'Longe de Chanel ou Pitanguy Existem Corpos Desejados Aqui': Diálogos Queer Sobre os Corpos (Tra)Vestidos de Desejos nas Prisões DOI: 10.5212/Rlagg.v.8.i1.0020

Bárbara Cossettin Costa Beber Brunini, Wiliam Siqueira Peres, Rogério Amador de Melo

Resumo


Apresentar a perspectiva Queer é agir de maneira provocativa e desafiante, ainda mais quando nós, agentes atuantes em ambiente penal e profissionais da psicologia, somos atravessados pela sua força impetuosa e sagaz. Os corpos travestidos de sujeitos localizados no sistema prisional e estigmatizados como corpos perversos ou obscenos por outros encarcerados são julgados pelos prazeres sentido na carne. As travestis no sistema prisional emergem enquanto corpos já julgados e passíveis ao castigo da lei. Contudo, reinauguram novas formas de existir em um contexto diferente, regido pela instituição prisional possibilitando outras formas de sentir, pensar, desejar, agir e viver. Apresentamos aqui, de modo crítico, as conversações propostas pela perspectiva Queer descritas em diversas fontes bibliográficas oportunizando novos questionamentos e debates sobre o olhar pela/da diferença.

Palavras-chave


Psicologia; Travestis; Sistema Prisional.

Texto completo:

PDF


 

Revista Latino-americana de Geografia e Gênero  - UEPG
Fone: +55 (42) - 3220 - 3046
E-mail: generogeo@gmail.com