EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM COMUNIDADE RURAL: DIÁLOGOS PARA CONSERVAÇÃO DA ARAUCARIA ANGUSTIFOLIA

Palavras-chave: Agricultores, Pesquisa-ação, Pinhão.

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender a relação entre a comunidade rural, instituições atuantes na comunidade e o pinhão, a fim de analisar a importância da Araucaria angustifolia dentro dessa cultura e relaciona-la à conservação da espécie. O presente artigo é fruto do projeto “Estudo socioambiental com foco na cadeia produtiva do pinhão, a partir de uma visão de conservação da Araucaria angustifolia, na comunidade rural de Campo Redondo, Itamonte/MG”. Na metodologia, optou-se pela pesquisa-ação utilizando a análise documental, observação participante e entrevista. Observou-se, na cultura local, a coleta e a utilização dos galhos da Araucaria angustifolia como lenha, assim como a coleta do pinhão para ser comercializado e utilizado na alimentação local. Também foram construídos, junto com a comunidade, três espaços dialógicos de valorização do pinhão enquanto alimento, cultura e preservação da espécie. Este trabalho reforçou a importância da troca de saberes entre comunidade e instituições que lá atuam.

Biografia do Autor

Natália Reguera Carvalho, Universidade Federal de Lavras - UFLA
Graduação. Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras – MG, Brasil.
André Wagner Barata Silva, Universidade Federal Lavras - UFLA
Aluno de Doutorado da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras – MG, Brasil. 
Viviane Santos Pereira, Universidade Federal de Lavras - UFLA
Professora da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras – MG, Brasil. Doutorado em Administração.
Luiz Antônio Augusto Gomes, Universidade Federal de Lavras - UFLA / Universidade Federal de Uberlândia – (UFU)
Professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras – MG, Brasil. Professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Patos de Minas – MG, Brasil. Doutorado em em Genética e Melhoramento de Plantas

Referências

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Florestas Nacionais, 2005. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/sfb/_arquivos/livro_de_bolso___sfb_mma_2010_web_95.pdf.>. Acesso em 10 de fev. de 2016.

BRDE - Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, Agência de Florianópolis, Gerência de Planejamento. Cultivo da Araucaria angustifolia: análise de viabilidade econômico-financeira. Florianópolis: BRDE, 2005. 53 p.

CERTI - Centro de Referencia em Tecnologias Inovadoras. Diagnóstico das Cadeias Produtivas do Pinhão e da Erva-Mate. Análise Integrada das Cadeias Produtivas de Espécies Nativas da Floresta Ombrófila Mista e seu impacto sobre este Ecossistema. Fundação Grupo Boticário, vol. 1, fev. 2012.

CLIMATE-DATA.ORG. Clima: Itamonte. Disponível em: <https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/minas-gerais/itamonte-25072/>. Acesso em 13/07/2019.

DANNER, M. A.; ZANETTE, F.; RIBEIRO, J. Z. O cultivo da araucária para produção de pinhões como ferramenta para a conservação. Pesquisa Florestal Brasileira. Colombo, v. 32, n. 72, p. 441-451, out/nov. 2012.

DAROLT, L. M.; HELM, C. V. Caracterização da composição química e compostos fenólicos do pinhão. In: XI EVENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA FLORESTAS. Anais... Colombo-PR: EMBRAPA FLORESTAS, 2012.

DILLENBURG, L.R.; FRANCO, A. M.S.; COUTINHO, A. L.; YANASAKI, S. Aspectos ecofisiológicos da regeneração de Araucaria angustifolia. In: FONSECA, C.R. et al. (Ed.). Floresta com Araucária: Ecologia, Conservação e Desenvolvimento Sustentável. Ribeirão Preto: Holos, 2009. p. 57-65.

FLORIANI, G.S. Debulhando pinha, semeando pinhão: propostas de uso e conservação para a araucária. Rev. Bras. Agroecologia, v.2, n.1, fev. 2007.

FORPROEX - FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: FORPROEX, 2012. Disponível em: <http://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Extens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2019.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2008.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da biodiversidade. Diagnóstico socioeconômico, histórico e cultural da área de proteção ambiental da Serra da Mantiqueira. Diretoria de Planejamento, administração e logística, Curitiba-PR, 2013.

RAMOS-COSTA, A. M. et al. Floresta com Araucária: ecologia, conservação e desenvolvimento sustentável. Ribeirão Preto: Holos, 2009. p. 253-265.

SILVA, C. V. Aspectos da obtenção e comercialização de pinhão na região de Caçador - SC. Dissertação (Mestrado em Recursos Genéticos Vegetais) – Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2006. 111p

STAHL, J. A. LOBATO, L. P.; BOCHI, V. C.; KUBOTA, E. H.; GUTKOSKI, L. O.; EMANUELLI, T. Physicochemical properties of pinhão (Araucaria angustifolia, Bert, O. Ktze starch phosphates. LWT - Food Science and Technology, London, vol. 40, n. 7, p. 1206- 1214, 2007.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2008.

ZANETTE, F. A araucária como fruteira para produção de pinhões. Jaboticabal: Funep, 2010. 25p. (Série Frutas Nativas)

Publicado
2019-08-12