CONHECER PARA PREVENIR: A IMPORTÂNCIA DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA DIVULGAÇÃO NEUROCIENTÍFICA PARA PREVENÇÃO DE LESÃO CEREBRAL

Resumo

Acidentes de bicicleta e skates envolvendo crianças e adolescentes são comuns. Apesar disso, muitos não usam capacete. Compreender estruturas cerebrais, suas fragilidades e como é importante usar proteção pode minimizar e até prevenir lesões encefálicas traumáticas. A divulgação cientifica é uma ferramenta útil para esse fim. O Grupo de Estudos em Neurociências (GEN) da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) realizou o evento “Conhecendo o Cérebro”, estilo mostra de ciências que, na IV edição, apresentou estandes sobre prevenção de lesões cerebrais com o uso de capacetes. O objetivo do artigo é relatar ações desse estande, subdividido em três etapas para facilitar o entendimento. Os visitantes ouviram explicações sobre o encéfalo e participaram de atividades que demonstravam a importância do capacete. Mais de 300 pessoas compareceram nos dias que o evento foi realizado. De acordo com perguntas e reações dos visitantes no estande em questão, nota-se que o objetivo de despertar o interesse pelo assunto foi alcançado.

Biografia do Autor

Millena Lana Carvalho, Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP
Aluna de Graduação da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Jacarezinho - PR, Brasil.
Ohana Turcato Macacare, Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP
Aluna de Graduação da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Jacarezinho - PR, Brasil.
Maria Beatriz da Silva Rocha, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita" - UNESP
Aluna de Mestrado da Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita" (UNESP), São Paulo - SP, Brasil.
Roberta Ekuni, Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP
Professora da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Jacarezinho - PR, Brasil. Doutorado em Psicobiologia.

Referências

ANDRADE, S. M. D.; JORGE, M. H. P. Características das vítimas por acidentes de transporte terrestre em município da Região Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 2, p. 149-156, 2000.

ARANTES, M.; ARANTES, J.; FERREIRA, M. A. Tools and resources for neuroanatomy education: a systematic review. BMC medical education, v. 18, n. 1, p. 94, 2018.

ARRIGONE, G. M.; MUTTI, C. N. Uso das experiências de cátedra no Ensino de física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n. 1, p. 60-90, 2011.

AUMAN, K. M. et al. Autopsy study of motorcyclist fatalities: the effect of the 1992 Maryland motorcycle helmet use law. American Journal of Public Health, v. 92, n. 8, p. 1352-1355, 2002.

BAALBAKI, A. C. F. A divulgação científica e o discurso da necessidade. Revista Letras, v. 24, n. 48, p. 379-396, 2014.

BOURDET, N. et al. Behavior of helmets during head impact in real accidents cases of motorcycle. International Journal of Crashworthiness, v. 17, n. 1, p. 51-61, 2012.

CANOVA, J. C. M. et al. Traumatismo cranioencefálico de pacientes vítimas de acidentes de motocicletas. Arquivos de Ciências da Saúde, v. 17, n. 1, p. 9-14, 2010.

CARRASCO, C. E. et al. Fatal motorcycle crashes: a serious public health problem in Brazil. World journal of emergency surgery, v. 7, n. 1, p. 1-6, 2012.

CHAGAS, I. Aprendizagem não formal/formal das Ciências. Relações entre os museus de ciências e as escolas. Revista de Educação, v. 3, n. 1, p. 51-59, 1993.

CORRÊA, E. J., et al. A área da saúde e a implementação da política nacional de extensão. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 4, n. 2, p. 7-13, 2006.

DE OLIVEIRA G. G. Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos (Online), v. 18, p. 13-24, 2014.

DECIMO, I. et al. Meninges: from protective membrane to stem cell niche. American Journal of Stem Cell, v. 1, n. 2, p. 92-105, 2012.

EKUNI, R. et al. Projeto de Extensão Grupo de Estudos em Neurociência: divulgando neurociência e despertando vocações. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 5, n. 2, p. 55-59. 2014.

ELOIA, S. C. et al. Análise epidemiológica das hospitalizações por trauma cranioencefálico em um hospital de ensino. Revista Sanare, v. 10, n. 2, p. 34-39, 2011.

FRIEDMAN, A. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

GRILLO, S. V. C. Gêneros primários e gêneros secundários no círculo de Bakhtin: implicações para a divulgação científica. ALFA: Revista de Linguística, v. 52, n. 1, p. 57-79, 2008.

HAJJAWI, O. Human Brain Biochemistry. American Journal of Bioscience, v. 2, n. 4, p. 122-134, 2014.

KANDEL, E. et al. Princípios de Neurociência. 5.ed. Porto Alegre: AMGH Editora; 2014.

KISHMOTO, T. M. Jogos tradicionais infantil: o jogo, a criança e a educação. Petrópolis: Vozes, 1993.

LEITE, A. A. Análise do Líquido Cefalorraquidiano. Revisão de Literatura. Atas de Ciências da Saúde, v. 4, n. 3, 2016.

MAGALHÃES, A. L. et al. Epidemiologia do traumatismo cranioencefálico no Brasil. Revista Brasileira de Neurologia, v. 53, n. 2, p. 15-22, 2017.

MALTA, D. C. et al. Lesões no trânsito e uso de equipamento de proteção na população brasileira, segundo estudo de base populacional. Ciência e Saúde Coletiva, v. 21, n. 2, p. 399-409, 2016.

MANDARIN, E. Neuroproteção a zero grau. Revista Pesquisa, v. 5, n. 20, p. 55-57, 2012.

MATHERS, C. D.; LONCAR, D. Updated projections of global mortality and burden of disease, 2002-2030: data sources, methods and results. Geneva: World Health Organization, 2005.

NETTER, F. H. Atlas de Anatomia Humana. 6ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

NEVES, S. R. G.; GONÇALVES, T. V. O. Feiras de Ciências. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 6, n. 3, p. 241-247, 1989.

NORVELL, D. C.; CUMMINGS, P. Association of helmet use with death in motorcycle crashes: a matched-pair cohort study. American Journal of Epidemiology, v. 156, n. 5, p. 483-487, 2002.

PEDEN. M et al. World report on road traffic injury prevention. Geneva: World Health Organization Geneva, 2004.

SHARIF, Y. et al. Blood Brain Barrier: a review of its anatomy and physiology in health and disease. Clinical Anatomy, v. 31, n. 6, p. 812-823, 2018.

SILVA, K. R. S.; BRITO, V. C. Manual de aula prática para o ensino de anatomia humana. XIII JORNADA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO–JEPEX–UFRPE: Recife, v. 9, 2013.

SILVA, M. A. et al. Práticas artísticas para divulgar neurociência: relato do evento “Conhecendo o cérebro”. Revista Educação, Artes e Inclusão, v. 13, n. 3, p. 224-244, 2017.

SOUZA, R. E. et al. "Conhecendo o cérebro": divulgando e despertando interesse na neurociência. Revista Ciência em Extensão, v. 12, n. 2, p. 125-140, 2016.

WELLER, R. O. et al. The meninges as barriers and facilitators for the movement of fluid, cells and pathogens related to the rodent and human CNS. Acta neuropathologica, v. 135, n. 3, p. 363-385, 2018.

YOUSSEF, Farid F. Neurophobia and its implications: evidence from a Caribbean medical school. BMC medical education, v. 9, n. 1, p. 39, 2009.

Publicado
2019-09-27