2: Drug use and health consequences. In: UNITED NATIONS. World Drug Report 2020. Austria: United Nations, 2020. p. 1-49. Disponível em: https://wdr.unodc.org/wdr2020/field/WDR20_Booklet_2.pdf. Acesso em: 6 jul. 2020.

WRONSKI, J. L. et al. Uso do crack na gestação: vivências de mulheres usuárias. Revista de enfermagem UFPE, Recife, v. 10, n. 4, p. 1231-1239, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/11108/12577. Acesso em: 24 abr. 2019.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Publicado
2020-11-21
Como Citar
DalpiazA. K., & Barros OliveiraP. A. (2020). O atendimento à saúde das mulheres usuárias de crack e de seus filhos recém-nascidos na Maternidade de um Hospital Universitário do Rio Grande do Sul (Health care for women who use crack and their newborn children in the Maternity Ward of a University.). Emancipação, 20, 1-15. https://doi.org/10.5212/Emancipacao.v.20.2015156.027
Seção
Artigos