REFÚGIO: IDENTIDADE, INTOLERÂNCIA E AS DIFERENÇAS NA SOCIEDADE ACOLHEDORA

Mônica Peralli Broti, Paulo Roberto Monteiro de Araujo

Resumo


O artigo investiga as experiências do refugiado sírio no cenário político e sociocultural do Brasil. No sentido de como tal aproximação abre aos refugiados e à comunidade acolhedora novos significados culturais e existenciais, partiu-se da revisão das principais questões da pluralidade de identidades culturais, observadas em campo por meio de cinco entrevistas individuais, e, consequentemente, das suas relações com o contexto da cultura brasileira. Além disto, analisou-se como as considerações desses sírios foram interpretadas à luz do autor Charles Taylor (1994) que se dedicou a avaliar a necessidade de uma política de reconhecimento cultural à disposição de sociedades cada vez mais diversificadas. Em diálogo com a educação social, salienta-se a importância das práxis do educador na integração do refugiado as condições dignas de vida, abarcando o direito a identidade cultural. Sendo assim, a compreensão dos padrões culturais e de comportamento dos refugiados, por parte do país de asilo, contribuem para a construção de uma sociedade mais democrática que assegure, a eles, a integridade física, moral e a possibilidade de viver livre sem o medo da perseguição.

Palavras-Chave: Refugiados. Identidade cultural. Educação social. Reconhecimento.




ISSN  Impresso: 2238-7552

ISSN Eletrônico: 2238-7560

INDEXADO  EM:

GeoDados  (Universidade Tecnológica Federal do Paraná)

FUNPEC  (Sumários de Revistas Brasileiras)

CLASE  (Base de Datos Bibliográfica de Revistas de Ciencias Sociales y Humanidades) da Universidade Nacional Autônoma de México  UNAM 

LATINDEX (Sistema Regional de Información em Línea para Revistas Científicas de América Latina, El Caribe,  España  y Portugal)