RELATO DE EXPERIÊNCIA DE OFICINAS EM EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL: CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS PARA A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL EM ESCOLAS

Resumo

A Educação Alimentar e Nutricional (EAN) tem por finalidade contribuir para a promoção e a proteção da saúde, através da alimentação adequada e saudável. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi relatar a experiência de oficinas de educação alimentar e nutricional, utilizando atividades lúdicas para a capacitação de merendeiras para a promoção da alimentação saudável em escolas. As estratégias de EAN utilizadas foram avaliadas por meio de questionário antes e depois das oficinas, nos quais obtiveram resultados satisfatórios após a realização das atividades educativas.

Biografia do Autor

Lucas Oliveira Teixeira, Universidade Federal do Tocantins - UFT
Aluno de Graduação da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas - TO, Brasil.
Indja Hanna Kawana Reis, Universidade Federal do Tocantins - UFT
Aluna de Graduação da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas - TO, Brasil.
Caroline Roberta Freitas Pires, Universidade Federal do Tocantins - UFT
Professora da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas - TO, Brasil. Doutorado em Ciência dos Alimentos.    
Viviane Ferreira Santos, Universidade Federal do Tocantins - UFT
Aluna de Graduação da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas - TO, Brasil.
Diego Neves Sousa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Pesca e Aquicultura
Pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Palmas - TO, Brasil.
Hellen Christina de Almeida Kato, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Pesca e Aquicultura - EMBRAPA
Pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Palmas - TO, Brasil.

Referências

ALVES, L.; MELO, D. H. C.; MELO, J. F. Análise do conhecimento nutricional de adolescentes, pré e pós atividade educativa. Em Extensão, Uberlândia, v. 8, n. 2, p. 68-79, jul.-dez. 2009. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/ view/20532>. Acesso em: 26 set. 2018.

BARBOSA, N. V. S; MACHADO, N. M. V.; SOARES, M. C. V.; PINTO, A. R. R. Alimentação na escola e autonomia – desafios e possibilidades. Ciência & Saúde Coletiva, v 18, n. 4, p. 937-945. 2013.

BATISTA, F. M.; RISSIN, A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Caderno de Saúde Pública, 19(Sup. 1): S181-S191, 2003.

BRASIL. Alimentação e Nutrição no Brasil – Técnico em alimentação escolar. Caderno 10 - Curso Técnico de Formação para os Funcionários da Educação. Ministério da Educação. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual operacional para profissionais de saúde e educação: promoção da alimentação saudável nas escolas. Brasília: Ministério da Saúde, 2008a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2008b.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Por uma política de valorização dos trabalhadores em educação: em cena, os funcionários da escola. Brasília (DF): Ministério da Educação e Cultura, 2004a.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Nacional de Alimentação Escolar. Brasília: Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, 2004b.

CALDEIRA, R.; FAVA, B.M. Comida: uma contadora de histórias. Anais do Seminário Nacional do Centro de Memória-UNICAMP, Campinas,SP, Brasil, v2016.

CAMPOS, J.A.D.B.; ZUANON, A.C.C. Merenda escolar e promoção de saúde. Revista Ciência Odontológica Brasileira, v. 7, n. 3, p. 67-71, 2004.

COSTA, L. D.; VALEZI, A. C.; MATSUO, T.; DICHI, I.; DICHI, J. B. Repercussão da perda de peso sobre parâmetros nutricionais e metabólicos de pacientes obesos graves após um ano de gastroplastia em Y-de-Roux. Revista Brasileira do Colégio de Cirurgiões, v. 37, n. 2, p. 096-101. 2010.

COZZOLINO, S. M. F. Biodisponibilidade de nutrientes. 4ª edição. São Paulo: Manole, 1334 p. 2012.

ESCODA, M.S.Q. Para a crítica da transição nutricional. Ciência & Saúde Coletiva, v.7, n. 2, p. 219-226, 2002.

FANTINI, A. P.; CANNIATTI,-BRAZACA, S. G.; SOUZA, M. C.; MANSI, D. N. Disponibilidade de ferro em misturas de alimentos com adição de alimentos com alto teor de vitamina C e de cisteína. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, n.2, p.435-439, 2008.

FARIAS, P. K. S; SILVA, V. S.; SILVEIRA, M. F.; CALDEIRA, A. P.; PINHO, L. Consumo habitual de alimentos fonte de vitamina A em pré-escolares da zona rural do norte de Minas Gerais. Revista de Nutrição, v. 28, n.5, p.533-542, 2015.

LOPES, M. S.; CASTRO, J. J.; MARCELINO, M.; OLIVEIRA, M. J.; CARRILHO, F.; LIMBERT, E. Iodo e tiroide: O que o clínico deve saber. Acta Medica Portuguesa. v. 25, n.3, p.174-178, 2012.

LOUZADA, M. L. C.; MARTINS, A. P. B.; CANELLA, D. S.; BARALDI, L. G.; LEVY, R. B.; CLARO, R. M.; MOUBARAC, J-C.; CANNON, G. MONTEIRO, C. A. Impacto de alimentos Ultraprocessados sobre o teor de micronutrientes da dieta do Brasil. Revista Saúde Pública, v.1, n.1, p.49-45, 2015.

LUCENA, A. M. S.; SARAIVA, E. S. S.; ALMEIDA, L. S. C. A Dialógica como Princípio Metodológico Transdisciplinar na Pesquisa em Educação. Millenium, v. 50, n.1, p.179-196, 2015.

MENEGAZZO, M.; FRACALOSSI,K.; FERNANDES, A.C.; MEDEIROS, N.I. Avaliação qualitativa das preparações do cardápio de centros de educação infantil. Revista de Nutrição, v.24 n.2, p.243-251, 2011.

MONTANARI, M. Comida como cultura. São Paulo: Editora Senac São Paulo, p. 107-111, 2008.

NOVAIS, P. F. S.; RASERA, J. I.; LEITE, C. V. S.; OLIVEIRA, M. R. M. Evolução e classificação do peso corporal em relação aos resultados da cirurgia bariátrica: derivação gástrica em Y de Roux. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, v. 54, n. 3, p. 303-310. 2010.

NUNES, B.O. O sentido do trabalho para merendeiras e serventes em situação de readaptação nas escolas públicas do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de saúde pública; p.163, 2000.

SANTOS, C. M. B; ARAÚJO, C. C; SOARES, M. B; JESUINO, R. S. A; MORAIS, C. C. Experiência de extensão: “Rotulagem nutricional: conheça o que você consome”. Revista Ciência em Extensão, v.12, n.4, p.160-173, 2016.

SANTOS, L. A. S. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Revista de Nutrição, v. 18, n. 5, p. 681-692, set-out. 2005.

SEVERINO, N. S. A memória de um paladar: queijo mineiro e sua patrimonialização. In VI Simpósio Nacional de História Cultural. 2011.

SILVA, M. R.; SLVA, M. S.; SILVA, P. R. M.; OLIVEIRA, A. G.; AMADOR, A. C. C.; NAVES, M. M. V. Composição em nutrientes e valor energético de pratos tradicionais de Goiás, Brasil. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 23. n.1, p. 140-145, 2003.

SOUZA, R. H. ; TOMAZI, C. D. ; VIEIRA. I. ; CERETTA, L. B. ; RIBEIRO, R. S. V. . Educação alimentar e nutricional: relato de experiência. Revista do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica / Saúde da Família, v. 03, n.1, p. 01, 2016.

SOUZA, W. A.; VILAS BOAS, O. M. G. C. A deficiência de vitamina A no Brasil: um panorama. Revista Panamericana Salud Publica/Pan Am J Public Health, v. 12, n. 3, p. 173-179, 2002.

SOUZA, W. A.; VILAS BOAS, O. M. G. C. Orientação sobre o uso de vitamina A na saúde escolar: comparação de técnicas pedagógicas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 1, p. 183-190, 2004.

TEO, C.R.P.A.; SABEDOT, F. R.B.S.; SCHAFER, E. Merendeiras como agentes de educação em saúde da comunidade escolar: potencialidades e limites. Revista Espaço para a Saúde, v. 11, n. 2, p. 11-20, 2010.

TURANO, W.; ALMEIDA, C. C. C. A. Educação Nutricional. In: GOUVEIA, E. L. C. Nutrição, Saúde e Comunidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter, p. 57-77. 1999.

YAMAGISHI, J. A. et al. Anemia ferropriva: diagnóstico e tratamento. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, v. 8, n. 1, p. 99-110, 2017.

Publicado
2019-12-13